Gestão e Qualidade | 10 de outubro de 2017

Rede de hospitais pode ser vendida por até R$ 10 bilhões

Amplia processo de consolidação no setor hospitalar brasileiro, com formação de redes
Rede de hospitais pode ser vendida por até R$ 10 bilhões

A família do falecido Edson Bueno, ex-CEO da AMIL e da UnitedHealth no Brasil, estará reunida em Londres no feriado de 12 de outubro para discutir a venda da rede de hospitais Ímpar, segundo o jornal Valor apurou. A principal candidata a ficar com o ativo é a americana UnitedHealth que tem a preferência de compra e já é a controladora da Amil, operadora de planos de saúde fundada por Edson Bueno, que morreu em fevereiro.

Os herdeiros do falecido fundador do grupo de saúde Amil, estão em negociações com a gigante americana UnitedHealth para vender os 10% de participação remanescentes da família no grupo e pelo menos cinco hospitais da rede Ímpar, controlada pela família, de acordo com fontes qualificadas do mercado. O valor total do negócio poderia movimentar até R$ 7 bilhões.

A ex-mulher de Edson, Dulce Pugliesi e sua filha Camila moram em Londres, na Inglaterra, há cerca de três anos. Ainda segundo fontes, Dulce e Camila não têm interesse no negócio e preferem se desfazer do ativo. O segundo filho de Edson, Pedro Bueno, também vai participar do encontro. Pedro é presidente da Dasa, maior rede de laboratórios de medicina diagnóstica do país controlada pela família, mas esse ativo não estaria à venda.

Ainda de acordo com fontes, a Ímpar é avaliada entre R$ 7 bilhões e R$ 8 bilhões, mas a família Bueno deve pedir uma quantia maior – algo próximo aos múltiplos negociados pela Rede D’Or quando os fundos Caryle e GIC (fundo soberano de Cingapura) entraram no capital do grupo hospitalar concorrente. Por esse critério, a Ímpar seria avaliada em quase R$ 10 bilhões.

A Ímpar tem a seu favor ser um grupo independente de hospitais com marcas reconhecidas no mercado. A rede é formada por seis hospitais: 9 de Julho e Santa Paula (SP), São Lucas e Complexo Hospitalar Niterói (RJ), Hospital Brasília e Maternidade Brasília (DF). A Ímpar deve terminar o ano com faturamento de R$ 2,5 bilhões, o que representa uma alta de 15% em relação a 2016.

Nos últimos três anos, a Ímpar recebeu investimento de R$ 1 bilhão em reestruturação. Segundo fontes, o próprio Edson Bueno tinha planos de vender a rede hospitalar, mas sua prioridade na época era organizar o negócio e depois vender. O ativo ganhou relevância após a aprovação da lei que permite entrada de capital estrangeiro em hospitais nacionais em janeiro de 2015. Desde então, investidores de outros países vêm procurando esse tipo de ativo, mas é raro encontrar grupos já consolidados como a Ímpar.

Em 2012, Bueno e a ex-mulher, Dulce Pugliese, que mesmo separada nunca deixou de ser sócia dele nos negócios, venderam 90% do capital do grupo Amil para a UnitedHealth por US$ 4,9 bilhões, ou cerca de R$ 10 bilhões. O negócio completa cinco anos neste mês. O jornal Valor apurou que no contrato estabelecido há cinco anos foi colocada uma “escrow account”, ou conta-garantia. Pelo mecanismo utilizado em aquisições, parte do investimento, ou do ativo a ser negociado, fica retido por determinado período, sem possibilidade de ser transacionado, como garantia para possíveis passivos que poderiam surgir nos anos seguintes à concretização do negócio.

Paralelamente, um outro negócio envolvendo a família Bueno e a UnitedHealth pode estar em curso. Trata-se da venda de uma participação de 10% da Amil que ainda está nas mãos dos Bueno. O grupo americano adquiriu 90% da operadora de planos de saúde em 2012 e deixou a fatia residual com a família por um período de cinco anos em caso de surgimento de alguma contingência. Esse prazo de opção de compra começa a valer este mês, mas a United pode exercê-la até 2020, segundo fontes.

Com informações Valor.

VEJA TAMBÉM

Verde, amarelo e vermelho: hospital rotula alimentos e aumenta venda de produtos saudáveis

Um recente estudo divulgado no JAMA Network Open (produzido pela Associação Médica Americana), realizado por pesquisadores do Massachusetts General Hospital (MGH), localizado em Boston (EUA), mostrou que inserir rótulos nos produtos alimentares em um refeitório hospitalar pode auxiliar na educação alimentar dos funcionários. Os resultados demonstraram a redução de “calorias compradas” pelos colaboradores e o aumento da venda
MERCADO

Centro Clínico Gaúcho contrata dois novos executivos

A operadora de planos de saúde Centro Clínico Gaúcho (CCG) anunciou a contratação de dois novos executivos. Mauro Medeiros Borges assume a diretoria executiva de operações, e Fábio Bernal Rossetto, a diretoria executiva financeira. Borges é médico e tem experiência em gestão no mercado hospitalar e de planos de saúde. Rossetto é economista com pós-graduação e experiência em gestão empresarial,
SEMINÁRIOS DE GESTÃO

Inovação, Novas Tecnologias e Gestão Disruptiva em Saúde com inscrições abertas

As inscrições para a terceira edição do Seminários de Gestão com o tema Inovação, Novas Tecnologias e Gestão Disruptiva em Saúde, já estão abertas. O evento ocorrerá no dia 2 de agosto, no Hotel Plaza São Rafael (Av. Alberto Bins, 514 – Centro Histórico, Porto Alegre). As inscrições podem ser realizadas através deste link (inscrições realizadas até o dia 24/07, possuem desconto). Para a inscrição