Estatísticas e Análises, Mundo | 28 de maio de 2015

Obesidade na adolescência tem relação com risco de câncer colorretal na fase adulta

Jovens obesos têm risco 2,3 vezes maior de desenvolver o tumor
Obesidade2

Uma pesquisa conjunta entre a Universidade de Harvard (EUA) e o Hospital da Universidade de Orebro (Suécia), indica que adolescentes acima do peso têm o dobro do risco de desenvolver câncer no intestino no futuro. As chances são ainda mais altas para adolescentes obesos.

A análise, divulgada na publicação científica Gut, mostrou que os adolescentes acima do peso tinham o dobro do risco de ter câncer do que os com peso adequado. As chances são ainda mais altas para adolescentes obesos. Os participantes do estudo tinham idades entre 16 e 20 anos quando a pesquisa começou, e os 239.658 mil participantes foram acompanhados ao longo de 35 anos.

No momento do recrutamento (1969-1976), a altura e o peso foram medidos e a velocidade de hemossedimentação (VHS) foi dosada. A grande maioria da população estudada tinha peso normal, mas 6,5% estavam acima do peso e 1% era obeso. Os obesos tiveram 2,38 vezes mais chances de desenvolver tumor no intestino. Houve ainda, 855 casos de câncer colorretal, além de 501 tumores do cólon e 384 tipos de câncer retal.

Comparados com adolescentes de peso normal (IMC de 18,5 a 25 kg/m²), no final da adolescência, aqueles com sobrepeso (IMC entre 27,5 e 30 kg/m²) apresentaram um risco 2,08 vezes maior de câncer colorretal. Já aqueles com obesidade (IMC igual ou superior a 30 kg/m²) apresentaram um risco 2,38 vezes maior de desenvolver o tumor. Adolescentes do sexo masculino com VHS maior que 15 mm/hora tiveram um risco 63% maior do que aqueles com VHS menor que 10 mm/hora.

O estudo, portanto, concluiu que o IMC e a inflamação medida pelo VHS, no final da adolescência, podem estar associados de forma independente com o risco de desenvolvimento de câncer colorretal.

“O final da adolescência marca a transição da infância para a idade adulta e é um período de crescimento acelerado, principalmente entre homens, então esse período pode representar uma janela crítica”, diz o estudo. “É importante que entendamos o papel da infância e da adolescência no desenvolvimento de câncer colorretal. A forte associação observada entre obesidade na adolescência e câncer colorretal na passagem para a meia idade e o aumento da prevalência de obesidade na adolescência pode lançar luz sobre o crescimento da incidência de câncer colorretal entre adultos.

O câncer de intestino é o terceiro tipo de câncer mais comum no mundo, com cerca de 1,4 milhão de novos casos por ano. O consumo de carne vermelha processada e gordura abdominal já tinha sido relacionado ao desenvolvimento da doença.

VEJA TAMBÉM

covid-19

Pesquisa científica demonstra sintomas persistentes da Covid-19 mesmo após recuperação

Na Itália, 71,4% dos pacientes (de 31.845 casos confirmados até 3 de junho de 2020) com Covid-19 apresentaram sintomas. Entre os sintomas comuns, estão tosse, febre, dispnéia, sintomas osteomusculares (mialgia, dor nas articulações, fadiga), sintomas gastrointestinais e perda de olfato e paladar. No entanto, informações sobre os sintomas persistentes após a recuperação são escassos. Um estudo publicado no site do Journal of the American  Medical Association (JAMA), conduzido pela Fondazione Policlinico Universitario Agostino Gemelli, Centro

EUA: Walgreens investe US$ 1 bilhão em atenção primária e Walmart passará a vender seguros de saúde

Uma nova disputa com players altamente capitalizados indica que o mercado de varejo de medicamentos nos Estados Unidos será cada vez mais disputado. E sob um novo modelo de negócio que integra muito mais do que a mera venda de medicamentos e produtos de higiene/beleza. A oferta de serviços de atenção primária vem se tornando
covid-19

Com recorde de 49 mortes em um único dia, disseminação da Covid-19 avança no RS

O cenário de disseminação do coronavírus (Covid-19) e da ocupação de leitos cresce no Estado. Na décima rodada preliminar do Distanciamento Controlado, o Rio Grande do Sul tem 15 regiões com risco alto, ou seja, estão na bandeira vermelha. Essas regiões representam 84,2% da população gaúcha (9.535.519 habitantes). Na rodada definitiva do mapa anterior, eram