Gestão e Qualidade | 15 de março de 2019

Sistema FEHOSUL realiza Assembleia e define ações para 2019

IPE-Saúde gera grande insatisfação no mercado, conforme relato dos presidentes dos sindicatos filiados
Sistema FEHOSUL realiza Assembleia e define ações para 2019

Os presidentes dos sindicatos filiados e os diretores do Sistema FEHOSUL se reuniram na sede da entidade em Porto Alegre, para apreciar e deliberar sobre assuntos relevantes para a categoria dos estabelecimentos de saúde. O encontro ocorreu no dia 15 e tratou sobre o IPE-Saúde, SUS, Saúde Suplementar, CMED 02, negociações coletivas, assim como assuntos da gestão da FEHOSUL em 2018 e ações para 2019. O deputado federal Pedro Westphalen participou da atividade.

IPE-Saúde

Os últimos acontecimentos referentes à gestão do IPE-Saúde foram tema de grande parte da Assembleia Geral Extraordinária da FEHOSUL. Segundo Cleciane Doncatto Simsen, presidente do Sindicato dos Hospitais e Estabelecimentos de Saúde da Região Nordeste, os estabelecimentos de saúde de Caxias do Sul e região estão descontentes com a forma de relacionamento adotada pela autarquia estadual. “O IPE-Saúde glosa o que eles querem. Não é possível abrirem recurso [recurso eletrônico de glosas] dois anos depois de prestado o serviço. ”

O Sindicato dos Hospitais e Estabelecimentos de Saúde da Região Serrana, através de seu presidente, Fernando Scarpellini Pedroso, foi na mesma linha, acrescentando pontos que definem o cenário atual. “Na média geral, todos os hospitais perderam com os últimos acontecimentos. Lutamos diariamente contra perdas sucessivas e queda do número de beneficiários. Os atraso de pagamentos iniciaram no mês de junho de 2018. Sem reajuste há mais de 7 anos, nossos estabelecimentos estão no limite, não possuem recursos disponíveis para manobrar esta situação”, relatou.

Figura2

Sobre financiamento, Rafael Silveira, que preside o Sindicato dos Hospitais e Estabelecimentos de Saúde da Região Centro, defendeu a retomada de uma negociação com instituições financeiras para ajudar no fluxo de caixa dos estabelecimentos que atendem pelo IPE-Saúde. “ O governo tem que entender a saúde como um todo, não apenas olhar o  SUS. É importante retornar as negociações de uma linha de crédito para o setor.”

O presidente da FEHOSUL e Sindicato da Grande Porto Alegre e Litoral, Cláudio Allgayer, lembrou que uma negociação foi iniciada no ano passado, mas as garantias apresentadas pelo IPE-Saúde não foram aceitas pela instituição financeira. “De qualquer forma, esta é uma alternativa que iremos buscar no mercado”, completou Allgayer.

Cláudio Allgayer

Cláudio Allgayer

xxx

Ficou acordado que a FEHOSUL e seus sindicatos irão agrupar um rol de demandas para as situações que integram a esfera do IPE-Saúde, como uma linha de crédito para hospitais privados, a adoção dos novos usos de medicamentos na área oncológica, regras mais claras para a auditoria e glosas, reajustes, dentre outros temas que serão foco  das próximas ações. “Vamos definir nossas demandas mais urgentes, e nos próximos dias, começar um movimento intenso de pressão para reverter o sucateamento do IPE-Saúde”, anunciou Allgayer.

O deputado federal Pedro Westphalen se colocou à disposição do segmento, tanto em questões relativas ao IPE-Saúde, assim como CMED 02, SUS e a Saúde Suplementar, através de sua atuação em Brasília. “Sobre o IPE-Saúde, é uma lástima esta situação, o nível de abandono deste plano com mais de 1 milhão de beneficiários. Vou procurar o governo estadual e cobrar uma atenção especial para os problemas que impactam não apenas os estabelecimentos, mas estes beneficiários, formado pelos servidores públicos e seus dependentes”, defendeu Westphalen.

Nova estrutura

Os presidentes dos sindicatos também realizaram votação para a nova estrutura diretiva da entidade, além de mudanças estatutárias. Allgayer apresentou ajustes pontuais, com a participação da assessoria jurídica da entidade, representada pelo advogado José Pedro Pedrassani.

“Estas mudanças buscam modernizar e dar maior agilidade para a nossa atuação, assim como garantir segurança jurídica para os segmentos que representamos”, explicou o presidente da entidade patronal.

Encontro ocorreu em Porto Alegre no dia 15

Encontro ocorreu em Porto Alegre no dia 15

XXX

Aprovação de contas e apresentação dos resultados

Na parte final do encontro, foi apresentado o Relatório de Atividades 2018 e aprovada a prestação de contas da FEHOSUL, assim como a previsão orçamentária (estimada) para o corrente ano. Allgayer destacou que, em 2018, mudanças importantes foram implementadas, principalmente em relação às despesas.

“A publicação da Lei no 13.467/2017, juntamente com a denominada Lei da Terceirização, representa um indesmentível avanço para a modernização das relações de trabalho no Brasil. Por outro lado, a eliminação da obrigatoriedade da Contribuição Sindical, afetou todo o sistema sindical brasileiro. Fomos obrigados, também o setor patronal, a reagir e a repensar nossa atuação como entidade representativa. Visando harmonizar receitas e despesas, a nossa estrutura, tanto física como a de colaboradores, foi realinhada a partir desta nova realidade imposta pelas mudanças introduzidas no cenário do nosso mercado”, destacou Allgayer.

“É preciso destacar que o esforço que iniciamos em 2018 deverá seguir nos próximos anos, alicerçado na cultura de ´fazer mais com menos´ e com foco prioritário em serviços de maior relevância, que entreguem resultados efetivos para os nossos filiados”, completou.

 

VEJA TAMBÉM

INOVAÇÃO

Pesquisadores do Hospital de Clínicas e UFRGS obtêm patente de próteses de ouvido

Os pesquisadores do Serviço de Otorrinolaringologia, da Engenharia Biomédica do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA), da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e da empresa Promm desenvolveram dois modelos de minipróteses à base de titânio, que permitem a reconstrução parcial ou total das estruturas responsáveis pela transmissão sonora na orelha média (ossículos da

Santa Casa é pioneira no RS em utilizar suporte respiratório extracorpóreo em crianças com sucesso

Durante 10 dias, uma criança de apenas três anos foi submetida ao uso de oxigenação por membrana extracorpórea no Hospital da Criança Santo Antônio da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre. Graças ao ECMO (Extracorporeal Membrane Oxygenation), o pequeno Davi sobreviveu após uma cirurgia cardíaca complexa e delicada, realizada em janeiro, que resultou na perda da função do seu

Hospital Moinhos apresenta resultados dos Projetos UTI Visitas e Qualidade de Vida Pós-UTI

O Hospital Moinhos de Vento apresentou na sexta-feira (22), em evento realizado em Brasília, os resultados obtidos em dois estudos coordenados pela instituição: UTI Visitas, e Qualidade de Vida Pós-UTI. Ambos integram o projeto de apoio Estratégias para Segurança e Qualificação do Cuidado do Paciente Crítico – Visita Ampliada e Continuidade do Cuidado Pós-Alta Hospitalar, desenvolvido em parceria