Mundo | 22 de maio de 2014

Novas estratégias para erradicar hepatites B e C

Ações preventivas e triagem ampliada para homens entre 18 e 60 anos e grávidas
França

Um relatório divulgado no dia 19 de maio traçou nova estratégia para o combate das hepatites B e C na França. O trabalho da Agência Nacional de Pesquisas sobre Aids e Hepatites  (ANRS, Agence française de recherche sur le sida et les hépatites) incorpora os principais avanços no tratamento e determina uma triagem ampliada para homens de 18 a 60 anos e mulheres grávidas.

As recomendações do relatório foram elaboradas pela Associação Francesa para o Estudo do Fígado (AFEF) e coordenado por Daniel Dhumeaux, que presidiu a Comissão de Monitoramento e Previsão do Plano Nacional de Ação contra a Hepatite B e C entre 2009 e 2012.

Foram identificados grupos mais vulneráveis, como usuários de drogas injetáveis, ex-presidiários, homens homossexuais, entre outros. Dado o elevado número de pessoas que não sabem que estão infectadas com o vírus, a estratégia de rastreamento é ampliado para além dos grupos com fatores de risco. “Os homens são mais frequentemente afetados, na maioria antes dos 40 anos”, destacou Dhumeaux, no relatório.

Além da triagem estendida para homens entre 18 e 60 anos o relatório recomenda, também, exames para detectar hepatite em grávidas na primeira consulta pré-natal, preparando o tratamento que proteja o nascituro da contaminação. Também foi considerado importante “implementar plenamente as estratégias de vacinação”, especialmente entre crianças.

Estima-se que os novos medicamentos para hepatite C (sofosbuvir, simeprevir, daclatasvir) deve custar € 20 bilhões em cinco anos, para erradicar a doença no país.

Mais de meio milhão de pessoas são afetadas pela hepatite B e C na França. No Brasil, A estimativa do Ministério da Saúde é que 800 mil pessoas estejam infectadas pelo vírus da hepatite B e 1,5 milhão de pessoas pela hepatite C.

VEJA TAMBÉM