Estatísticas e Análises | 27 de maio de 2016

31 de maio: Dia de Combate ao Câncer Bucal e ao Fumo

Cigarro é o principal fator de risco para o câncer bucal
Dia de Combate ao Câncer Bucal e ao Fumo

O Dia de Combate ao Câncer Bucal e o Dia Mundial de Combate ao Fumo são celebrados em 31 de maio. As datas, criadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS), em 1987, reforçam a importância de prevenir a doença mantendo uma boa saúde bucal e evitando o consumo de cigarros e bebidas alcoólicas.

Iniciativas em prol da saúde bucal da população fazem parte da campanha Maio Vermelho, que no Rio Grande do Sul é realizada em parceria com a UFRGS, PUCRS, Conselho Regional de Odontologia (CRO/RS), Sociedade Brasileira de Cirurgiões Dentistas (Sobracid), Associação Brasileira de Odontologia (ABO), Associação Gaúcha de Auxiliares e Técnicos de Odontologia (AGATO), Rotary – Distrito 4670, Telessaúde RS/EstomatoNet, Assembleia Legislativa do Estado, Frente Parlamentar de Prevenção e Combate ao Câncer de Boca, Governo do Estado e Comitê das Entidades de Classe da Odontologia (Ceco), às quais se associa a FEHOSUL – Federação dos Hospitais e Estabelecimentos de Saúde do Rio Grande do Sul.

De acordo com as estatísticas mais recentes da OMS, morrem todos os anos aproximadamente 5,4 milhões de pessoas por doenças relacionadas com o tabagismo. O Brasil é o quarto lugar em incidência de câncer no mundo e em 2016 são estimados mais de 15 mil novos casos. A taxa de cura nos casos iniciais pode chegar a 80%, contudo nos estágios avançados da doença, o tratamento tende a ser mais agressivo e a chance de cura se reduz proporcionalmente.

Cláudia Schavinski, oncologista clínica do Centro do Tratamento do Câncer (CTCAN), localizada na cidade de Passo Fundo (RS), ressalta a importância do diagnóstico precoce, através de exames rotineiros na boca. Feitos por um profissional de saúde, eles podem diagnosticar lesões no início, antes de se transformarem em câncer. “A população deve fazer o auto-exame da boca a cada seis meses. Já aqueles que bebem e fumam devem estar mais atentos e fazer uma avaliação com profissional pelo menos uma vez ao ano”, alerta.

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA), o hábito de fumar é responsável por 80 a 90% das causas de câncer bucal. Atualmente mais de 10% da população brasileira são fumantes.  Para a oncologista Cláudia, a educação do público e o acesso a informações relacionadas aos fatores de risco; sinais e sintomas de alerta; a realização do autoexame bucal; além da capacitação dos profissionais cirurgiões-dentistas, são fundamentais para o diagnóstico das doenças bucais e seu tratamento adequado.

Estima-se que 90% dos casos de câncer de pulmão estejam ligados ao tabagismo, mas o hábito de fumar pode ser responsável pelo surgimento de até 50 doenças, como câncer de boca, laringe, faringe, esôfago, enfisema pulmonar, enfarto do coração, angina, acidente vascular cerebral (AVC), além de problemas de impotência sexual nos homens e fertilidade nas mulheres. Sem contar que o cigarro prejudica o meio ambiente.

Os principais fatores de risco são: vício de fumar cigarros ou cachimbo, consumo frequente de álcool e no caso de câncer de lábio, a exposição solar sem proteção. Outras causas também são consideradas fatores que predispõem ao câncer de boca, como má higiene bucal (pela maior quantidade de microorganismos) ou traumas constantes na mucosa da boca. O uso de próteses dentárias mal ajustadas, dentes com restaurações ou bordas cortantes, ou queimaduras repetitivas ocorridas por alimentos muito quentes (como no caso do chimarrão) são situações que agridem as mucosas orais predispondo o aparecimento de neoplasias. Podem ser considerados fatores de risco, ainda, a presença do papiloma vírus (HPV), idade superior a 40 anos e uma dieta desequilibrada.

De acordo com a Dra. Cláudia Schavinski, é comum os pacientes confundirem tumor na boca com afta. Ela destaca que o principal sintoma deste tipo de câncer é o aparecimento de feridas na boca que não cicatrizam por mais de duas semanas. “Outros sintomas são ulcerações superficiais com menos de 2cm de diâmetro e indolores, podendo sangrar ou não, e manchas esbranquiçadas ou avermelhadas nos lábios ou na mucosa bucal”.

A especialista alerta para algumas lesões que podem passar despercebidas. “É importante observar o tempo de duração destas alterações e procurar atendimento odontológico ou médico caso não haja melhora dos sintomas”. Ela alerta para sinais de câncer de boca em estágio avançado, como a dificuldade na fala, a mastigação e a deglutição, além de emagrecimento acentuado, dor e presença de linfadenomegalia cervical (íngua no pescoço).

Os homens são mais afetados que as mulheres, pois apresentam uma somatória dos três principais fatores de risco para neoplasia bucal. “Eles fumam muito mais que as mulheres, bebem mais álcool e se expõem mais continuamente às radiações solares sem proteção”, alerta a cirurgiã dentista do CTCAN, Alexandra Silveira.

Segundo a a cirurgiã dentista do CTCAN, Alexandra Silveira, má higiene bucal e traumas constantes na mucosa da boca são consideradas fatores que predispõem ao câncer bucal

Segundo a a cirurgiã dentista do CTCAN, Alexandra Silveira, má higiene bucal e traumas constantes na mucosa da boca são consideradas fatores que predispõem ao câncer bucal

 

Somente no Rio Grande do Sul, em 2016, são estimados 2.260 novos casos de câncer de cavidade oral em homens e 490 novos casos em mulheres, segundo projeções do INCA. No Brasil, a estimativa é de 11.140 novos casos em homens e 4.350 em mulheres. Em Porto Alegre, estimam-se 170 novos casos, sendo 130 em homens e 40 em mulheres. “O melhor tratamento é a prevenção, e a prevenção do câncer de boca é basicamente feita a partir da redução dos fatores etiológicos, bem como a visitas regulares ao dentista para se ter um diagnóstico precoce”, complementa Alexandra.

Em Porto Alegre, a campanha de conscientização oferecerá à população, exames preventivos e encaminhamento para especialistas. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), a cidade é a sétima capital brasileira com maior número de novos casos de câncer de boca e a primeira no número de fumantes regulares.

Como forma de alertar e informar a população, a SMS promove ações em oito regiões da cidade, com atividades educativas e exames bucais para detecção de alterações e lesões malignas.

A partir dos exames, pessoas que apresentam lesões suspeitas são imediatamente encaminhadas para consulta com especialistas, e fumantes recebem orientações sobre como parar de fumar e onde buscar tratamento. (confira cronograma)

“Na região Sul, o câncer da cavidade oral ocupa o alarmante 6º lugar entre os cânceres mais prevalentes em homens; para as mulheres, é o 15º lugar, mas tendências atuais apontam para que ele venha a subir de posição, considerando as mudanças no estilo de vida e hábitos da população feminina”, afirma a coordenadora da Saúde Bucal, Evelise Tarouco.

Quando o câncer de boca é descoberto na fase inicial, a chance de cura é de aproximadamente 100% dos casos. Entre os casos descobertos em fases mais tardias, a taxa de mortalidade chega a 50%. Entre as medidas importantes para reduzir a incidência da doença estão controlar o tabagismo, o uso do álcool e a exposição solar, em especial entre trabalhadores; estimular a higiene bucal e o acompanhamento adequado da adaptação de próteses bucais, a fim de auxiliar no diagnóstico precoce de lesões.

Ctcan_Infografico

 

Hospital Moinhos: Jogo de tabuleiro gigante alerta para a importância de parar de fumar 

Hospital Moinhos de Vento, de Porto Alegre, realizará uma ação lúdica para mostrar os benefícios de parar de fumar. Para isso, um jogo de tabuleiro em tamanho real será instalado no oitavo andar da instituição. Os jogadores andarão o número de casas indicadas pelos dados e conferir as mensagens. O jogo estará à disposição nos dias 31 de maio e 1° de junho, das 7h às 20h, no hall do 8° andar do Hospital Moinhos de Vento. Os médicos da Comissão de Orientação sobre o Tabagismo da Instituição estarão no local para informar sobre os malefícios que o cigarro provoca à saúde.

A médica Carla Martini von Mühlen, coordenadora da Comissão de Orientação sobre o Tabagismo, reforça a importância da ação. “Buscamos constantemente melhorar a qualidade de vida de nossos colaboradores. Por isso, promovemos atividades de conscientização, principalmente em datas significativas como essa para incentivar sobre o impacto positivo que a suspensão do tabagismo traz para à saúde de fumantes e não fumantes”, destaca.

O Chefe do Serviço de Pneumologia e Cirurgia Torácica do Hospital Moinhos, Marcelo Basso Gazzana,  reforça: “Parar de fumar é válido a qualquer momento da vida, mesmo que o paciente tenha sido diagnosticado com alguma doença em decorrência do hábito. A qualidade de vida melhora consideravelmente e pode inclusive aumentar o tempo de vida”.

Há alguns anos, o Hospital Moinhos de Vento não disponibiliza área para fumantes, nem mesmo externamente. O fumo é proibido em todas as áreas e há sinalizações que indicam “Ambiente 100% livre de tabaco”.

Benefícios imediatos de parar de fumar:

Após 20 minutos a frequência cardíaca reduz;

12 horas após parar de fumar o nível de Monóxido de carbono no sangue cai a níveis normais;

Após alguns dias sem fumar a pessoa volta a sentir o gosto e o cheiro da comida;

De 2 a 4 semanas há redução nas infecções respiratórias;

De 2 semanas a 3 meses o risco de sofrer um infarto reduz e a função pulmonar começa a melhorar;

Em 1 ano há uma redução de 50 % do risco de ter um infarto do coração;

De 5 a 15 anos o risco de um AVC se iguala aquele de um não fumante;

Em 10 anos o risco de câncer de pulmão reduz em 50%.

Não existe idade para parar de fumar e sempre há benefícios da cessação. Estima-se que parando aos 30, a pessoa ganha 10 anos a mais de expectativa de vida comparado a fumantes com a mesma idade; com 40 anos, ganha 9 anos; 60 anos ganha 3 anos.

Jogo Tabuleiro

Leia mais:

Tabaco e Álcool: 13 sinais de alerta para câncer oral

O que acontece com o corpo de quem para de fumar

Tabaco e cinema: uma relação perigosa há 60 anos

Aumento de impostos em cigarros é o meio mais eficaz para combater o tabagismo

 

VEJA TAMBÉM

covid-19

Pesquisa científica demonstra sintomas persistentes da Covid-19 mesmo após recuperação

Na Itália, 71,4% dos pacientes (de 31.845 casos confirmados até 3 de junho de 2020) com Covid-19 apresentaram sintomas. Entre os sintomas comuns, estão tosse, febre, dispnéia, sintomas osteomusculares (mialgia, dor nas articulações, fadiga), sintomas gastrointestinais e perda de olfato e paladar. No entanto, informações sobre os sintomas persistentes após a recuperação são escassos. Um estudo publicado no site do Journal of the American  Medical Association (JAMA), conduzido pela Fondazione Policlinico Universitario Agostino Gemelli, Centro
covid-19

Com recorde de 49 mortes em um único dia, disseminação da Covid-19 avança no RS

O cenário de disseminação do coronavírus (Covid-19) e da ocupação de leitos cresce no Estado. Na décima rodada preliminar do Distanciamento Controlado, o Rio Grande do Sul tem 15 regiões com risco alto, ou seja, estão na bandeira vermelha. Essas regiões representam 84,2% da população gaúcha (9.535.519 habitantes). Na rodada definitiva do mapa anterior, eram

Queda em diagnósticos de câncer pode gerar onda de mortes devido à demora no tratamento

As projeções vêm da Europa, mas podem se repetir aqui no Brasil. Na Inglaterra existe uma estimativa do aumento de mortes de pacientes com novos diagnósticos de câncer aumentem em até 20% nos próximos 12 meses. São mais de seis mil pacientes. A causa é o medo que leva a atrasos na procura por exames