Mundo | 20 de março de 2018

Estados Unidos estuda diminuir nicotina em cigarros

Ação da FDA prevê níveis de nicotina que não estimulem ou sustentem o vício
Estados Unidos estuda diminuir nicotina em cigarros

A agência reguladora norte-americana, Food and Drug Administration (FDA), planeja realizar uma ação histórica no combate ao vício em tabagismo, diminuindo o nível de nicotina nos cigarros.

A FDA, em julho de 2017, já havia proposta uma redução da nicotina como parte de uma revisão abrangente de sua regulamentação relacionada a produtos com tabaco. O novo anúncio, realizado em março de 2018, veio como um aviso da criação de um novo conjunto de regras – um documento destinado a mostrar a direção que a agência poderia tomar se exigisse níveis mais baixos de nicotina.

“A sua combinação de toxicidade, dependência, prevalência e efeito sobre os não usuários torna os cigarros a categoria de produtos de tabaco que causa o maior dano para a saúde pública”, disse Mitch Zeller, diretor do Centro de Produtos de Tabaco da FDA, em comunicado.

Segundo Zeller, o cigarro é o único produto de consumo legal que, quando usado como pretendido, matará prematuramente a metade de todos os usuários de longo prazo. “Sabemos que os cigarros são altamente projetados para tornar os usuários viciados há décadas”, declara.

Em notificação, a FDA prevê “níveis de nicotina nos cigarros que não estimulem ou sustentem o vício para parte dos fumantes. Isso pode dar aos usuários viciados a escolha e capacidade de parar com mais facilidade. Isso também poderia ajudar a impedir que quem for experimentar (principalmente os jovens) inicie o uso e se torne um fumante regular”.

Criar cigarros menos viciantes e com menos danos oriundos da nicotina poderia resultar em uma média de 2,4 milhões de novos fumantes em 2025 e menos 33 milhões de usuários em 2100, nos Estados Unidos. Isso reduziria a prevalência de tabagismo para 1,4% dos seus atuais 15%, de acordo com uma estimativa da FDA publicada no dia 15 de março no New England Journal of Medicine. Segundo a agência, mais de 8 milhões de vidas serão salvas até 2100, no país norte-americano.

O uso do tabaco – em grande parte o cigarro- continua a ser a principal causa de doenças evitáveis e mortes nos Estados Unidos. Ele mata mais de 480 mil americanos e custa mais de 300 bilhões de dólares por ano, de acordo com o comissário da FDA, Scott Gottlieb.

“Há poucas coisas como comissário que posso fazer para salvar tantas vidas e é por isso que estou tão empenhado em nosso plano abrangente relacionado a nicotina e tabaco”, disse Gottlieb. Ele também informou que a agência irá informar, em breve, sobre propostas relacionadas a regulação de aromas em produtos com tabaco e cigarros Premium.

A agência também está iniciando um projeto para “reavaliar e modernizar nossa abordagem para o desenvolvimento e regulamentação de produtos de substituição de nicotina, que sejam seguros e eficazes, como gomas de nicotina, adesivos e pastilhas, que ajudam os fumantes a parar”, de acordo com comunicado da FDA.

Com informações da Medscape. Edição Setor Saúde.

VEJA TAMBÉM

transparência

EUA: Johnson & Johnson anunciará preço dos medicamentos em seus comerciais de TV

A Johnson & Johnson (J&J) anunciou que começará a divulgar o preço de tabela de seus medicamentos nos anúncios de televisão. Esta é a primeira vez que uma empresa farmacêutica decide tomar esta atitude nos EUA. A gigante de produtos e serviços para a saúde começará com seu popular anticoagulante, Xarelto (rivaroxabana), de acordo com

Estudo indica contaminação dos cilindros de oxigênio por superbactérias em ambulâncias

Os cilindros de oxigênio de ambulância provavelmente carregam a bactéria resistente a antibiótico Staphylococcus aureus resistente à meticilina (MRSA, na sigla em inglês). É o que sugere um estudo realizado nos Estados Unidos, apontando para a necessidade de desinfecção regular destes equipamentos médicos. Pesquisadores testaram cilindros de oxigênio transportados em ambulâncias do serviço de socorro médico norte-americano (Emergency Medical
INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

GSK e a Pfizer anunciam joint venture na área produtos “sem prescrição”

As gigantes da indústria farmacêutica GlaxoSmithKline (GSK) e a Pfizer estão unindo suas divisões de produtos “sem prescrição” ou produtos de consumo – conhecidos como Consumer Healthcare -, como analgésicos e vitaminas, com vendas combinadas de cerca de 12,7 bilhões de dólares. A empresa britânica GSK terá 68% da joint venture, que reunirá marcas como Sensodyne, Voltaren