Gestão e Qualidade, Mundo | 16 de novembro de 2018

Nos EUA, 25% da remuneração é baseada em valor

Pesquisa apresenta elementos da transição do fee-for-service para a remuneração baseada em valor
Nos EUA, 25% da remuneração é baseada em valor

Uma recente pesquisa do periódico New England Journal of Medicine (NEJM) em parceria com a empresa de tecnologia de dados em saúde Optum (UnitedHealth Group), apresenta alguns dados importantes para se entender as complexidades da transição do modelo de pagamento por serviço executado para o de foco em resultados ou performance. A amostra compreende 552 profissionais (com margem de erro de +/- 4,2% e intervalo de confiança de 95%). Os questionários foram enviados pela internet a executivos, líderes médicos e médicos, em organizações de saúde (privadas e não privadas).

Audience_NEJM_Survey

 

Os entrevistados relataram que, em média, um quarto da remuneração em suas organizações é baseada em valor. Apesar de três quartos da receita permanecer no modelo fee-for-service, já é observada uma mudança notável em um sistema de remuneração que ficou estático por décadas, segundo o estudo.

Cerca de 42% dos entrevistados (líderes clínicos, clínicos e executivos em organizações que prestam serviços de saúde) disseram acreditar que os modelos de remuneração baseados em valor serão o principal modelo de receita para os serviços de saúde dos Estados Unidos.

Quase metade (46%) dos entrevistados afirma que contratos baseados em valor melhoram significativamente a qualidade do atendimento, e outros 42% afirmam que contratos baseados em valor significativamente diminuem o custo do atendimento.

Embora esses dados sugiram um apoio considerável para o reembolso baseado em valores, vale mencionar que um número significativo (36%) dos entrevistados diz não ter certeza de que isso se tornará o principal modelo de receita para os serviços de saúde dos EUA. Segundo a pesquisa, alguns entrevistados podem entender necessário manter o sistema de taxa por serviço. Outras podem desejar ter mais evidências de que o pagamento por valor realmente melhora os resultados e o controle dos custos. Por outro lado, alguns podem não estar realmente familiarizados com a sistemática do pagamento por valor.

Sobre quais modelos de cuidado baseados em valor a sua organização  estava buscando de forma ativa o pagamento por valor, Accountable Care Organizations (ACO, em inglês, algo como Organizações de Cuidados Responsáveis. Usado no Medicare) com 50% e Bundled Payment (sistema que leva em conta o custo estimado e predeterminado de um conjunto de serviços), com 47% são as principais.

 

Pursuing_Value_Based_Care_NEJM

 

Futuro, melhora do serviço e diminuição dos custos

Os executivos (51%) lideram entre os que mais acreditam que o modelo baseado em valor será o principal modelo de receita no futuro, seguidos de líderes clínicos (39%) e médicos em geral (37%).

Entre os que acreditam que contratos baseados em valor melhoram significativamente a qualidade do atendimento, os executivos (55%) também aparecem com a maior porcentagem, seguidos por líderes clínicos (47%) e médicos (38%).

Entre os que acreditam que contratos baseados em valor reduzem significativamente o custo do atendimento, os executivos (50%) novamente lideram a lista, também seguidos por líderes clínicos (42%) e médicos (36%).

A pesquisa também revelou um grande número de indecisos entre os entrevistados. Mais de um terço (37%) afirma não concordar nem discordar de que os contratos baseados em valor melhoram significativamente a qualidade do atendimento, e 41% não concordam nem discordam de que os contratos baseados em valor reduzem significativamente o custo dos cuidados.

Transparência e consenso

A pesquisa apontou que 23% dos entrevistados dizem não conhecer o status de suas organizações em relação aos cuidados baseados em valor – médicos (34%), líderes clínicos (16%) e executivos (12%). “Isso poderia sugerir uma necessidade de maior transparência da liderança em relação às atividades baseadas em valor. Também poderia indicar algo muito mais fundamental – uma falta de consenso sobre o que exatamente constitui um cuidado baseado em valor”, aponta o periódico científico.

Embora haja um amplo entendimento de que o valor em saúde é representado pelo equilíbrio entre os resultados da assistência centrados no paciente e os custos para alcançar esses resultados, muitos indivíduos não entendem completamente esse conceito. Um clínico entrevistado sugere que um dos obstáculos ao desenvolvimento de modelos baseados em valor é “definir valor e valor para quem. Eu acho que o valor do paciente ainda não está totalmente integrado na equação ”.

Barreiras para o pagamento baseado em valor

A pesquisa identifica as principais barreiras à implementação de modelos baseados em valor.

Requisitos de infraestrutura, incluindo a tecnologia da informação (indicada por 42% dos entrevistados),

Mudanças na regulamentação/política (34%)

Problemas relacionados à gestão de mudanças – detalhes administrativos (33%)

Preocupações com a sustentabilidade (28%)

Integração de dados (20%)

Engajamento do paciente (18%)

O NEJM perguntou aos entrevistados quais as métricas (de uma lista) mais importantes para medir os cuidados baseados em valores. Todas as cinco métricas mencionadas na pesquisa – resultados, custos, indicadores de segurança, indicadores de experiência do paciente e medidas de processo – são classificadas como importantes por mais de 85% dos entrevistados. As medidas de resultados estão no topo da lista, com 60% dos entrevistados dizendo que são extremamente importantes.

Metrics_Value_Based_Care

 

Alinhamento entre pagador e prestador

“Esta pesquisa sugere que muitos dos profissionais de saúde enxergam o reembolso baseado em valor como uma solução real para a atual crise de assistência médica nos EUA. Até que os pagadores e provedores se tornem mais alinhados, no entanto, haverá desafios em escalar e acelerar essa abordagem”, afirmam os autores do estudo, professor Thomas W. Feeley (Harvard Business School e University of Texas MD Anderson Cancer Center) e Namita Seth Mohta (Editora do NEJM Catalyst e médica do Brigham and Women’s Hospital). “Coletivamente, devemos medir os resultados que são importantes para os pacientes no fluxo de trabalho, através de avanços na tecnologia da informação, e então recompensar esses resultados em um sistema de remuneração baseado em valor”, conclui o periódico científico.

O levantamento completo pode ser conferido neste link (em inglês).

 

Com informações do New England Journal of Medicine. Edição do Setor Saúde. 

VEJA TAMBÉM

Verde, amarelo e vermelho: hospital rotula alimentos e aumenta venda de produtos saudáveis

Um recente estudo divulgado no JAMA Network Open (produzido pela Associação Médica Americana), realizado por pesquisadores do Massachusetts General Hospital (MGH), localizado em Boston (EUA), mostrou que inserir rótulos nos produtos alimentares em um refeitório hospitalar pode auxiliar na educação alimentar dos funcionários. Os resultados demonstraram a redução de “calorias compradas” pelos colaboradores e o aumento da venda
MERCADO

Centro Clínico Gaúcho contrata dois novos executivos

A operadora de planos de saúde Centro Clínico Gaúcho (CCG) anunciou a contratação de dois novos executivos. Mauro Medeiros Borges assume a diretoria executiva de operações, e Fábio Bernal Rossetto, a diretoria executiva financeira. Borges é médico e tem experiência em gestão no mercado hospitalar e de planos de saúde. Rossetto é economista com pós-graduação e experiência em gestão empresarial,
SEMINÁRIOS DE GESTÃO

Inovação, Novas Tecnologias e Gestão Disruptiva em Saúde com inscrições abertas

As inscrições para a terceira edição do Seminários de Gestão com o tema Inovação, Novas Tecnologias e Gestão Disruptiva em Saúde, já estão abertas. O evento ocorrerá no dia 2 de agosto, no Hotel Plaza São Rafael (Av. Alberto Bins, 514 – Centro Histórico, Porto Alegre). As inscrições podem ser realizadas através deste link (inscrições realizadas até o dia 24/07, possuem desconto). Para a inscrição