Estatísticas e Análises, Mundo | 12 de abril de 2018

OMS alerta para surto de sarampo nas Américas

Há confirmação de 385 casos, em 11 países atingidos no continente. Brasil registra 46 casos
OMS alerta Sarampo

Onze países das Américas notificaram 385 casos confirmados de sarampo em 2018. Os dados são da mais recente atualização epidemiológica da Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS), publicada no dia 6 de abril. Em março, eram 8 os países notificados com a doença nas Américas.

Os casos de sarampo estão registrados nos seguintes países: Antígua e Barbuda (1 caso), Argentina (1), Brasil (46), Canadá (4), Colômbia (5), Equador (1), Estados Unidos (41), Guatemala (1), México (4), Peru (2) e Venezuela (279).

De acordo com a OMS, os casos em Antígua e Barbuda e na Guatemala foram importados, respectivamente, do Reino Unido e da Alemanha. Canadá, Estados Unidos e México também apresentam casos importados ou associados à importação. No Peru, estão sendo investigados os lugares onde ocorreram as infecções.

Na Argentina, o caso confirmado de sarampo foi registrado em uma menina de menos de um ano de idade, sem histórico de vacinação. Está em andamento uma investigação no país para identificar a fonte de infecção. No Equador, foi confirmado um caso em um menino venezuelano de cinco anos que havia viajado de Caracas para Quito durante o período de incubação da doença. A criança também não tinha histórico de vacinação.

Na Venezuela, 67% dos casos confirmados foram registrados no estado de Bolívar. De acordo com a OMS, a propagação do vírus para outras áreas geográficas é explicada, entre outros fatores, pelo alto movimento migratório da população devido à atividade econômica em torno da mineração e do comércio.

Para interromper a transmissão do vírus, a Venezuela elaborou um Plano Nacional de Resposta Rápida, que inclui estratégias e atividades de vacinação, vigilância epidemiológica, busca e investigação de casos, além de capacitação de profissionais de saúde. “A OPAS está trabalhando para mobilizar recursos com parceiros estratégicos, a fim de apoiar todas as medidas de controle do surto na Venezuela, incluindo a campanha de imunização”, informa a OPAS/OMS em nota.

Sarampo no Brasil

O Brasil é o segundo país das Américas com maior número de casos da doença, tendo 46 casos confirmados até o momento. No país, há um surto em andamento nos estados de Roraima (42 casos confirmados, dos quais 34 cidadãos venezuelanos e oito brasileiros) e do Amazonas (quatros casos confirmados, todos cidadãos brasileiros). Para enfrentar o surto, o Ministério da Saúde, em coordenação com os governos estaduais e municipais, está realizando campanhas de vacinação nos dois estados (tanto para residentes quanto imigrantes venezuelanos de 6 meses a 49 anos de idade).

A OPAS/OMS informa que está colaborando no plano emergencial de contenção do surto de sarampo em Roraima. O organismo internacional, a pedido do Ministério da Saúde do Brasil, está apoiando a montagem de um posto de vacinação em Pacaraima, município brasileiro localizado na fronteira com a Venezuela.

O organismo internacional explica que está ajudando o governo federal brasileiro no fornecimento de seringas, na compra de materiais para manter a temperatura adequada das vacinas, na contratação de profissionais (por exemplo, vacinadores) e no envio de especialistas para apoiar as autoridades nacionais e locais.

Informações básicas, recomendações e prevenção

A doença viral é transmitida pela respiração, e os sintomas aparecem após 12 dias, que incluem: manchas avermelhadas na pele, febre, tosse e mal-estar. O sarampo requer cuidados e pode levar à graves problemas de saúde, como pneumonia, cegueira e inflamação do cérebro. A atenção ao sarampo é fundamental, porque a doença pode inclusive levar à morte.

A principal medida para prevenir a introdução e disseminação do vírus do sarampo é a vacinação da população suscetível, juntamente com a implementação de um sistema de vigilância de alta qualidade e sensível o suficiente para detectar de forma oportuna quaisquer casos suspeitos.

“Vacinar a população para manter uma cobertura homogênea de 95% com a primeira e a segunda dose da vacina contra sarampo, caxumba e rubéola em todos os municípios. A Semana de Vacinação nas Américas, que começa em 22 de abril, é uma oportunidade para intensificar a cobertura vacinal e estabelecer níveis de cobertura mais homogêneos dentro dos países”, informa a OPAS/OMS. O organismo internacional também recomenda que as os países identifiquem a chegada de estrangeiros  e fluxos internos dentro de cada país, para facilitar o acesso aos serviços de vacinação.

A vacina contra o sarampo está disponível desde 1963, em duas doses: uma aos 12 meses e a outra após três meses. A OPAS estima que atualmente 20,8 milhões de crianças ainda não tiveram sua primeira dose da vacina contra o sarampo. Em 2016, a região das Américas foi a primeira do mundo a ser declarada livre de sarampo pela OPAS, mas a doença está de volta no continente.

 

Com informações da Organização Pan-Americana da Saúde e Organização Mundial da Saúde. Edição do Setor Saúde.

VEJA TAMBÉM

Sala de Situação

ANS atualiza números de usuários de planos de saúde no Brasil

 A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) atualizou o número de beneficiários de planos de saúde no Brasil, relativos ao mês de outubro. Os números foram disponibilizados pela Sala de Situação, ferramenta disponível no site da agência reguladora. Agora, o país registra 47,31 milhões de beneficiários em planos médico-hospitalares em 755 operadoras ativas com beneficiários. Em relação ao

Alerta: remédio para hipertensão aumenta risco de câncer de pele, diz Anvisa

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), por meio da Gerência de Farmacovigilância (GFARM), divulgou um alerta a população e os profissionais da área de saúde sobre o aumento do risco de câncer de pele não-melanoma decorrente do uso cumulativo do medicamento hidroclorotiazida, utilizado para tratamento da hipertensão arterial e para controle de edemas. De acordo com
segurança no trabalho

Ministério da Saúde lança Atlas com ações para reduzir morte por câncer ligado ao trabalho

Evitar o contato com poeiras orgânicas, agrotóxicos, metais, solventes, produtos petroquímicos, radiação podem reduzir em até 37% os casos de alguns cânceres relacionados ao trabalho no país. Para subsidiar ações de prevenção à exposição ocupacional, o Ministério da Saúde lançou na terça-feira (4), durante a 2ª Jornada Nacional de Saúde do Trabalhador e Trabalhadora que acontece em