Mundo | 24 de julho de 2018

Medicamento que cura tipo de malária com dose única é aprovado nos EUA

Tafenoquina age contra parasitas escondidos no fígado, evitando recorrência
Medicamento que cura tipo de malária com dose única é aprovado nos EUA

Um novo medicamento que elimina o parasita da malária com apenas uma dose foi aprovado pela agência reguladora de medicamentos dos Estados Unidos, a Food and Drug Administration (FDA). Trata-se da tafenoquina, produzida pela farmacêutica GSK, indicada para a forma recorrente da doença. O medicamento traz uma mudança significativa em relação à terapia atual, em que são necessárias catorze doses.

Além disso, o medicamento consegue eliminar os parasitas que ficaram escondidos no fígado, impedindo justamente a recorrência da doença. Segundo especialistas, o Krintafel, nome comercial do medicamento, é uma “conquista fenomenal” no combate à malária.

A malária é uma doença infecciosa causada pelo parasita Plasmodium e transmitida pela picada da fêmea infectada do mosquito Anopheles. Sua gravidade varia de acordo com a espécie do parasita. Embora o Plasmodium falciparum seja uma das principais espécies causadoras de malária, na última década houve um aumento dos casos de infecção por pelo Plasmodium vivax, que contamina 8,5 milhões de pessoas por ano no mundo inteiro. No Brasil, ele é responsável por 85% dos casos de malária, sendo muito comum também no restante da América Latina e no sul da Ásia.

Novo tratamento

É justamente contra essa espécie (Plasmodium vivax) que a tafenoquina age. Atualmente, o tratamento indicado para combater o parasita é a administração de primaquina. Entretanto, como é necessário tomá-la por catorze dias, há uma dificuldade de adesão ao procedimento. Funciona assim: os sintomas começam a melhorar nos primeiros dias do tratamento e, com isso, os pacientes param de tomar o remédio antes de completar o ciclo recomendado de catorze dias. Por causa disso, alguns parasitas podem permanecer no corpo e se manifestar novamente.

O fato de o parasita ficar “adormecido” no fígado durante anos antes de se manifestar repetidas vezes dificulta bastante o tratamento. Segundo especialistas, as pessoas infectadas costumam se tornar “reservatórios” da doença, porque, se o mosquito picar quem está com os parasitas ativos no corpo, ele pode transmitir a malária para outros indivíduos. Esse é um dos problemas que dificultam a eliminação da doença pelo mundo.

“A habilidade de se livrar do parasita no fígado com uma dose única de tafenoquina é uma conquista fenomenal e, na minha visão, representa um dos maiores avanços no tratamento da malária dos últimos sessenta anos”, disse Ric Prica, professor da Universidade de Oxford, no Reino Unido, à BBC News.

Acredita-se que a aprovação do medicamento nos Estados Unidos vai facilitar a análise da nova medicação por outras agências ao redor do mundo e possível aprovação em outros países.

Efeitos colaterais

Como todo medicamento, a tafenoquina não é isenta de efeitos colaterais e alguns deles podem ser bastante graves. Por exemplo, pessoas com deficiência de G6PD – um problema enzimático – podem desenvolver anemia grave e, portanto, não podem receber a nova terapia. Para evitar problemas, a recomendação da FDA é que os pacientes sejam testados para essa deficiência antes de iniciarem o tratamento.

Altas doses de tafenoquina também podem trazer danos a pessoas que sofrem com problemas psiquiátricos graves. Esses fatores podem dificultar o acesso ao tratamento em áreas mais pobres, justamento onde a malária é mais comum. Apesar disso, a expectativa é de que aliada a medidas de controle da população de mosquito, a nova medicação ajude a reduzir os casos de malária no mundo, segundo informações da rede BBC.

A tafenoquina existe desde 1970, mas a Medicines for Malaria (instituição voltada à pesquisa sobre malária) e a GSK realizaram pesquisas para fazer com que a droga atuasse especificamente na eliminação de parasitas no fígado.

Malária

A malária é uma doença causada pela infecção dos glóbulos vermelhos humanos por quatro espécies do parasita unicelular Plasmodium: Plasmodium vivax, Plasmodium ovale, Plasmodium malarie e Plasmodium falciparum. Se não tratada, pode gerar complicações graves, principalmente se for transmitida pelo Plasmodium falciparum, responsável por transmitir de 15% a 20% da malária diagnosticada no Brasil.

Ao redor do mundo são registrados cerca de 250 milhões de novos casos e perto 1 milhão de mortes por ano, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). A maior incidência é na África, onde é causa de uma entre cinco mortes infantis. No Brasil, a maior incidência está na Região Amazônica, nos estados do Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins.

A malária tem cura e pode ser tratada desde que aconteça de forma adequada. Entre os sintomas estão: febre alta, calafrios, tremores, sudorese e dor de cabeça, que podem ocorrer de forma cíclica. Uma pessoa infectada pelo parasita também pode apresentar náuseas, vômitos, cansaço e falta de apetite antes das manifestações mais comuns. Em casos mais graves, podem manifestar sintomas como: prostração (fraqueza), alteração da consciência, dispneia ou hiperventilação, convulsões, hipotensão arterial ou choque, e hemorragias.

 

Com informações da Veja e BBC. Edição do Setor Saúde.

VEJA TAMBÉM

transparência

EUA: Johnson & Johnson anunciará preço dos medicamentos em seus comerciais de TV

A Johnson & Johnson (J&J) anunciou que começará a divulgar o preço de tabela de seus medicamentos nos anúncios de televisão. Esta é a primeira vez que uma empresa farmacêutica decide tomar esta atitude nos EUA. A gigante de produtos e serviços para a saúde começará com seu popular anticoagulante, Xarelto (rivaroxabana), de acordo com

Estudo indica contaminação dos cilindros de oxigênio por superbactérias em ambulâncias

Os cilindros de oxigênio de ambulância provavelmente carregam a bactéria resistente a antibiótico Staphylococcus aureus resistente à meticilina (MRSA, na sigla em inglês). É o que sugere um estudo realizado nos Estados Unidos, apontando para a necessidade de desinfecção regular destes equipamentos médicos. Pesquisadores testaram cilindros de oxigênio transportados em ambulâncias do serviço de socorro médico norte-americano (Emergency Medical
INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

GSK e a Pfizer anunciam joint venture na área produtos “sem prescrição”

As gigantes da indústria farmacêutica GlaxoSmithKline (GSK) e a Pfizer estão unindo suas divisões de produtos “sem prescrição” ou produtos de consumo – conhecidos como Consumer Healthcare -, como analgésicos e vitaminas, com vendas combinadas de cerca de 12,7 bilhões de dólares. A empresa britânica GSK terá 68% da joint venture, que reunirá marcas como Sensodyne, Voltaren