Estatísticas e Análises | 27 de março de 2017

Uso das estatinas para doenças do fígado

Reduzir o colesterol pode ter efeito positivo em doenças hepáticas
Uso das estatinas para doenças do fígado

As estatinas são amplamente utilizadas para controlar o colesterol alto e reduzir o risco de doenças cardiovasculares. Mas em uma nova revisão em mais de 50 estudos, pesquisadores citam reduções na inflamação do fígado e melhorias em outros fatores relacionados. Os pesquisadores (Robert Schierwagen, Frank Erhard Uschner, Fernando Magdaleno, Sabine Klein, Jonel Trebicka) entendem que o tratamento à base de estatinas pode se tornar alternativa para casos de doença hepática crônica. As conclusões foram publicadas na revista cientifica American Journal of Physiology – Gastrointestinal and Liver Physiology.

Em alguns estudos, a equipe de pesquisa descobriu que as estatinas reduziram moléculas inflamatórias que costumam estar tipicamente elevadas em casos de doença hepática e inflamação no endotélio (células que alinham os vasos sanguíneos).

Assim, reduzir o colesterol pode ter um efeito positivo em muitas outras doenças hepáticas crônicas, incluindo doença hepática gordurosa não alcoólica e esteato-hepatite não alcoólica, bem como em transtornos biliares. O uso de estatinas pode contribuir das seguintes maneiras:

Diminuição da fibrose (endurecimento ou cicatrização de tecido)

Diminuir risco de desenvolvimento do fígado gordo (gordura no fígado)

Na disseminação retardada ou interrompida do vírus da hepatite C

Melhoria da hipertensão portal (pressão arterial elevada nos vasos sanguíneos do fígado)

Destruição de células tumorais hepáticas existentes

Redução do risco de desenvolver câncer do fígado

Acesse os resultados do levantamento, em inglês: Rationale for the use of statins in liver disease

VEJA TAMBÉM

ONCOLOGIA

O Câncer Não Espera: Campanha alerta sobre os riscos do adiamento de diagnósticos

Nos últimos dias, diferentes cidades do Brasil adotaram a flexibilização das medidas restritivas para conter o avanço da pandemia pelo Covid-19 permitindo a abertura de diversos estabelecimentos. As novas regras de circulação incluem a obrigatoriedade do uso de máscaras por todos nas ruas e ambientes de trabalho, além da restrição de horários de funcionamento de lojas e centros de compras.
covid-19

Pesquisa científica demonstra sintomas persistentes da Covid-19 mesmo após recuperação

Na Itália, 71,4% dos pacientes (de 31.845 casos confirmados até 3 de junho de 2020) com Covid-19 apresentaram sintomas. Entre os sintomas comuns, estão tosse, febre, dispnéia, sintomas osteomusculares (mialgia, dor nas articulações, fadiga), sintomas gastrointestinais e perda de olfato e paladar. No entanto, informações sobre os sintomas persistentes após a recuperação são escassos. Um estudo publicado no site do Journal of the American  Medical Association (JAMA), conduzido pela Fondazione Policlinico Universitario Agostino Gemelli, Centro
covid-19

Com recorde de 49 mortes em um único dia, disseminação da Covid-19 avança no RS

O cenário de disseminação do coronavírus (Covid-19) e da ocupação de leitos cresce no Estado. Na décima rodada preliminar do Distanciamento Controlado, o Rio Grande do Sul tem 15 regiões com risco alto, ou seja, estão na bandeira vermelha. Essas regiões representam 84,2% da população gaúcha (9.535.519 habitantes). Na rodada definitiva do mapa anterior, eram