Estatísticas e Análises | 25 de setembro de 2018

Estudo indica que estatinas não são eficazes na prevenção de doenças cardiovasculares em idosos saudáveis

46 mil pessoas participaram da pesquisa, divulgada pelo The British Medical Journal.
Estatinas não são eficazes na prevenção de doenças cardiovasculares

De acordo com estudo publicado no periódico The British Medical Journal (BMJ), as estatinas não mostraram benefício na prevenção primária de doença cardiovascular aterosclerótica e mortalidade global em pacientes não diabéticos com mais de 75 anos.

O estudo envolveu 46.864 pessoas, com 75 anos ou mais sem doença cardiovascular aterosclerótica clinicamente reconhecida, entre 2006 e 2015. Os participantes foram estratificados pela presença de diabetes mellitus tipo 2 e como não-usuários de estatina ou novos usuários. Dos participantes, 7502 indivíduos (16,0%) estavam tomando uma estatina, e 7880 (16,8%) tinham diabetes tipo 2. O tempo médio de acompanhamento da pesquisa foi de 5,6 anos.

Entre os indivíduos sem diabetes, o tratamento com estatina não foi associado a uma redução nas doenças cardiovasculares ou mortalidade globais em ambos os grupos etários pesquisados – entre 75 a 84 anos; e muito idosos (85 anos de idade ou mais).

Para os participantes com diabetes tipo 2, as estatinas reduziram o risco de doença cardiovascular (em 24%) e morte global (em 16%), porém apenas na faixa até 85 anos de idade (idosos acima desta idade não apresentaram redução), como relatam os pesquisadores.

“A prescrição de estatinas em populações mais velhas precisa de um ajuste mais refinado para as pessoas que poderiam se beneficiar dele, como pessoas com diabetes tipo 2, como evidenciado em nossos resultados”, disse o principal pesquisador do estudo, Rafel Ramos, médico da Jordi Gol Institute for Research in Primary.

De acordo com Ramos, é necessário individualizar as tomadas de decisões sobre tratamento com estatinas em populações idosas. “Achamos que precisamos de ferramentas específicas de previsão de risco para essas pessoas idosas, cujo resultado deve ser compartilhado com os pacientes de forma compreensível para que eles possam participar da decisão de tomar estatinas ou não”, salienta.

As prescrições de estatinas em pacientes idosos aumentaram nas últimas décadas, mas faltam evidências para apoiar o tratamento com estatina na prevenção primária para pessoas com 75 anos ou mais.

“Estes resultados não apoiam o uso generalizado de estatinas em populações idosas e muito idosas, mas eles apoiam o tratamento com estatina em pessoas selecionadas, como aqueles com idades entre 75-84 anos com diabetes tipo 2”, escrevem os autores.

De acordo com os pesquisadores, a força-chave do estudo foi o banco de dados de alta qualidade, internamente validado, de registros médicos eletrônicos que forneceram uma grande amostra e refletiram as condições clínicas da vida real. Ao mesmo tempo, eles frisam que o estudo foi observacional e, portanto, nenhuma conclusão definitiva pode ser tirada sobre causa e efeito.

Em editorial da BMJ, Aidan Ryan, do Hospital Universitário de Southampton, no Reino Unido, e colegas afirmam que essas descobertas observacionais são exploratórias e devem ser testadas em estudos randomizados “para descartar qualquer confusão e estudar o efeito das estatinas na morte por doença cardiovascular, que não foram registrados na base de dados utilizada para este estudo”.

Eles apontam que um estudo clínico em andamento na Austrália, o estudo Statins for Reducing Events in the Elderly (STAREE), que está comparando a atorvastatina 40 mg ao placebo na prevenção primária em adultos com mais de 70 anos.

“Os investigadores esperam recrutar 18 mil participantes e pretendem relatar as descobertas em 2022”, escrevem. “O desafio para os investigadores será se eles podem executar o teste por tempo suficiente para avaliar condições lentamente progressivas, como o comprometimento cognitivo”, apontam.

Enquanto isso, eles dizem que “a preferência do paciente continua sendo o princípio orientador, enquanto esperamos por melhores evidências”.

Dados observacionais mostraram que pesquisadores e pacientes podem ter prioridades diferentes nos objetivos do tratamento, acrescentam os editorialistas. Pacientes com mais de 65 anos priorizaram reduções no infarto do miocárdio e AVC sobre a morte, em contraste com ambos os pesquisadores e pacientes mais jovens.

“Portanto, se no processo de tomada de decisão compartilhada, os pacientes mais velhos expressarem uma preferência por prolongar a longevidade, então as evidências atuais que apoiam as estatinas para a prevenção primária permanecem limitadas”, concluem. “Uma preferência do paciente pela redução do infarto do miocárdio ou acidente vascular cerebral, no entanto, pode ajudar a inclinar o equilíbrio em favor da prescrição de estatina, mas a redução do risco absoluto, número necessário para tratar para prevenir um evento de doenças cardiovasculares em pacientes mais velhos permanece incerto”, ressaltam.

 

Com informações da Medscape. Edição do Setor Saúde.

VEJA TAMBÉM

Sala de Situação

ANS atualiza números de usuários de planos de saúde no Brasil

 A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) atualizou o número de beneficiários de planos de saúde no Brasil, relativos ao mês de outubro. Os números foram disponibilizados pela Sala de Situação, ferramenta disponível no site da agência reguladora. Agora, o país registra 47,31 milhões de beneficiários em planos médico-hospitalares em 755 operadoras ativas com beneficiários. Em relação ao

Alerta: remédio para hipertensão aumenta risco de câncer de pele, diz Anvisa

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), por meio da Gerência de Farmacovigilância (GFARM), divulgou um alerta a população e os profissionais da área de saúde sobre o aumento do risco de câncer de pele não-melanoma decorrente do uso cumulativo do medicamento hidroclorotiazida, utilizado para tratamento da hipertensão arterial e para controle de edemas. De acordo com
segurança no trabalho

Ministério da Saúde lança Atlas com ações para reduzir morte por câncer ligado ao trabalho

Evitar o contato com poeiras orgânicas, agrotóxicos, metais, solventes, produtos petroquímicos, radiação podem reduzir em até 37% os casos de alguns cânceres relacionados ao trabalho no país. Para subsidiar ações de prevenção à exposição ocupacional, o Ministério da Saúde lançou na terça-feira (4), durante a 2ª Jornada Nacional de Saúde do Trabalhador e Trabalhadora que acontece em