Mundo | 10 de julho de 2018

Sanofi anuncia a paralisação em fábrica na França por emissão “exorbitante” de gases tóxicos

Índices eram 190 mil vezes acima do permitido
Sanofi anuncia a paralisação em fábrica na França por emissão exorbitante de gases tóxicos

O grupo farmacêutico Sanofi anunciou na segunda-feira, 9 de julho, a cessação imediata da produção de sua fábrica de produtos químicos na cidade Mourenx (Pirineus Atlânticos), com cerca de 7,5 mil habitantes. A empresa farmacêutica, segundo matéria do jornal Le Monde, libera na atmosfera quantidades de substâncias perigosas muito acima do normal.

Um relatório de inspeção, realizada em abril, feito pela agência DREAL (Diretoria de Meio Ambiente, Planejamento e Habitação Regional), ao qual o Le Monde teve acesso, revela que o bromopropano, foi medido até 190.000 vezes. Somente no mês de março, por exemplo, a liberação ultrapassou 380.000 mg / m 3, enquanto o valor do limite de emissão é de 2 mg / m 3. Em outubro de 2017, as liberações de 180.000 mg / m 3 já haviam sido mensuradas. De acordo com as declarações do fabricante, várias dezenas de toneladas desse solvente são emitidas a cada ano na planta fabril.

O Bromopropano é uma substância inodora, classificada como carcinogênica (capaz de provocar ou estimular o aparecimento de câncer) e mutagênica com efeitos que podem prejudicar a fertilidade.

Organizações de defesa do meio ambiente se dizem preocupadas com a saúde dos moradores locais, assim como o meio ambiente. Cerca de 300 funcionários estão trabalhando em toda a plataforma onde a fábrica da Sanofi está localizada em Mourenx. Cerca de 40 pessoas têm contato direto com essa substância. A France Nature Environnement apresentou uma queixa contra o gigante global da indústria farmacêutica.

A Federação de Sociedades para o Estudo, Proteção e Gestão da Natureza no Sudoeste da França (Sepanso em francês) acusa que: “Mulheres grávidas, funcionários e residentes são massivamente e continuamente expostos a esta substância, além daqueles emitidos pela plataforma industrial, já tristemente conhecida por seu ar irrespirável e os muitos problemas de saúde da população ao redor. Não é aceitável que a Sanofi continue a poluir maciçamente o ar que respiramos. É a saúde dos funcionários, habitantes e gerações futuras que está em jogo. ”

A Sanofi reconheceu que as liberações tóxicas – principalmente o bromopropano – haviam “provado estar acima dos níveis permitidos”. A empresa acrescentou que um plano de ação foi iniciado, com uma unidade para coletar e tratar as emissões, a fim de reduzi-las “significativamente” disse ela em nota.

Após as revelações que saíram nos jornais franceses, Sanofi emitiu uma nota na segunda de manhã, onde confirma ter identificado o problema no processo de liberação de vapores de solventes. “A Sanofi encomendou um estudo de impacto na saúde de um órgão independente que concluiu que as pessoas não estão expostas a níveis acima dos limites estabelecidos pela regulamentação francesa […]”, finaliza o comunicado.

VEJA TAMBÉM

transparência

EUA: Johnson & Johnson anunciará preço dos medicamentos em seus comerciais de TV

A Johnson & Johnson (J&J) anunciou que começará a divulgar o preço de tabela de seus medicamentos nos anúncios de televisão. Esta é a primeira vez que uma empresa farmacêutica decide tomar esta atitude nos EUA. A gigante de produtos e serviços para a saúde começará com seu popular anticoagulante, Xarelto (rivaroxabana), de acordo com

Estudo indica contaminação dos cilindros de oxigênio por superbactérias em ambulâncias

Os cilindros de oxigênio de ambulância provavelmente carregam a bactéria resistente a antibiótico Staphylococcus aureus resistente à meticilina (MRSA, na sigla em inglês). É o que sugere um estudo realizado nos Estados Unidos, apontando para a necessidade de desinfecção regular destes equipamentos médicos. Pesquisadores testaram cilindros de oxigênio transportados em ambulâncias do serviço de socorro médico norte-americano (Emergency Medical
INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

GSK e a Pfizer anunciam joint venture na área produtos “sem prescrição”

As gigantes da indústria farmacêutica GlaxoSmithKline (GSK) e a Pfizer estão unindo suas divisões de produtos “sem prescrição” ou produtos de consumo – conhecidos como Consumer Healthcare -, como analgésicos e vitaminas, com vendas combinadas de cerca de 12,7 bilhões de dólares. A empresa britânica GSK terá 68% da joint venture, que reunirá marcas como Sensodyne, Voltaren