Estatísticas e Análises | 14 de agosto de 2018

RS já registra 63 mortes por gripe em 2018

Número de óbitos é maior do que todo o ano de 2017
RS já registra 63 mortes por gripe em 2018

O Rio Grande do Sul já registra 63 mortes pelo Influenza (vírus da gripe) em 2018, de acordo com o último Boletim Epidemiológico divulgado pela Secretaria Estadual de Saúde do RS (SES/RS), do dia 13 de agosto. As mortes por gripe já superam todo o ano de 2017, que registrou 48 mortes.

Ocorreram 45 óbitos por H1N1 (Influenza A), oito por H3N2 (Influenza A), cinco por influenza A não subtipado e cinco por influenza B. No total, já foram registrados 484 casos de Influenza no estado.

De acordo com a SES/RS, das 45 mortes registradas, 76,2% apresentavam pelo menos um fator de risco. A condição de risco mais frequente foi ter mais de 60 anos (42,9%) e doença cardiovascular (28,6%).

As mortes ocorreram em Alvorada, Antônio Prado, Araricá, Bagé, Balneário Pinhal, Cachoeira do Sul, Cachoeirinha, Canela, Canoas, Carazinho, Caxias do Sul, Charqueadas, Farroupilha, Flores da Cunha, Gramado, Gravataí, Guaíba, Imbé, Lajeado, Novo Hamburgo, Nova Petrópolis, Parobé, Passo Fundo, Porto Alegre, Roca Sales, São Jerônimo, São Leopoldo, São Marcos, Sapiranga, Taquara, Terra de Areia, Tramandaí, Tupanciretã, Vera Cruz e Viamão.

A Secretaria informa que a cobertura vacinal do RS foi de 85,1% dos grupos prioritários, não sendo atingida a meta de imunizar 90% desta população. Os grupos que tiveram cobertura abaixo da meta foram as crianças, gestantes e trabalhadores de saúde.

Confira o número de casos e óbitos por Influenza em 2018 (até a semana epidemiológica 32)

 casos.infu

 

Prevenção

Além da vacinação, é recomendado que sejam adotadas medidas gerais de prevenção, tais como:

  • * Frequente higienização das mãos, principalmente antes de consumir algum alimento
  • * Utilizar lenço descartável para higiene nasal
  • * Cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir
  • * Evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca
  • * Higienizar as mãos após tossir ou espirrar
  • * Não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas.
  • * Manter os ambientes bem ventilados
  • * Evitar contato próximo a pessoas que apresentem sinais ou sintomas de influenza.
  • * Evitar sair de casa em período de transmissão da doença
  • * Evitar aglomerações e ambientes fechados (procurar manter os ambientes ventilados)
  • * Adotar hábitos saudáveis, como alimentação balanceada e ingestão de líquidos
  • * Orientar o afastamento temporário (trabalho, escola etc.) até 24 horas após cessar a febre

 

Com informações da Secretaria Estadual da Saúde do Rio Grande do Sul. Edição do Setor Saúde.

VEJA TAMBÉM

Manual para Identificação e Avaliação de Tecnologias Novas e Emergentes em Saúde é lançado

Uma parceria entre a Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (Conitec) e membros da Rede Brasileira de Avaliação de Tecnologia em Saúde (Rebrats) deu origem a tradução do Manual Metodológico para Identificação e Avaliação de Tecnologias Novas e Emergentes em Saúde. O documento original foi elaborado pela EuroScan International Network, uma
"benefícios superam os riscos"

Após casos suspeitos de trombose, Anvisa solicita alteração de bula da vacina de Oxford

A Anvisa solicitou na noite desta quarta-feira (7) a inclusão de possíveis ocorrências tromboembólicas com trombocitopenia no item “Advertência e Precauções” da bula da vacina de Oxford/Astrazeneca/Fiocruz. “Tratam-se de casos muito raros de formação de coágulos sanguíneos associados à trombocitopenia – diminuição do número de plaquetas (fragmentos de células  que ajudam a coagular o sangue) – e, em alguns casos, sangramentos que podem estar associados ao uso da vacina. Os casos foram

Santa Casa participa de estudos publicados nas duas mais importantes revistas médicas do mundo 

O Centro de Hipertensão Pulmonar da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, liderado pela médica Gisela Meyer, participou de dois grandes estudos internacionais para a avaliação de novas medicações para o tratamento da hipertensão arterial pulmonar, que foram publicados no The Lancet e no The New England Journal of Medicine (NEJM) em março e abril,