Estatísticas e Análises, Mundo | 26 de setembro de 2015

Estudo reforça a importância da mamografia a partir dos 40 anos

Pesquisa britânica diz que exame realizado mais cedo reduz em 12% o risco de morte
Estudo reforça a importância da mamografia a partir dos 40 anos

Um estudo publicado na revista The Lancet concluiu que mulheres que começaram a fazer mamografia a partir dos 40 anos  tiveram uma redução no risco de morte em comparação àquelas que começaram aos 50 anos.

A pesquisa, que acompanhou mulheres por 10 anos, foi realizada por cientistas britânicos, avaliou dados epidemiológicos de 160.000 pacientes da Grã-Bretanha. Destas, 53.883 começaram a fazer o exame anualmente, a partir dos 40 anos, e outras 106.953 (grupo de controle) receberam a indicação padrão – iniciaram a mamografia aos 50 anos e repetiram o exame a cada três anos. Foram registradas as ocorrências de câncer e as estatísticas de sobrevivência.

De acordo com a pesquisa, mulheres saudáveis que começaram a fazer a mamografia aos 40 anos, tiveram uma redução de 12% no risco de morte por câncer de mama. Após 17 anos do início do acompanhamento, os resultados mostraram que as pacientes do grupo que começou a fazer o exame aos 40 anos, tiveram redução de 12% no risco de morte. Nos primeiros 10 anos, a redução foi de 25% e relação ao outro grupo.

Na, Grã-Bretanha, recomenda-se que as mulheres façam a mamografia a partir dos 50 anos, repetindo-o a cada três anos, devido a uma relação entre a doença e os efeitos da menopausa. No Brasil, a recomendação do Instituto Nacional do Câncer (Inca) é que os exames sejam feitos a partir dos 50 anos e repetindo a cada dois anos. A mamografia a partir dos 40, só é indicada em casos de risco ou de exame clínico alterado.

Para a revista Veja, o oncologista e diretor do Instituto Vencer o Câncer e chefe do Centro Oncológico Antônio Ermírio de Moraes, da Beneficência Portuguesa de São Paulo, Fernando Maluf, destacou que as diretrizes em relação à prevenção são heterogêneas. “Muitos centros no mundo e inclusive no Brasil sugerem que o exame seja realizado a partir dos 40 anos. Essa revisão britânica comprova isso”.

Para cada 1,4 mil mulheres que fazem mamografia anualmente a partir dos 40 anos, uma morte é evitada, segundo a pesquisa. “Estes resultados podem mudar a recomendação de vários lugares, incluindo do Inca já que essas mulheres terão uma diminuição do risco de morte por câncer, caso comecem essa avaliação mais precocemente”, salientou o oncologista.

VEJA TAMBÉM

REGULAÇÃO

2,1 milhões de dólares: medicamento mais caro do mundo é aprovado nos EUA

A agência reguladora de medicamentos dos EUA, a FDA, aprovou na sexta-feira, 24, a primeira terapia genética para a atrofia muscular espinhal (AME). O laboratório farmacêutico Novartis, responsável pela pesquisa e produção da terapia, estima que a Zolgensma (onasemnogene abeparvovec-xioi) custará algo em torno de 2,125 milhões de dólares (uma única dose), fazendo com que a mesma se torne
LEITURA

Entidades lançam publicações com dados históricos e indicadores da saúde nacional

A Associação Nacional de Hospitais Privados (ANAHP), a Organização Nacional de Acreditação (ONA) e a Confederação Nacional de Saúde (CNSaúde), em parceria com a Federação Brasileira dos Hospitais (FBH) – lançaram importantes publicações durante a Feira Hospitalar que ocorreu entre os dias 21 e 24 de maio, na cidade de São Paulo. Enquanto ANAHP e CNSaúde/FBH apresentam indicadores, dados e artigos, a ONA

Anvisa tira do mercado 185 medicamentos para hipertensão arterial

A a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recolheu 185 lotes de medicamentos para hipertensão arterial. Segundo a agência, os medicamentos recolhidos são os remédios que possuem os princípios ativos do tipo “sartanas”, como a losartana, valsartana, olmesartana e irbesartana. Confira a lista completa aqui. Eles foram recolhidos por suspeita de conter “impurezas” que podem causa câncer