Estatísticas e Análises, Mundo | 6 de março de 2021

Covid infecta células musculares do coração, podendo gerar danos cardíacos a longo prazo

Pesquisadores dos EUA alertam para possíveis danos inclusive em quem teve quadro leve de Covid-19
Covid infecta células musculares do coração, podendo gerar danos cardíacos a longo prazo

Desde o início da pandemia, a Covid-19 tem sido associada a problemas cardíacos. Mas ainda não se sabe se esses problemas são causados pelo vírus que infecta o coração ou por uma resposta inflamatória à infecção viral em outras partes do corpo. Esses detalhes são importantes para a compreensão da melhor forma de tratar as infecções por coronavírus que afetam o coração.

Um novo estudo da Escola de Medicina da Universidade de Washington, em St. Louis (EUA), fornece evidências de que o dano cardíaco de pacientes com Covid-19 é causado pelo vírus que invade e se replica dentro das células do músculo cardíaco, levando à morte celular e interferindo na contração do músculo cardíaco.

Os pesquisadores usaram células-tronco para projetar o tecido cardíaco que modela a infecção humana e podem ajudar no estudo da doença e no desenvolvimento de possíveis terapias. O estudo também foi publicado no Journal of American College of Cardiology.

“No início da pandemia, tínhamos evidências de que este coronavírus pode causar insuficiência cardíaca ou lesão cardíaca em pessoas geralmente saudáveis, o que foi alarmante para a comunidade de especialistas da área cardiológica”, disse o principal autor do estudo, o médico Kory J. Lavine.

“Mesmo alguns atletas universitários que foram liberados para voltar ao atletismo após a infecção por Covid-19 mostraram posteriormente cicatrizes no coração. Tem havido debate sobre se isso é devido a infecção direta do coração ou devido a uma resposta inflamatória sistêmica que ocorre por causa da infecção pulmonar”, ponderou.

musculo coração covid

Estudo pioneiro

Ele aponta que o estudo é único porque mostra definitivamente que, em pacientes com Covid-19 que desenvolveram insuficiência cardíaca, o vírus infecta o coração, especificamente as células do músculo cardíaco.

Os pesquisadores também usaram células-tronco para determinar o impacto nos tecidos cardíacos. Estudando esses modelos, eles determinaram que a infecção viral não apenas mata as células do músculo cardíaco, mas também destrói as unidades de fibra muscular responsáveis pela contração do músculo cardíaco.

Os pesquisadores também mostraram que essa morte celular e perda de fibras do músculo cardíaco podem ocorrer mesmo na ausência de inflamação.

“A inflamação pode ser um segundo golpe em cima dos danos causados pelo vírus, mas a inflamação em si não é a causa inicial da lesão cardíaca”, disse Lavine.

Resposta imunológica causa preocupação

Geralmente, as células T e B atuam na resposta do sistema imunológico a vírus que afetam o coração. No caso do Sars-CoV-2, no entanto, quem está respondendo majoritariamente à infecção viral são os chamados macrófagos, monócitos e células dendríticas.

Lavine explica que as células T e B tendem a estar associadas a uma doença relativamente curta. Já as células imunes vistas respondendo à inflamação cardíaca causada pelo novo coronavírus costumam agir em condições crônicas, que podem ter consequências de longo prazo. Essa diferença na resposta imune é motivo de atenção para os cientistas, que ainda estão em busca de mais dados e pesquisas para entender o que ela significa.

“A Covid-19 está causando uma resposta imunológica diferente no coração em comparação com outros vírus, e não sabemos o que isso significa ainda”, disse Lavine. “Em geral, as células imunológicas que respondem a outros vírus tendem a estar associadas a uma doença relativamente curta que se resolve com cuidados de suporte. Mas as células imunológicas que vemos em pacientes cardíacos com Covid-19 tendem a estar associadas a uma condição crônica que pode ter consequências de longo prazo. Essas são associações, então precisaremos de mais pesquisas para entender o que está acontecendo”, disse.

Parte do motivo pelo qual essas questões de causalidade relacionadas aos danos ao coração têm sido difíceis de responder é a complexidade de estudar o tecido cardíaco de pacientes com Covid-19. Os pesquisadores foram capazes de validar suas descobertas estudando o tecido de apenas quatro pacientes com Covid-19 que tiveram lesão cardíaca associada à infecção, o que demonstra que mais pesquisas são necessárias para garantir análise e conclusão seguras.

Para esse fim, Lavine e seu colega Michael Diamond estão trabalhando para desenvolver um teste com camundongos para avaliar a lesão cardíaca. Para enfatizar a urgência do trabalho, Lavine enfatizou os danos cardíacos que a Covid-19 pode causar.

“Mesmo os jovens com sintomas muito leves podem desenvolver problemas cardíacos mais tarde, o que limita sua capacidade de exercício físico”, disse Lavine. “Queremos entender o que está acontecendo para que possamos preveni-lo ou tratá-lo. Enquanto isso, queremos que todos levem esse vírus a sério e façam o possível para tomar precauções e impedir a propagação, para que não tenhamos uma epidemia ainda maior de doenças cardíacas evitáveis no futuro”, finalizou.

Com informações do Science Daily. Edição do Setor Saúde.

 

 

 



VEJA TAMBÉM

Manual para Identificação e Avaliação de Tecnologias Novas e Emergentes em Saúde é lançado

Uma parceria entre a Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (Conitec) e membros da Rede Brasileira de Avaliação de Tecnologia em Saúde (Rebrats) deu origem a tradução do Manual Metodológico para Identificação e Avaliação de Tecnologias Novas e Emergentes em Saúde. O documento original foi elaborado pela EuroScan International Network, uma
"benefícios superam os riscos"

Após casos suspeitos de trombose, Anvisa solicita alteração de bula da vacina de Oxford

A Anvisa solicitou na noite desta quarta-feira (7) a inclusão de possíveis ocorrências tromboembólicas com trombocitopenia no item “Advertência e Precauções” da bula da vacina de Oxford/Astrazeneca/Fiocruz. “Tratam-se de casos muito raros de formação de coágulos sanguíneos associados à trombocitopenia – diminuição do número de plaquetas (fragmentos de células  que ajudam a coagular o sangue) – e, em alguns casos, sangramentos que podem estar associados ao uso da vacina. Os casos foram

Santa Casa participa de estudos publicados nas duas mais importantes revistas médicas do mundo 

O Centro de Hipertensão Pulmonar da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, liderado pela médica Gisela Meyer, participou de dois grandes estudos internacionais para a avaliação de novas medicações para o tratamento da hipertensão arterial pulmonar, que foram publicados no The Lancet e no The New England Journal of Medicine (NEJM) em março e abril,