Mundo | 5 de novembro de 2018

Após 20 anos, FDA aprova novo medicamento para gripe

A principal característica do medicamento é sua posologia de dose única
Após 20 anos, FDA volta a aprovar novo medicamento para gripe

O Xofluza (baloxavir marboxil), medicamento de prescrição oral de dose única, foi aprovado pela agência reguladora de medicamentos dos Estados Unidos, a Food and Drug Administration (FDA, na sigla em inglês). O antiviral é o primeiro tratamento para gripe aprovado pela FDA em quase 20 anos, disse o comissário da FDA, Scott Gottlieb, em comunicado. A novidade principal deste medicamento porém, é sua posologia de dose única.

“Com milhares de pessoas afetadas pela gripe todos os anos, e muitas pessoas ficando gravemente doentes, ter alternativas de tratamento seguras e eficazes é fundamental”, disse Gottlieb. A pílula é destinada a pacientes com 12 anos ou mais e que tiveram sintomas por não mais que 48 horas. Quando os pacientes com gripe, uma doença respiratória, são tratados dentro de 48 horas após o adoecimento, os medicamentos antivirais podem reduzir os sintomas e a duração da doença, de acordo com a FDA.

Dois ensaios clínicos, com 1.832 pacientes, comprovaram a segurança e a eficácia de Xofluza quando ingeridos dentro de 48 horas após a manifestação dos sintomas da gripe, de acordo com a FDA. Ele é indicado para casos de gripe menos complicados, ou seja, que não sejam graves.

Um estudo destacou que o medicamento atua para ajudar o paciente a se recuperar de uma gripe mais cedo (em até 28 horas), reduzir a gravidade dos sintomas e diminuir o risco de complicações mais graves, que podem inclusive, levar à morte.

A Xofluza foi concebida pela farmacêutica japonesa Shionogi & Co. Ltd. e foi desenvolvida globalmente pela Shionogi e pelo Grupo Roche. A droga foi aprovada em fevereiro no Japão para o tratamento dos tipos A e B da gripe em pacientes adultos e pediátricos. Com exceção do Japão e Taiwan, a Roche passou a deter direitos mundiais sobre o medicamento.

A Xofluza estará disponível nos EUA nas próximas semanas, disse Andrew Villani, gerente sênior de relações corporativas da Genentech, distribuidora do novo medicamento nos Estados Unidos. “O custo de aquisição para a Xofluza é de 150 dólares, que está em paridade com os principais tratamentos antivirais, incluindo o Tamiflu. No entanto, os pacientes com seguro de saúde corporativo que cobrem o custo do medicamento e usam um cupom disponível no site da empresa podem pagar apenas 30 dólares”, acrescentou.

Gottlieb saudou o acréscimo de outro medicamento para tratar a gripe, mas enfatizou que nenhum tratamento é um substituto para a vacina contra a gripe, pedindo a todos para realizar a vacina contra a gripe, nos EUA. Os Centros dos EUA para Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês) recomendam que a população se vacine contra a gripe até o final de outubro, no início do outono no hemisfério norte.

Ainda não há previsão de chegada do medicamento no Brasil.

 

Com informações Medscape e Forbes. Edição Setor Saúde. 

VEJA TAMBÉM

Estudo indica contaminação dos cilindros de oxigênio por superbactérias em ambulâncias

Os cilindros de oxigênio de ambulância provavelmente carregam a bactéria resistente a antibiótico Staphylococcus aureus resistente à meticilina (MRSA, na sigla em inglês). É o que sugere um estudo realizado nos Estados Unidos, apontando para a necessidade de desinfecção regular destes equipamentos médicos. Pesquisadores testaram cilindros de oxigênio transportados em ambulâncias do serviço de socorro médico norte-americano (Emergency Medical
INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

GSK e a Pfizer anunciam joint venture na área produtos “sem prescrição”

As gigantes da indústria farmacêutica GlaxoSmithKline (GSK) e a Pfizer estão unindo suas divisões de produtos “sem prescrição” ou produtos de consumo – conhecidos como Consumer Healthcare -, como analgésicos e vitaminas, com vendas combinadas de cerca de 12,7 bilhões de dólares. A empresa britânica GSK terá 68% da joint venture, que reunirá marcas como Sensodyne, Voltaren

Estados Unidos aprovam novo antibiótico para a diarreia do viajante

A agência reguladora de medicamentos dos Estados Unidos, a Food and Drug Administration (FDA), aprovou o novo antibiótico Aemcolo (do grupo de antibióticos rifamicina, produzida pela Cosmo Technologies), para tratar adultos com diarreia dos viajantes causada por cepas não invasivas da bactéria Escherichia coli (E. coli), e não complicadas por febre ou sangue nas fezes. Este é o primeiro