Estatísticas e Análises | 1 de agosto de 2018

Ministério da Saúde afirma que distribuição da vacina contra meningite C será regularizada em agosto

Ao menos seis estados enfrentam desabastecimento de doses
Ministério da Saúde afirma que distribuição da vacina contra meningite C será regularizada em agosto

A distribuição da vacina contra a meningite C será normalizada a partir de agosto no país, informa o Ministério da Saúde. No momento, a vacina está sendo distribuída aos estados, porém de forma reduzida devido a atrasos na entrega pelo laboratório produtor, a Fundação Ezequiel Dias (FUNED).

Pelo menos seis estados registram falta da vacina em alguns postos. São os casos de Espírito Santo, Mato Grosso, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo e Tocantins. O problema começou em abril, quando foram distribuídas doses equivalentes a apenas 58% da cota mensal de cada estado – nos meses seguintes, a cota foi ainda menor.

No Rio Grande do Sul, de acordo com a Secretaria Estadual da Saúde do RS (SES/RS), em julho houve uma queda de cerca de 36% da cota mensal para o estado. O Governo Federal afirma ter destinado 178 mil doses para o RS entre janeiro e julho – o que dá uma média de 25,4 mil vacinas por mês. Em 2017, 31 mil doses foram aplicadas por mês. Até 21 de julho, o RS registrou 29 casos da doença, com cinco mortes – em todo o ano de 2017, foram 50 casos e sete mortes.

A Secretaria Municipal de Saúde de Porto Alegre (SMS) informa que, dos 140 postos de saúde da capital, apenas 63 unidades têm a vacina contra a meningite C. A lista completa dos locais pode ser conferida no site da prefeitura.

O Ministério da Saúde orienta que os municípios que estão com estoque reduzido realizem o agendamento da vacinação, de acordo com a disponibilidade das doses.

Esquema vacinal

A vacina Meningocócica C (conjugada) faz parte do Calendário Nacional de Vacinação, sendo administrada aos 3 meses e aos 5 meses, com reforço aos 12 meses. Para crianças que não receberam o reforço aos 12 meses, a vacina poderá ser administrada até os 4 anos de idade.

Com informações do Ministério da Saúde, Secretaria Estadual da Saúde do RS e Secretaria Municipal da Saúde de Porto Alegre. Edição do Setor Saúde.

VEJA TAMBÉM

ONCOLOGIA

O Câncer Não Espera: Campanha alerta sobre os riscos do adiamento de diagnósticos

Nos últimos dias, diferentes cidades do Brasil adotaram a flexibilização das medidas restritivas para conter o avanço da pandemia pelo Covid-19 permitindo a abertura de diversos estabelecimentos. As novas regras de circulação incluem a obrigatoriedade do uso de máscaras por todos nas ruas e ambientes de trabalho, além da restrição de horários de funcionamento de lojas e centros de compras.
covid-19

Pesquisa científica demonstra sintomas persistentes da Covid-19 mesmo após recuperação

Na Itália, 71,4% dos pacientes (de 31.845 casos confirmados até 3 de junho de 2020) com Covid-19 apresentaram sintomas. Entre os sintomas comuns, estão tosse, febre, dispnéia, sintomas osteomusculares (mialgia, dor nas articulações, fadiga), sintomas gastrointestinais e perda de olfato e paladar. No entanto, informações sobre os sintomas persistentes após a recuperação são escassos. Um estudo publicado no site do Journal of the American  Medical Association (JAMA), conduzido pela Fondazione Policlinico Universitario Agostino Gemelli, Centro
covid-19

Com recorde de 49 mortes em um único dia, disseminação da Covid-19 avança no RS

O cenário de disseminação do coronavírus (Covid-19) e da ocupação de leitos cresce no Estado. Na décima rodada preliminar do Distanciamento Controlado, o Rio Grande do Sul tem 15 regiões com risco alto, ou seja, estão na bandeira vermelha. Essas regiões representam 84,2% da população gaúcha (9.535.519 habitantes). Na rodada definitiva do mapa anterior, eram