Estatísticas e Análises, Mundo | 16 de fevereiro de 2017

O câncer dos “ricos” e o câncer dos “pobres”

Estudo relaciona aparecimento das neoplasias com condição socioeconômica do paciente
O câncer dos ricos e o câncer dos pobres

O conhecimento dos diferentes comportamentos adotados segundo as condições socioeconômicas, podem ajudar a criação de políticas de prevenção e tratamento. Este é um entendimento que cada vez mais é defendido por especialistas e gestores públicos em todo o mundo.

Um exemplo é uma conclusão da Santé Publique France – agência nacional de saúde pública da França – em seu boletim epidemiológico semanal, divulgado no dia 7 de fevereiro, na qual demonstra que o câncer de lábio, boca e faringe, de estômago e do fígado são mais observados entre as populações menos favorecidas. Já os cânceres de próstata, nos homens, e do ovário, nas mulheres, são mais frequentes nas camadas mais ricas.

No total, aproximadamente 15 mil casos de câncer, ligados a condições socioeconômicas desfavoráveis, poderiam ser evitados por ano, segundo o estudo. Esse risco é maior entre os homens e, principalmente, nos casos de câncer de pulmão.

Fatores de risco

Entre os homens, o maior risco de câncer atribuído ao meio social desfavorável é mais evidente para os casos que afetam a laringe (risco 30,1% superior em comparação aos que vivem em melhores condições sociais), o sistema lábio-boca-faringe (26,6% superior) e de pulmão (19,9%). Já entre as mulheres, a principal preocupação é com os tipos de câncer que afetam o sistema lábio-boca-faringe (22,7% superior às que vivem em meios mais favorecidos) e do colo do útero (21,1%).

“A determinação social de certos fatores de risco, como o consumo de tabaco, a exposição a riscos no trabalho ou a poluição atmosférica explica sem dúvida uma parte importante das diferenças observadas”, explica Joséphine Bryére, pesquisadora da agência.

Uma novidade que o estudo também mostra é que outros tipos de câncer (como fígado, estômago, pâncreas e bexiga) podem igualmente ser mais frequentes nas populações menos favorecidas, afirma Guy Launoy, professor e coautor da pesquisa. Nenhuma causa dessa grande manifestação de casos, porém, foi definida na análise.

Melanoma é mais frequente entre os mais favorecidos

Outro resultado do estudo indica que certos tipos da doença são, pelo contrário, mais frequentes entre os que vivem num meio social mais favorecido. É o caso do melanoma (para ambos os sexos), dos cânceres de próstata e do testículo (nos homens) e nos seios e no ovário (nas mulheres).

“A grande manifestação do câncer de próstata nos meios mais favorecidos, e do câncer de mama em menor extensão, é, sem dúvida, muito ligado às práticas de rastreio, que são mais frequentes nessa camada da população, e, no caso da próstata, ao sobrediagnóstico [quando é encontrada a doença, mas ela demanda monitoramento ou acompanhamento e não tratamento, em alguns casos, por não demonstrar riscos], essencial para esse tipo decâncer que evolui lentamente”, explica o professor Launoy, para a Agence France-Presse. Por outro lado, ainda não se pode concluir as razões para a grande manifestação dos cânceres de ovário, de testículo e do melanoma nessa parcela da população.

Por volta de 190 mil casos de câncer

A análise, pioneira do gênero na França, examinou 189.144 pessoas, sendo 78.845 mulheres, que tiveram a doença entre 2006 e 2009 e vivem em um dos 16 departamentos (estados) do país que dispõe de um registro de câncer. O cálculo do número de casos evitáveis (15 mil) refere-se, no entanto, a toda a França, não somente aos departamentos analisados.

Para esse estudo, os pesquisadores analisaram os 15 tumores e as três hemopatias malignas (doenças do sangue) mais frequentes no país. O ambiente socioeconômico foi determinado pela zona geográfica dos indivíduos. Os pesquisadores desejam, a partir de agora, que “a preocupação com a redução das desigualdades sociais na saúde sejam permanentes na política”. Uma luta que passa por políticas dedicadas à educação, à urbanização, aos transportes e ao emprego, entre outros.

VEJA TAMBÉM

Covid-19: Fabricante diz que Remdesivir reduz a mortalidade em 62%, mas falta de aprofundamento ainda gera dúvidas

O remdesivir reduziu o risco de mortalidade de pacientes com Covid-19 em 62% em comparação com o tratamento padrão, de acordo com uma nova análise dos testes divulgados pela Gilead Sciences Inc., fabricante do medicamento. A nova análise comparou os dados dos estudos em estágio avançado com o tratamento na vida real. A Gilead apresentará as descobertas na Conferência Virtual
covid-19

Pesquisa científica demonstra sintomas persistentes da Covid-19 mesmo após recuperação

Na Itália, 71,4% dos pacientes (de 31.845 casos confirmados até 3 de junho de 2020) com Covid-19 apresentaram sintomas. Entre os sintomas comuns, estão tosse, febre, dispnéia, sintomas osteomusculares (mialgia, dor nas articulações, fadiga), sintomas gastrointestinais e perda de olfato e paladar. No entanto, informações sobre os sintomas persistentes após a recuperação são escassos. Um estudo publicado no site do Journal of the American  Medical Association (JAMA), conduzido pela Fondazione Policlinico Universitario Agostino Gemelli, Centro

EUA: Walgreens investe US$ 1 bilhão em atenção primária e Walmart passará a vender seguros de saúde

Uma nova disputa com players altamente capitalizados indica que o mercado de varejo de medicamentos nos Estados Unidos será cada vez mais disputado. E sob um novo modelo de negócio que integra muito mais do que a mera venda de medicamentos e produtos de higiene/beleza. A oferta de serviços de atenção primária vem se tornando