Mundo | 1 de fevereiro de 2018

OMS alerta para alto índice de resistência a antibióticos

Saiba quais são as bactérias mais resistentes
OMS alerta Sarampo

Meio milhão de pessoas no mundo sofre de infecções decorrentes de bactérias resistentes a antibióticos, as chamadas superbactérias, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). O alerta foi divulgado na segunda-feira, 29 de janeiro, pela OMS, por meio do Sistema de Vigilância Antimicrobiana Global (GLASS, na sigla em inglês).

As bactérias mais resistentes apontadas foram:

Escherichia coli, que causa infecções urinárias

Klebsiella pneumoniae, Staphylococcus aureus e Streptococcus pneumoniae, que causam pneumonia

Salmonella, que causa infecções como gastroenterites e bacteremia

O sistema, que foi lançado em outubro de 2015, não inclui dados sobre a resistência da Mycobacterium tuberculosis, que causa tuberculose, já que a OMS monitora este quadro e fornece atualizações anuais, desde 1994, no relatório global de tuberculose.

A OMS informa que são 52 países (25 países de alta renda, 20 de renda média e 7 países de baixa renda) que estão matriculados no GASS. Para o primeiro relatório, 40 países forneceram informações sobre seus sistemas nacionais de vigilância e 22 países também forneceram dados sobre os níveis de resistência aos antibióticos.

Como o documento divulgado conta com apenas 22 países, o número de pessoas que sofre de superbactérias pode ser ainda maior. Entre os pacientes com suspeita de infecção sanguínea, a proporção que apresentava bactérias resistentes a pelo menos um dos antibióticos mais utilizados variava muito entre diferentes países – de zero a 82%. A resistência à penicilina – o ingrediente ativo usado há décadas para tratar a pneumonia – variou de zero a 51% entre os países e entre 8% e 65% foi a eficácia de antibióticos como a ciprofloxacina para combater a E. coli em infecções urinárias.

“O relatório confirma a grave situação de resistência a antibióticos em todo o mundo”, diz o Dr. Marc Sprenger, diretor da Secretaria de Resistência Antimicrobiana da OMS. “Algumas das infecções mais comuns do mundo – e potencialmente mais perigosas – estão se provando resistentes a medicamentos”, acrescenta.

“O relatório é um primeiro passo vital para melhorar nossa compreensão da extensão da resistência antimicrobiana. A vigilância está em fase inicial, mas é vital desenvolvê-la se quisermos antecipar e enfrentar uma das maiores ameaças à saúde pública global “, diz o Dr. Carmem Pessoa-Silva, que coordena o novo sistema de vigilância na OMS.

A OMS está apoiando mais países para criar sistemas nacionais de vigilância de resistência antimicrobiana que, de acordo com a instituição, podem produzir dados confiáveis e significativos. “O GLASS está ajudando a padronizar a forma como os países coletam dados e permitem uma imagem mais completa sobre padrões e tendências de resistência antimicrobiana”, avalia a Organização.

“Os programas de vigilância da resistência de medicamentos em tuberculose, HIV e malária têm funcionado há muitos anos e ajudam a estimar a incidência de doenças, planejam serviços de diagnóstico e tratamento, monitoram a eficácia das intervenções de controle e projetam regimes de tratamento efetivos para abordar e prevenir futuras resistências. Espera-se que GLASS desempenhe uma função similar”, completa a OMS em comunicado.

Saiba mais sobre superbactérias:

– Como as superbactérias podem se tornar a principal causa de morte no mundo

Surfistas são três vezes mais propensos a contrair superbactérias, diz estudo

– OMS lança guia para combater superbactérias e infecções cirúrgicas

– Combate à superbactérias deve ser feito de forma coordenada entre hospitais e governo

– Estudo mostra novos alertas para evitar o uso excessivo de antibióticos

– Superbactérias criam novos desafios para a cadeia hospitalar

As origens da tuberculose resistente a medicamentos

 

Com informações da Organização Mundial da Saúde. Edição do Setor Saúde.

VEJA TAMBÉM

Estudo indica contaminação dos cilindros de oxigênio por superbactérias em ambulâncias

Os cilindros de oxigênio de ambulância provavelmente carregam a bactéria resistente a antibiótico Staphylococcus aureus resistente à meticilina (MRSA, na sigla em inglês). É o que sugere um estudo realizado nos Estados Unidos, apontando para a necessidade de desinfecção regular destes equipamentos médicos. Pesquisadores testaram cilindros de oxigênio transportados em ambulâncias do serviço de socorro médico norte-americano (Emergency Medical
INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

GSK e a Pfizer anunciam joint venture na área produtos “sem prescrição”

As gigantes da indústria farmacêutica GlaxoSmithKline (GSK) e a Pfizer estão unindo suas divisões de produtos “sem prescrição” ou produtos de consumo – conhecidos como Consumer Healthcare -, como analgésicos e vitaminas, com vendas combinadas de cerca de 12,7 bilhões de dólares. A empresa britânica GSK terá 68% da joint venture, que reunirá marcas como Sensodyne, Voltaren

Estados Unidos aprovam novo antibiótico para a diarreia do viajante

A agência reguladora de medicamentos dos Estados Unidos, a Food and Drug Administration (FDA), aprovou o novo antibiótico Aemcolo (do grupo de antibióticos rifamicina, produzida pela Cosmo Technologies), para tratar adultos com diarreia dos viajantes causada por cepas não invasivas da bactéria Escherichia coli (E. coli), e não complicadas por febre ou sangue nas fezes. Este é o primeiro