Estatísticas e Análises | 17 de setembro de 2018

Mortes por câncer chegarão a 9,6 milhões em 2018, diz OMS

Nos próximos 20 anos, incidência da doença pode aumentar em 78% no Brasil
Mortes por câncer chegarão a 9,6 milhões em 2018, diz OMS

câncer causará a morte de 9,6 milhões de pessoas em 2018, informou a agência de pesquisa sobre câncer da Organização Mundial da Saúde (OMS), na quarta-feira (12). O levantamento também alerta que a incidência da doença no Brasil pode aumentar 78% nos próximos 20 anos.

Em seu relatório Globocan, que detalha a prevalência e a taxa de mortalidade de vários tipos de câncer, a Agência Internacional para Pesquisa sobre Câncer (IARC, na sigla em inglês) disse que são estimados 18,1 milhões de novos casos de câncer em 2018. A última pesquisa publicada pela Globocan, em 2012, apontava 14,1 milhões de novos casos e 8,2 milhões de mortes.

De acordo com o levantamento, um em cada cinco homens e uma em cada seis mulheres desenvolverão o câncer durante suas vidas. Já a taxa de mortalidade indica que um em cada oito homens e uma em cada onze mulheres morrerão pela doença.

O relatório alerta que, se nada for feito, as incidências vão atingir 29,4 milhões de novos casos em 2040, uma expansão de 63% nos próximos 20 anos. A mortalidade deve subir de 9,6 milhões de pessoas hoje para 16,3 milhões em 2040. As entidades destacam que serão os países emergentes que mais registrarão o aumento de casos, com um salto de 62% até 2040 e um total de 10 milhões de novos casos.

Em 2018, Brasil terá 559 mil casos da doença

O Brasil somará em 559 mil novos casos de câncer, com 243 mil mortes em 2018, de acordo com o levantamento. Entretanto, as projeções da entidade apontam que a doença pode sofrer um aumento de 78,5% até o ano de 2040, um dos maiores saltos entre as principais economias. No total, 998 mil novos casos serão registrados.

Hoje, o câncer mais frequente no Brasil é o de mama, com 85,6 mil casos, 15,3% do total. O segundo lugar é o de próstata, com 84,9 mil. Mas essa é a doença que mais mata entre os incidentes de câncer, com 30% dos casos.

No total, 43,8 milhões de pessoas no mundo estão vivendo os cinco anos de prevalência do câncer e 1,3 milhão delas estão no Brasil. Há cinco anos, eram 32 milhões de pessoas nessa situação. Se parte da explicação é a capacidade de um número maior de pessoas de sobreviver à doença, ela não é o único motivo.

Casos de câncer no Brasil em 2018 (fonte: Agência para a Pesquisa do Câncer)

– Homens

1. Próstata             (84.992 casos)

2. Colorretal           (24.737 casos)

3. Pulmão               (19.169 casos)

4. Estômago           (12.340 casos)

5. Bexiga                 (9.127 casos)

6. Outros cânceres (128.242 casos)

– Mulheres

1. Mama                 (85.620 casos)

2. Colorretal           (27.046 casos)

3. Tireoide              (16.901 casos)

4. Colo de útero      (16.298 casos)

5. Pulmão               (15.342 casos)

6. Outros cânceres (119.557 casos)

Fatores para o aumento do número de casos

De acordo com a pesquisa, o envelhecimento da população e mudanças de estilo de vida ligado ao desenvolvimento social são dois dos fatores que estão contribuindo para os números cada vez mais elevados. O levantamento indica que, em economias emergente, há uma transição de formas de câncer relacionadas à pobreza e a infecções para formas de câncer ligadas a estilos de vida e dietas mais típicas de países ricos.

Alimentação, bebida, falta de atividades físicas e envelhecimento seriam alguns dos principais fatores. Porém, a agência diz não ter ainda dados que sustentem a teoria de que a introdução massiva de novas tecnologias e telefones celulares possam ter um impacto no número de doenças.

Incidência

Juntos, os cânceres de mama, pulmão e colorretal representam um terço de todos as incidências de câncer no mundo. Em 2018, a estimativa é de que 2,1 milhão de pessoas serão afetadas por câncer de pulmão, que causará 1,8 milhão de mortes (18% de todos os casos). O câncer de pulmão é ainda a principal causa de morte entre os cerca de 30 tipos de câncer.

Porém, um dos alertas se refere ao aumento de incidência da doença entre mulheres, onde já é a primeira causa de morte em 28 países. As taxas mais elevadas entre as mulheres estão na América do Norte, Europa (com especial destaque para Holanda e Dinamarca), além de China e Austrália.

Já o câncer de mama também afeta 2,1 milhões de pessoas e é o mais comum em 154 dos 185 países. Mas, por conta de sua alta taxa de diagnóstico, é apenas o quinto que mais mata, com 627 mil casos por ano. Ainda assim, trata-se do maior responsável por mortes de mulheres entre os diferentes tipos de câncer.

O câncer colorretal vem na terceira posição e atinge 1,8 milhão de pessoas, contra 1,3 milhão de incidentes de próstata. “Esses números mostram que muito ainda precisa ser feito para lidar com o aumento alarmante do câncer e que a prevenção tem um papel importante”, disse Christopher Wild, diretor da agência.

Freddie Bray, chefe do sistema de monitoramento, também alerta que, hoje, menos de 40 países tem a capacidade de um diagnóstico de qualidade de câncer para a população.

Com informações do Estadão e Reuters. Edição do Setor Saúde.

VEJA TAMBÉM

Por precaução, Anvisa suspende uso da vacina contra a Covid-19 da AstraZeneca/Fiocruz em gestantes

A Anvisa recomendou nesta segunda-feira (10) a suspensão imediata do uso da vacina contra a Covid-19 da AstraZeneca/Fiocruz em gestantes. Segundo o órgão regulador, a recomendação é resultado do monitoramento de eventos adversos feito com as vacinas contra Covid-19 em uso no país. A medida, completa a Anvisa, tem base no “princípio da precaução”. Existe
Atazanavir, Sofosbuvir e Daclatasvir

Tacchini participa de pesquisa com antivirais para combater a Covid-19

O Instituto Tacchini de Pesquisa em Saúde (ITPS) está participando de mais um braço de estudos do Coalizão Covid Brasil. Conduzido pelos hospitais que integram o Programa de Apoio ao Desenvolvimento do SUS (PROADI-SUS), o Coalizão IX, batizado de Revolution, tem como objetivo estudar a eficácia e segurança de antivirais já utilizados no combate a outras doenças,

Ferramenta que analisa exames de imagens irá ampliar a participação de pacientes da Santa Casa em pesquisas clínicas  

Para ampliar a elegibilidade e a participação dos seus pacientes em pesquisas clínicas, a Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre incorporou a ferramenta Medexprim, líder europeu especializado na extração de conjuntos de dados complexos. Agora, qualquer paciente que realizar seus exames de imagem na instituição (como ultrassonografia, tomografia computadorizada, ressonância magnética, entre outros) poderá