Estatísticas e Análises, Mundo | 20 de julho de 2015

Pesquisadores alertam que nova cepa de bactéria pode estar se espalhando

Infecções relacionadas ao Estreptococo do grupo A, estão ligadas ao subtipo emm89
Pesquisadores alertam que nova cepa de bactéria pode estar se espalhando

Uma nova cepa de uma bactéria pode estar se espalhando e contribuindo para o aumento de casos no Reino Unido, no Japão, na França, no Canadá e na Suécia. De acordo com cientistas, o fenômeno foi observado durante um período de 11 anos (1998 a 2009) e as infecções estão ligadas a um novo e mais potente subtipo, conhecido por emm89.

O Estreptococo do grupo A produz mais toxinas do que outros tipos, e também é a única cepa a ter perdido sua cápsula exterior, o que pode torná-la mais propensa a causar infecções invasivas graves. A bactéria gera em torno de 600 milhões de infecções por ano no mundo. Os casos mais graves podem levar a fasceíte necrosante, pneumonia, sepse ou síndrome do choque tóxico. Cerca de uma em cada quatro pessoas que sofrem uma infecção invasiva não sobrevivem.

Segundo Claire Turner, da equipe do Imperial College de Londres, o estudo descobriu que a falta de cápsula pode ajudar as bactérias a infectar pessoas. “Sabemos que, sem as cápsula, elas aderem melhor às superfícies, de modo que ajudam a transmitir mais facilmente a infecção”, disse a estudiosa. “Outra possibilidade é que elas podem mais facilmente entrar nas células humanas, o que as torna mais difíceis de tratar”, completou a pesquisadora.

Shiranee Sriskandan, da mesma faculdade, ressalta que ainda se sabe pouco a respeito da forma como o estreptococo do grupo A é transmitido de pessoa para pessoa e é necessário mais estudos para encontrar a melhor forma de prevenção. “Precisamos olhar para isso mais profundamente e pensar sobre as melhores formas de prevenir a transmissão. Felizmente, a nova variante permanece extremamente sensível à penicilina e a antibióticos relacionados”.

VEJA TAMBÉM

REGULAÇÃO

2,1 milhões de dólares: medicamento mais caro do mundo é aprovado nos EUA

A agência reguladora de medicamentos dos EUA, a FDA, aprovou na sexta-feira, 24, a primeira terapia genética para a atrofia muscular espinhal (AME). O laboratório farmacêutico Novartis, responsável pela pesquisa e produção da terapia, estima que a Zolgensma (onasemnogene abeparvovec-xioi) custará algo em torno de 2,125 milhões de dólares (uma única dose), fazendo com que a mesma se torne
LEITURA

Entidades lançam publicações com dados históricos e indicadores da saúde nacional

A Associação Nacional de Hospitais Privados (ANAHP), a Organização Nacional de Acreditação (ONA) e a Confederação Nacional de Saúde (CNSaúde), em parceria com a Federação Brasileira dos Hospitais (FBH) – lançaram importantes publicações durante a Feira Hospitalar que ocorreu entre os dias 21 e 24 de maio, na cidade de São Paulo. Enquanto ANAHP e CNSaúde/FBH apresentam indicadores, dados e artigos, a ONA

Anvisa tira do mercado 185 medicamentos para hipertensão arterial

A a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recolheu 185 lotes de medicamentos para hipertensão arterial. Segundo a agência, os medicamentos recolhidos são os remédios que possuem os princípios ativos do tipo “sartanas”, como a losartana, valsartana, olmesartana e irbesartana. Confira a lista completa aqui. Eles foram recolhidos por suspeita de conter “impurezas” que podem causa câncer