Gestão e Qualidade, Tecnologia e Inovação | 20 de outubro de 2018

Jaderson Costa da Costa apresenta o impacto da tecnologia no ser humano

Presidente do InsCer apresentou a primeira palestra do Seminários de Gestão
Jaderson Costa da Costa apresenta o impacto da tecnologia no ser humano

O futuro traz questionamentos, muitas vezes apocalípticos, sobre o impacto que a tecnologia irá trazer na vida do ser humano. Tecnologia e humanismo são pilares antagônicos ou podem caminhar juntos, quando falamos de futuro? Essas e outras questões vieram à tona na apresentação do presidente do Instituto do Cérebro do Rio Grande do Sul (InsCer), Dr. Jaderson Costa da Costa, na palestra inicial da 9ª edição do evento Seminários de Gestão, na sexta-feira (18), no Hotel Continental. O evento foi promovido pela Federação dos Hospitais e Estabelecimentos de Saúde do RS (FEHOSUL), Sindicato dos Hospitais e Clínicas de Porto Alegre (SINDIHOSPA) e Associação dos Hospitais do Rio Grande do Sul (AHRGS).

Henri Chazan (presidente do SINDIHOSPA)

Henri Chazan (presidente do SINDIHOSPA)

Esta foi a 5ª edição de 2018 do Seminários, que teve como tema central  Saúde Digital e Telemedicina. Prestigiado na área de gestão de saúde, o evento contou mais uma vez com auditório lotado. O Seminários teve como patrocinador o Banrisul e o portal Setor Saúde como veículo de comunicação oficial do evento. A instituição de ensino superior responsável pela emissão do certificado é a FASAÚDE/IAHCS, e os apoiadores desta edição foram o IAHCS Acreditação, a Amrigs, Comcet e Conselho Federal de Farmácia do RS.

O diretor-executivo da FEHOSUL, Dr. Flávio Borges, saudou a plateia, destacando os médicos pelo seu dia (celebrado anualmente no dia 18 de outubro), e também o deputado federal recém eleito, médico Pedro Westphalen, vice-presidente da FEHOSUL, presente na atividade, que recebeu os aplausos dos presentes ao evento.

Mauro Fett Sparta De Souza (diretor técnico do Hospital Conceição/GHC), Pedro Westphalen (Deputado Estadual e eleito Federal para 2019), José Ricardo Agliardi Silveira (diretor administrativo e financeiro do Grupo Hospitalar Conceição) Jaderson Costa da Costa (Presidente do Instituto do Cérebro do RS - InsCer) Cláudio José Allgayer (Presidente da FEHOSUL e da ONA) Sérgio de Vasconcellos Baldisserotto (Superintendente Hospital São Lucas da PUCRS)

Mauro Fett Sparta De Souza (diretor técnico do Hospital Conceição/GHC), Pedro Westphalen (Deputado Estadual e eleito Federal para 2019), José Ricardo Agliardi Silveira (diretor administrativo e financeiro do Grupo Hospitalar Conceição) Jaderson Costa da Costa (Presidente do Instituto do Cérebro do RS – InsCer) Cláudio José Allgayer (Presidente da FEHOSUL e da ONA) Sérgio de Vasconcellos Baldisserotto (Superintendente Hospital São Lucas da PUCRS)

 

O discurso inicial foi do presidente do Sindihospa, Henri Chazan, que falando em nome das entidades organizadoras, citou diversos avanços que a tecnologia trouxe à sociedade contemporânea, destacando a inteligência artificial como importante ferramenta a serviço da saúde do presente e do futuro. Citando o conceito dos 6 Ds das tecnologias exponenciais – digitalização, decepção, disrupção, desmonetização, desmaterialização e democratização –, apontou para a inevitável mudança no modelo de negócios. “O anel biométrico, a inteligência artificial e os óculos de realidade virtual já são equipamentos que fazem parte da rotina de hospitais pelo mundo”, observou.

Jaderson Costa da Costa

O presidente do InsCer apresentou O homem na era digital: inteligência artificial e pós-humanismo. A palestra iniciou com questionamentos:

“Por que seguimos a corrente (neuro) tecnológica?”;

“(Neuro) tecnologia e humanismo: dialogam ou são oposição?”;

“Os prognósticos que abordarei, são futorologia ou ficção científica?”;

“A visão apocalíptica, com o homem ameaçado pelas tecnologias no futuro: sobreviveremos?”.

O professor Costa, que é médico neurologista e também vice-reitor da PUC-RS, explicou que nossa vida é orientada pela tecnologia, que nos orienta em ações de mobilidade, de informações e da comunicação, por exemplo. O palestrante enfatizou que o ser humano busca com a tecnologia a longevidade, bem-estar, controle agilizado de processos e informações e interações – que podem ser tribais, regionais ou globais, a partir de comunicação simultânea. Ele lamentou o “divórcio” que já foi feito por teóricos entre tecnologia e humanismo, como se fossem campos opostos.

Instigando o público do evento, o presidente do InsCer trouxe um exercício para testar a capacidade humana de prever o futuro: tendo como base 32 anos no futuro (em 2050), citou sete novas realidades (supercomputadores implantáveis; substituição de funções biológicas cerebrais e mentais por funções digitais; emulação do cérebro, transferência da mente; controle de aparatos pela mente humana; máquinas que aprendem e geram máquinas mais “inteligentes”: uma tecnologia que “se constrói”; teletransporte; rede social global instantânea), perguntando se seriam possíveis de se tornarem realidade ou se eram apenas ficção científica.

Jaderson e Flávio Borges (momento de debate)

Jaderson e Flávio Borges (momento de debate)

 

Parte dos presentes manifestou que alguns itens poderiam ser apenas ficção científica, demonstrando-se céticos. Então, o palestrante realizou outro exercício com o tempo, agora retornando 32 anos atrás (em 1986), citando as realidades tecnológicas e sociais (como a inflação muito grande do Brasil) muito distintas daquela época. Costa disse que, em 1986, também poderíamos duvidar dos avanços alcançados na atualidade, citando a evolução exponencial que estamos vivendo – e a qual, muitas vezes, foge da nossa previsibilidade.

“Acredito que nos encontramos, dentro da linha exponencial, no limite da era da ‘singularidade’, onde as mudanças estarão além da nossa capacidade cognitiva e de previsibilidade”, enfatizou. E é justamente essa “singularidade”, em que o crescimento tecnológico exponencial determinasse alterações tão dramáticas que as questões humanas chegariam ao fim, que traz uma reflexão apocalíptica da apresentação de Costa: a ameaça tecnológica sobre o homem, que perderia o controle em relação aos robôs no futuro.

O presidente do InsCer manifestou uma visão ponderada e distinta da visão apocalíptica. De acordo com Jaderson, o ser humano já é, em essência, um ser tecnológico, com a evolução das tecnologias já ocorrendo há anos, citando também a adaptação evolutiva que o cérebro humano desenvolveu ao longo do tempo. O que acontece não é um choque de oposição, mas uma parceria evolutiva do homem com as tecnologias, de acordo com o palestrante.

Costa salientou que o indivíduo está sendo substituído – com órgãos artificiais, como marca-passo –, rastreado e quantificado. “Já estamos trabalhando com conceitos de homem híbrido, mente coletiva e o be another body, o projeto de criar a ilusão de estar no corpo do outro”, citou. O palestrante citou que no futuro a tecnologia poderá conectar a mente a um computador, exemplificando outro exemplo do homem híbrido.

Na foto à esquerda, Cláudio Allgayer (presidente da FEHOSUL), Jaderson da Costa e Henri Chazan (presidente do SINDIHOSPA)

Na foto à esquerda, Cláudio Allgayer (presidente da FEHOSUL), Jaderson da Costa e Henri Chazan (presidente do SINDIHOSPA)

 

Para encerrar a apresentação, o presidente do InsCer questionou se o homem sobreviverá às mudanças que ocorrerão. O palestrante trouxe, então, algumas reflexões sobre a essência da humanidade, o que queremos ser, quais os elementos humanos irreproduzíveis e a preservação da essência da humanidade. Para ele, o nosso cérebro seguirá evoluindo e o homem estará cada vez mais incorporado às novas tecnologias, porém mantendo sua essência, com imperfeições que geram consequências, criatividade própria, comportamento e ética. O desafio será readequar o humanismo aos novos tempos.

Saúde digital e telemedicina

O Seminários de Gestão contou com a participação de referências da área da saúde nacional. Além do Dr. Jaderson Costa da Costa, o evento também contou com o chefe da disciplina de Telemedicina da Faculdade de Medicina da USP,  Dr. Chao Lung Wen, que apresentou Modelo Brasileiro de Telesaúde: Desafios, Realidade e Lições Aprendidas. A palestra da médica geneticista do Hospital Albert Einstein, Tatiana Ferreira Almeida, teve como tema Soluções Digitais em Medicina de Precisão.  Já o tema A Nova Lei de Proteção de Dados e seu Impacto na Saúde (Lei nº 13.709/2018) foi apresentado pelo Secretário geral da Associação Brasileira de Direito da Tecnologia da Informação e das Comunicações, Gustavo Artese. Por fim, o médico Natan Katz, coordenador da área de TelessaúdeRS, trouxe o tema Telemedicina: Experiência no RS.

A próxima edição já tem data marcada: 4 de dezembro, que terá como tema SUSTENTABILIDADE E VALOR EM SAÚDE. Em breve, as organizações promotoras divulgarão os nomes dos especialistas e os assuntos que serão apresentados.

VEJA TAMBÉM