Estatísticas e Análises | 29 de agosto de 2016

Pesquisa aponta regiões cerebrais que atuam no reconhecimento entre indivíduos

Descoberta do Centro de Memória da PUC-RS foi publicada em periódico internacional
Pesquisa aponta regiões cerebrais que atuam no reconhecimento entre indivíduos

Um estudo do Centro de Memória do Instituto do Cérebro do RS (InsCer/RS, da PUCRS), coordenado pelo neurocientista Iván Izquierdo, indicou que as áreas como o hipocampo e a amígdala cerebral são participantes ativas do processo de reconhecimento, até então vinculado somente ao bulbo olfatório, primeira estrutura do sistema olfatório cerebral. A descoberta foi publicada no Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS), dos EUA.

O reconhecimento social é fundamental. Além de encontros frente a frente, o ser humano vive em diversas redes sociais, estabelecendo contatos e se relacionando com intensidade com aqueles que estão (e são) mais próximos. Para os mamíferos em geral, esse reconhecimento é indispensável para a manutenção dos relacionamentos e vínculos sociais.

O estudo teve início em 2013, quando o francês Nicolas Clairis, da Universidade de Lyon, atuou no Centro de Memória com a pesquisa colaborativa na área de reconhecimento social. Após três meses, o pesquisador retornou à França e o estudo teve continuidade com as professoras Jociane Myskiw e Cristiane Furini, com coordenação de Iván Izquierdo.

Na investigação, a primeira experiência compreendeu a colocação de um rato em uma caixa vazia. Depois, foi apresentado a um rato jovem, sentindo seu cheiro. No dia seguinte, o animal foi exposto ao mesmo rato jovem e a um outro, novo. Passadas as fases de ambientação e exposição, houve a infusão cerebral de três neurotransmissores no hipocampo e na amígdala: dopamina (responsável em outros lugares do cérebro por motivação, prazer), noradrenalina (envolvida nos processos de alerta e interesse) e histamina (ligada à memória, controle alimentar).

“Até então os neurotransmissores mais visados no processo de reconhecimento social eram a ocitocina e os hormônios sexuais. Queríamos comprovar como atuavam esses três grandes sistemas”, explicou Carolina Zinn, doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Medicina e Ciências da Saúde da Universidade, também integrante do estudo.

Os pesquisadores concluíram que esses neurotransmissores e essas áreas cerebrais são fundamentais na participação da consolidação da memória de reconhecimento social. Em média e em porcentagem de exposição, o roedor testado utilizou as áreas cerebrais para explorar três vezes mais o ratinho novo, sabendo que ele não estava ali antes. “Além disso, ele vai buscar em suas memórias o reconhecimento de longa duração, para reconhecer o lugar onde está e suas referências espaciais, como a localização”, comentou Jociane Myskiw, pesquisadora do Centro de Memória.

Segundo Iván Izquierdo, em demências como o Alzheimer, o hipocampo é uma das primeiras áreas a sofrer lesões. “É uma área diretamente afetada, provocando principalmente a falta de reconhecimento do paciente em pessoas de seu convívio, como filhos, cônjuge, etc.”, resume. Para o especialista, o resultado representa um divisor de águas na pesquisa sobre a área. “É uma descoberta importante, pois aponta para o surgimento de possíveis bases de reconhecimento social em indivíduos saudáveis e pacientes psiquiátricos, como portadores de demências, autismo e esquizofrenia”.

Saiba mais :

Estudo desenvolve novo mapa do cérebro e identifica 97 regiões desconhecidas

VEJA TAMBÉM

covid-19

Pesquisa científica demonstra sintomas persistentes da Covid-19 mesmo após recuperação

Na Itália, 71,4% dos pacientes (de 31.845 casos confirmados até 3 de junho de 2020) com Covid-19 apresentaram sintomas. Entre os sintomas comuns, estão tosse, febre, dispnéia, sintomas osteomusculares (mialgia, dor nas articulações, fadiga), sintomas gastrointestinais e perda de olfato e paladar. No entanto, informações sobre os sintomas persistentes após a recuperação são escassos. Um estudo publicado no site do Journal of the American  Medical Association (JAMA), conduzido pela Fondazione Policlinico Universitario Agostino Gemelli, Centro
covid-19

Com recorde de 49 mortes em um único dia, disseminação da Covid-19 avança no RS

O cenário de disseminação do coronavírus (Covid-19) e da ocupação de leitos cresce no Estado. Na décima rodada preliminar do Distanciamento Controlado, o Rio Grande do Sul tem 15 regiões com risco alto, ou seja, estão na bandeira vermelha. Essas regiões representam 84,2% da população gaúcha (9.535.519 habitantes). Na rodada definitiva do mapa anterior, eram

Queda em diagnósticos de câncer pode gerar onda de mortes devido à demora no tratamento

As projeções vêm da Europa, mas podem se repetir aqui no Brasil. Na Inglaterra existe uma estimativa do aumento de mortes de pacientes com novos diagnósticos de câncer aumentem em até 20% nos próximos 12 meses. São mais de seis mil pacientes. A causa é o medo que leva a atrasos na procura por exames