Gestão e Qualidade, Tecnologia e Inovação | 14 de setembro de 2021

Santa Casa recebe doação de equipamento que evita queda de cabelo na quimioterapia

Além da Santa Casa de Porto Alegre no Rio Grande do Sul, o INCA (Rio de Janeiro) e a Santa Casa de Vitória (Espírito Santo) são os únicos a oferecer o acesso ao tratamento no SUS
Santa Casa de Porto Alegre recebe doação de equipamento que evita queda de cabelo na quimioterapia

A Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre recebeu nesta terça-feira (14), durante ato realizado no Hospital Santa Rita, a doação de um equipamento que permitirá que pacientes do SUS tenham acesso ao tratamento de crioterapia capilar com a chamada Touca Inglesa, uma tecnologia capaz de evitar ou reduzir a queda de cabelos induzida pela quimioterapia. A doação, realizada pela Paxman Brasil e que teve a jornalista Cristina Ranzolin como madrinha, torna o Rio Grande do Sul o terceiro estado do país a oferecer o tratamento no SUS.

Como destacou o diretor médico e de ensino e pesquisa da Santa Casa, Antonio Kalil, “é um grande privilégio para a Santa Casa contar uma tecnologia que humaniza tratamentos e que, de maneira geral, traz impactos importantes para o aspecto emocional dos nossos pacientes”. Além da Santa Casa de Porto Alegre, o Instituto Nacional de Câncer (INCA), no Rio de Janeiro, e a Santa Casa de Vitória, no Espírito Santo, são os únicos a oferecer o acesso ao tratamento para a rede pública.

 O ato de doação contou com a participação da jornalista Cristina Ranzolin; do provedor, Alfredo Englert; do diretor médico do Hospital Santa Rita, Carlos Eugenio Santiago Escovar, além do diretor da Paxman Brasil, Gustavo Spritzer.

Como funciona  a touca

A touca, conectada a uma unidade de refrigeração, é colocada na cabeça do paciente cerca de 30 minutos antes, mantida durante e em torno de uma hora e meia após a infusão das drogas, dependendo do protocolo adotado. O sistema resfria o couro cabeludo a uma temperatura em torno de 20°C. Com isso, diminui o fluxo sanguíneo nos folículos capilares e reduz a absorção dos fármacos na região.

A tecnologia de resfriamento do couro cabeludo vem sendo desenvolvida há décadas, e curiosamente já utilizou até mesmo melancias na cabeça de pacientes, nos primórdios dos estudos. Ao longo de mais de 20 anos de pesquisas com a Touca Inglesa, pacientes relataram a diminuição da alopecia a ponto de dispensar o uso de lenço ou peruca. A taxa de sucesso depende do tipo de medicação administrada, 50% para as mais fortes e até 92% nas menos agressivas e a sensação de frio foi tolerada por 98% dos pacientes. A terapia não é indicada para os tipos de câncer hematológicos ou para alguma alergia ao frio.

Santa Casa de Porto Alegre recebe doação de equipamento que evita queda de cabelo na quimioterapia-

Muito além da estética

Estudos revelam que a queda de cabelo é um dos efeitos colaterais mais traumatizantes da quimioterapia e causa danos que vão muito além do aspecto visual. O uso da crioterapia capilar, por meio da Touca Inglesa, faz parte das Diretrizes de Prática Clínica em Oncologia da NCCN [National Comprehensive Cancer Network] para pacientes que vão iniciar o tratamento para câncer de mama, ovário, peritoneal e trompa de falópio. A novidade reforça a importância e consequências da possibilidade de manutenção dos cabelos durante a quimioterapia. A atualização destas diretrizes foi impulsionada pelo resultado de um extenso estudo científico submetido à FDA (U.S. Food and Drug Administration), que desde 2016 já certifica o uso da Touca Inglesa para pacientes de mama e recentemente expandiu para outros tipos de tumores sólidos.

Crédito das fotos: Vinícios Sparremberger/ Santa Casa

 



VEJA TAMBÉM

Artigo: “O impacto do vazamento de gases medicinais na área da saúde”

Em artigo o gerente de Produtos da Fluke Brasil, Carlos Rubim, explica como o vazamento de gases comprimidos tornou-se um problema recorrente e com sérios riscos ao ambiente hospitalar, especialmente com a pandemia. O autor ressalta a importância de fomentar a discussão sobre este tema e elenca soluções viáveis para solucionar o problema nas organizações de saúde. Leia: O impacto do vazamento de
ciência

Universidade Yale realiza evento para discutir o papel do hormônio leptina na obesidade

O Yale-Proxima Mentorship Program Workshop Series, iniciativa que busca contribuir para o desenvolvimento de habilidades e disseminar o conhecimento  para jovens cientistas, promoverá em 22 de setembro a mesa-redonda Making a Discovery: The Journey to the Leptin Hormone. A iniciativa será conduzida pelo professor Jeffrey M. Friedman, MD, PhD, especializado no estudo dos mecanismos genéticos que regulam
Dasa & NVIDIA

Estudo valida uso de Inteligência Artificial para predição de complicações da Covid-19

Imagine a possibilidade de prever, com 24 horas de antecedência, se um paciente internado com Covid-19 vai ter uma piora em seu quadro clínico e precisará ser intubado. Ou, então, se este mesmo paciente irá apresentar melhora no dia seguinte e poderá receber alta. Parece impossível em meio a uma pandemia de um vírus que apresenta variantes perigosas e atinge os pacientes de maneiras distintas, não é