Gestão e Qualidade | 14 de março de 2019

Comissões de Controle de Infecção Hospitalar devem fazer recadastramento

Procedimento deve ser feito por profissionais de saúde ou equipes responsáveis
Comissões e Controle de Infecção Hospitalar devem fazer recadastramento

Está aberto o processo de recadastramento das Comissões de Controle de Infecção Hospitalar (CCIHs) dos serviços de saúde públicos, privados, civis e militares de todo o país. Este ano, a Anvisa aproveitará o recadastramento para realizar uma avaliação nacional da implementação dos Programas de Prevenção e Controle de Infecção (PCIs) dos serviços de saúde brasileiros, utilizando uma ferramenta disponibilizada pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Esta ferramenta é utilizada por hospitais de todo o mundo e tem o objetivo de avaliar a estrutura para o desenvolvimento das ações para a prevenção e o controle das infecções relacionadas à assistência à saúde (IRAS) e da resistência microbiana nos serviços de saúde. É importante destacar que essa avaliação não se destina à comparação entre as instituições, já que os serviços de saúde apresentam porte, foco clínico e cenário socioeconômico diferentes.

Como cadastrar?

O recadastramento deve ser preenchido por profissionais de saúde ou pelas equipes responsáveis pela organização e implementação das atividades do PCI no serviço de saúde, preferencialmente integrantes da CCIH. O formulário eletrônico para realização do procedimento está disponível aqui.

O formulário de recadastramento está estruturado conforme as recomendações das diretrizes da OMS sobre os componentes essenciais para os programas de prevenção e controle de infecção. Além disso, avalia o serviço de saúde em quatro níveis de promoção e práticas do PCI:

Inadequado (pontuação total de 0 a 200): a implementação dos componentes principais do PCI é deficiente. É necessária uma melhoria significativa.

Básico (pontuação total de 201 a 400): alguns aspectos dos componentes principais do PCI estão estabelecidos, mas não estão suficientemente implementados. Melhorias adicionais são necessárias.

Intermediário (pontuação total de 401 a 600): a maioria dos aspectos dos componentes principais do PCI estão adequadamente implementados. O estabelecimento deve continuar a melhorar o escopo e a qualidade da implementação e se concentrar no desenvolvimento de planos de longo prazo para manter e promover ainda mais as atuais atividades do PCI.

Avançado (pontuação total de 601 a 800): os componentes principais do PCI estão totalmente implementados, de acordo com as recomendações da OMS, e apropriados às necessidades da instalação.

Os resultados obtidos pela instituição podem ser utilizados para desenvolver um plano de ação, fortalecendo medidas existentes e motivando o serviço de saúde a intensificar os esforços, quando necessário.

Dados

A Anvisa informa que os dados obtidos em razão do recadastramento serão analisados de forma consolidada pela Agência e pelas Coordenações Estaduais/Distrital de Controle de Infecção Hospitalar (CECIHs). A instituição mantém o compromisso de que nunca serão publicadas individualmente informações como dados pessoais dos hospitais ou dos colaboradores que os preencheram.

Histórico

Desde 2010, a Anvisa disponibiliza um formulário para o cadastro de CCIHs de todo o país. Esse cadastro foi importante para que a Agência pudesse traçar um perfil mais fidedigno da organização das CCIHs do Brasil e para que fosse possível a consolidação de uma rede de comunicação entre os controladores de infecção brasileiros.

VEJA TAMBÉM

INOVAÇÃO

Pesquisadores do Hospital de Clínicas e UFRGS obtêm patente de próteses de ouvido

Os pesquisadores do Serviço de Otorrinolaringologia, da Engenharia Biomédica do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA), da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e da empresa Promm desenvolveram dois modelos de minipróteses à base de titânio, que permitem a reconstrução parcial ou total das estruturas responsáveis pela transmissão sonora na orelha média (ossículos da

Santa Casa é pioneira no RS em utilizar suporte respiratório extracorpóreo em crianças com sucesso

Durante 10 dias, uma criança de apenas três anos foi submetida ao uso de oxigenação por membrana extracorpórea no Hospital da Criança Santo Antônio da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre. Graças ao ECMO (Extracorporeal Membrane Oxygenation), o pequeno Davi sobreviveu após uma cirurgia cardíaca complexa e delicada, realizada em janeiro, que resultou na perda da função do seu

Hospital Moinhos apresenta resultados dos Projetos UTI Visitas e Qualidade de Vida Pós-UTI

O Hospital Moinhos de Vento apresentou na sexta-feira (22), em evento realizado em Brasília, os resultados obtidos em dois estudos coordenados pela instituição: UTI Visitas, e Qualidade de Vida Pós-UTI. Ambos integram o projeto de apoio Estratégias para Segurança e Qualificação do Cuidado do Paciente Crítico – Visita Ampliada e Continuidade do Cuidado Pós-Alta Hospitalar, desenvolvido em parceria