Gestão e Qualidade | 31 de dezembro de 2019

As tendências para o setor hospitalar e da saúde em 2020, segundo Fernando Torelly

Para o Superintendente do HCor, área da saúde voltará a crescer nos próximos anos
Tendências para o setor hospitalar e da saúde em 2020, segundo Fernando Torelly

Os hospitais de origem filantrópica, religiosos e de imigrantes serão reinventados a partir de 2020. O Brasil tem muitos hospitais. Se não se integrarem a uma rede de atendimento, parte dos hospitais menores não vai existir no futuro. Quem não se der conta da força dos indicadores de qualidade e da necessidade de transparência dos mesmos será “engolido” pelo mercado. Com previsões contundentes e declarações fortes, Fernando Torelly, Superintendente Corporativo do HCor de São Paulo – assume oficialmente em janeiro de 2020 -, falou sobre as tendências para a saúde no ano de 2020.

NOTA: Diante do tema central (tendências para 2020), o portal Setor Saúde, decidiu publicar como Especial de Final de Ano a matéria completa com os conteúdos apresentados na palestra, realizada no dia 9 de dezembro, no Hotel Plaza São Rafael, em Porto Alegre, durante o Seminários de Gestão: Tendências e Inovações em Saúde. O executivo, com passagens pelo Moinhos de Vento Sírio-Libanês, Central Unimed, dentre outros, abordou Os Desafios da Saúde em um Mercado Altamente Competitivo e em Processo de Consolidação.

O evento, já tradicional na agenda da saúde gaúcha, atualmente em seu quarto ano consecutivo, é promovido pela Federação dos Hospitais do Rio Grande do Sul (FEHOSUL), em parceria com a Associação dos Hospitais do Rio Grande do Sul (AHRGS) e o Sindicato dos Hospitais e Clínicas de Porto Alegre (SINDIHOSPA). Tendências e Inovações em Saúde foi o tema desta edição do Seminários de Gestão – a quinta em 2019.

O patrocínio desta edição foi do Banrisul; da empresa de tecnologia Pixeon, do laboratório farmacêutico MSD; e da operadora de planos de saúde Unimed Porto Alegre. A certificação foi concedida pela faculdade Fasaúde/IAHCS, e os apoiadores foram IAHCS AcreditaçãoCBEXsCNSaúde Naxia Digital. O veículo de comunicação oficial do evento é o portal de notícias Setor Saúde.


Expectativa de vida e os atores da saúde

No início de sua palestra, Torelly demonstrou como a expectativa de vida aumentou no Brasil, comparando com 1970: 59,15 anos a 2015: 75,28 anos. Ao comparar dados e indicadores brasileiros com os de países como os EUA e México, Torelly falou: “Alguma coisa mudou no Brasil, e poucas pessoas valorizam o que mudou. Mas olhem o detalhe, já somos 206 milhões de pessoas. O Brasil é um dos poucos países que dobrou a população em curto espaço, ou melhor, no menor espaço de tempo”.


Um dos motivos desta “revolução” foi a criação do Sistema Único do Brasil e a contribuição de atores importantes. Torelly citou hospitais públicos (como o Hospital de Clínicas de Porto Alegre), os hospitais religiosos (como o Mãe de Deus), e de comunidades de imigrantes (como o Hospital Moinhos de Vento, HCor, Edmundo Vasconcellos, Einstein e Sírio-Libanês), assim como a força do trabalho desempenhado pelas Santas Casas. “Estas instituições [de modo geral] simbolizam o grande esforço que fizeram para o Brasil alcançar esta expectativa de vida”, disse Torelly. Por outro lado, estas instituições precisam aprender com as lucrativas (como a Rede D´Or), que estão demonstrando como fazer para diminuir custos, ganhar mercado e crescer criando grandes redes de atendimento.


Fernando Torelly

Fernando Torelly

xxxx

Ao falar sobre a importância da saúde suplementar [para o aumento da expectativa de vida], destacou a importância, das Unimed´s. “As organizações médicas igualmente têm papel importantíssimo. Um dos responsáveis para a expectativa de vida ter aumentado tão rapidamente, é também o trabalho das Unimed´s, que com grupos de médicos, em diferentes regiões, formaram uma gigante que detêm 37% do mercado [da saúde suplementar] no Brasil”, frisou Torelly.

Transição epidemiológica

Sobre a falta de uma transição do modelo de foco na doença e não na prevenção, Torelly alertou que com a expectativa de vida cada vez mais alta, com muitos doentes crônicos, “a conta será impagável para todos. Precisamos investir nesta transição [epidemiológica]. ”


Ao apresentar dados sobre gasto per capita, o executivo disse: “teremos a pirâmide etária dos países desenvolvidos, com as doenças crônicas como estes países, mas com a [baixa] riqueza do Brasil. Esta conta não fecha se não mudarmos o modelo de atendimento de nossos pacientes, com a promoção e a prevenção da saúde”. Este é, segundo Torelly, um desafio a ser encarado por governantes, hospitais, operadoras e sociedade como um todo. Durante a palestra, Torelly citou iniciativas importantes neste sentido, na Unimed, Sírio-Libanês e no própria governo federal, com priorização da atenção primária.


Operadoras e os hospitais

“ O ano de 2014 foi um ano especial para a saúde brasileira, chegamos a 50 milhões de brasileiros com plano de saúde. Agora estamos com 47 milhões. O que mais cresceu no Brasil durante este período [2014-2019] foram os planos de menor custo”, destacou. “O grande problema é que todo mundo construiu hospital novo, comprou equipamento, e todo mundo está brigando por cliente”, explicou.


A consolidação das operadoras, a verticalização e o movimento de aquisições é mais do que uma tendência, é uma realidade, afirma Torelly. “Vocês estão vendo todo o dia alguém comprar alguém e isto vai continuar por muito tempo. Não tem como competir com quem está muito capitalizado. Então haverá uma grande concentração [de mercado]. Teremos um número cada vez menor de operadoras se relacionando com a gente [hospitais/clínicas/laboratórios]”, alertou.


Tendências apresentadas para o ano 2020

Tendências apresentadas para o ano 2020

xxx

Hospitais pequenos terão que se integrar ou fecharão

“Nós temos um dos grandes problemas do Brasil. Hoje já são 6,4 mil hospitais e se dividimos com o número de leitos, dá uma média de 71 leitos por hospital, enquanto Espanha e Portugal é 190 e 164, respectivamente. O que significa dizer que nós temos no Brasil, muitos hospitais”, explicou.


Torelly entende que é preciso que hospitais pequenos se integrem a outros sistemas de saúde, criando novas redes de atendimento. “No futuro, ao menos parte destes hospitais pequenos, não vão sobreviver se não se integrarem a uma rede de atendimento. É quase impossível, com o atual modelo econômico conseguir manter um hospital de pequeno porte”, defendeu. Segundo informações da CNSaúde, para um hospital ser rentável, é necessários ao menos 100 leitos.


Integração da informação e os hackers na saúde

“O médico chama de cliente, a operadora de beneficiário e os hospitais de paciente. Mas a unidade será a pessoa. E toda a integração das informações estará disponível através das tecnologias, coletadas em uma mesma base. Qual é a preocupação disto? O dia que nós tivermos um ciberataque. Segundo palestrantes, que estiveram em evento da HSM, em São Paulo, a próxima guerra mundial vai ser o hackeamento das informações. Vamos estar com tudo conectado, toda a nossa base de consumo, de saúde, na mesma base. A área da segurança da tecnologia da informação é uma das áreas que mais precisam receber investimentos por parte dos hospitais. Quem não está gastando muito dinheiro nisto, precisa começar a ter preocupação. ”

Torelly afirma que, muitas vezes, quando se descobre que está sendo hackeado, o ataque iniciou em média, meio ano antes, com pessoas capturando informações e dados de prontuários, vendendo os mesmos muito antes de se descobrir. “A segurança será fundamental para o momento de integrarmos as informações do paciente, dentro de uma mesma base”, defende.

Torelly_Seminario_dez19

Transparência das informações

Segundo Torelly, as empresas, cada vez mais, começarão a contratar aqueles que divulgam seus indicadores de qualidade. O gestor hospitalar  precisa conhecer, monitorar, controlar e começar a divulgar os seus resultados, assim como os indicadores de qualidade. Este devem ser auditados.


As empresas vão conversar com a operadora e dizer quem ela quer dentro da rede credenciada.  “A empresa [contratante do plano] vai começar a criar o seu “caderninho” [rede credenciada], de acordo com as informações e indicadores de saúde que ela encontra no mercado. Quem não estiver preparado para divulgar isto, não tiver estas informações, estruturadas e auditadas, vai ter muita dificuldade de entrar neste novo modelo de negócio”, falou Torelly.


Torelly relatou que recentemente uma grande empresa abriu licitação para contratar uma operadora, e que dentre as condições exigidas era a de que a operadora não poderia apresentar na proposta os hospitais A, B e C. “Aqueles hospitais tinham custo elevado e não tinham demonstração de qualidade publicado”, explicou. Será preciso comprovar a qualidade que você entrega ao paciente.


Os caminhos para que os hospitais enfrentem os desafios diante das transformações de mercado, foram abordados por Torelly: evidenciar o nível de complexidade e severidade dos pacientes atendidos; buscar a eficiência e transparência no processo de faturamento e auditoria; devem estar preparados para apresentar a relação custo x qualidade para empresas e sociedade; publicar indicadores de qualidade e segurança devidamente auditados; buscar protagonismo na formação de parcerias estratégicas; criar formação de redes de atendimento para aumentar o poder de negociação; e ainda, ampliar o conceito de atuação do Hospital para ser o centro de um Sistema de Saúde integrado e conectado.


Tendências para o setor hospitalar e da saúde em 2020, segundo Fernando Torelly

Tendências para o setor hospitalar e da saúde em 2020, segundo Fernando Torelly

xxx

Tendências da saúde 2020, segundo Torelly:

A área da saúde voltará a crescer nos próximos anos – O capital internacional acredita no Brasil;

A discussão sobre modelos de remuneração será substituída pela pauta de novos modelos clínicos de cuidado;

A atenção primária e gestão populacional serão fundamentais para a reorganização do sistema público e privado;

Haverá mais colaboração do público e do privado para melhorar a saúde da população;

O novo sistema de saúde será pautado pela entrega de valor comprovada aos pacientes;

 As empresas assumirão maior protagonismo na transformação do modelo de saúde privado;

O sistema hospitalar será reorganizado em grandes redes com maior poder de negociação e escala;

 O ambiente de trabalho nas organizações de saúde será transformado para que propósito, alegria no trabalho e engajamento sejam prioridades fundamentais;

 A colaboração, o combate à ineficiência e a ação integrada de organizações com os mesmos propósitos serão a alavanca de sobrevivência e crescimento;

Líder em saúde estará mais preocupado em reduzir as desigualdades do sistema;

A transformação digital e a inteligência artificial revolucionarão a indústria da saúde;

O grande será cada vez maior, o pequeno isolado desaparecerá e o pequeno integrado formará uma nova e importante rede de saúde no Brasil.

Os Hospitais de origem filantrópica, religiosa e de imigrantes serão reinventados

“Os hospitais de origem filantrópica, religiosa e de imigrantes serão reinventados a partir do ano que vem. Mas não por que a gente quer. Mas por necessidade, se não a gente quebra. Os hospitais se integrarão em consórcios ou associações regionais ou nacionais”, aposta Torelly.


Segundo Torelly, enquanto os hospitais lucrativos ganham escala, diminuem custos na hora de adquirir equipamentos e materiais e diminuem ineficiências; os de origem filantrópica, religiosa e de imigrantes ainda continuam apenas observando estes movimentos. Torelly citou o exemplo da Rede D´Or que tem um centro administrativo e de compras que faz todas as aquisições e gerencia a folha de pagamentos do grupo, com mais de 40 unidades.

“Aqui neste mesmo evento da FEHOSUL [Seminários de Gestão de 2017], o Jorge Moll, presidente e fundador [da Rede D´Or São Luiz], disse que cada hospital que ele compra ele consegue, no dia seguinte, reduzir 30% o custo por usar os contratos corporativos negociados pela Rede”, externou Torelly.


Para Torelly, as instituições privadas vão fazer cada vez mais a gestão de equipamentos públicos [hospitais, unidades de saúde, etc], levando melhores práticas de gestão. “Acredito muito nisto, mas não pode ser qualquer OSs [Organizações Sociais da Saúde]. A gestão deve ser feita por organizações com reputação”.


“Os custos da saúde vão baixar e mais pessoas terão acesso a saúde de qualidade”, com esta afirmação, Torelly apresentou exemplos do poder dos grupos de compras, principalmente nos EUA, mas que poderiam ser replicados no Brasil. “Me atrevo a dizer que se decidirmos criar um grupo de compras, em qualquer hospital nós conseguiríamos reduzir em 30% o custo de qualquer operação. Só que para isto nós temos que vencer a vaidade…. A grande questão é que não sobreviveremos mais se continuarmos fazendo o que estamos fazendo hoje. Então, 2020 será o grande ano da transformação dos hospitais de origem filantrópica, religiosa e de imigrantes”, finalizou.


Odacir Rossato, Fernando Torelly, Claudio Allgayer e Paulo Petry

Odacir Rossato, Fernando Torelly, Claudio Allgayer e Paulo Petry

 


Leias as matérias das palestras anteriores

O poder das soluções de BI para lidar com indicadores hospitalares

FEHOSUL/AHRGS e SINDIHOSPA debatem necessidade de compliance no setor da saúde

Cuidado centrado no cliente implementado pela Unimed Porto Alegre foi tema de palestra no Seminários de Gestão

Departamento de Regulação do RS inova ao utilizar Inteligência Artificial contra o suicídio

VEJA TAMBÉM

Hospital de campanha junto ao Hospital Dom João Becker completa um mês de funcionamento em Gravataí

O hospital de campanha montado junto ao Hospital Dom João Becker  completa seu primeiro mês de funcionamento na sexta-feira (10). O local de aproximadamente 400 metros quatros é referência para todos os pacientes com sintomas gripais e respiratórios no município de Gravataí, na Grande Porto Alegre. Segundo a instituição hospitalar, mais de 1,5 mil pessoas já foram atendidas e cerca de 80 foram internadas. A estrutura temporária conta com central de triagem, quatro consultórios, sala de medicação,

Jorge Bajerski fala sobre ensinamentos e o papel do Hospital de Clínicas de Porto Alegre na pandemia

O  Hospital de Cínicas de Porto Alegre (HCPA) é uma das instituições de referência para tratamento da Covid-19 no Rio Grande do Sul. Para abordar como a instituição está agindo para enfrentar o coronavírus, a Faculdade de Tecnologia em Saúde (Fasaúde/IAHCS) promoveu a Live O Hospital de Clínicas de Porto Alegre e a Covid-19, com

Santa Casa de Porto Alegre lança primeira ferramenta do mundo que detecta prescrições fora do padrão

A Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, por meio de seu Centro de Inovação, em parceria com a NoHarm.ai, desenvolveu dois algoritmos de automação para triagem farmacêutica. As duas inteligências trabalham em conjunto. Enquanto a primeira prioriza as prescrições mais críticas, a segundo indica potenciais erros da prescrição, levando em consideração os resultados dos exames do paciente, o