Gestão e Qualidade, Política | 15 de julho de 2016

Sindicato da Fazenda denuncia pagamentos de medicamentos no Ipe-Saúde

Já servidores estaduais apontam débito de R$ 1 bilhão por parte do Estado
Sindicato da Fazenda denuncia pagamentos de medicamentos no Ipe-Saúde

Duas matérias publicadas nos dias 13 e 14, no Correio do Povo, baseadas em estudo realizado por técnicos da Secretaria da Fazenda, divulgam que haveria sobrepreço de até 45% no reembolso de medicamentos a prestadores de serviços de saúde, o que geraria prejuízos de cerca de R$ 200 milhões no ano ao Ipe-Saúde. No dia 15, a questão da falta de repasse de valores ao Fundo de Assistência à Saúde (FAS) foi exposta pelas entidades que representam os servidores.

Medicamentos

A Fehosul não foi procurada pela reportagem do periódico, mas entende que inexiste o anunciado ágio, já que os prestadores de serviços apenas cobram os valores pactuados em contratos firmados com a autarquia, alguns deles remontando há muitos anos. Em Termo de Acordo datado de setembro de 2014 uma nova política de remuneração dos medicamentos foi estabelecida com base no Preço Fábrica mais um percentual destinado a remunerar a logística, isto é, serviços de:

Seleção,

Programação,

Aquisição dos medicamentos,

Armazenamento,

Distribuição,

Manipulação,

Fracionamento,

Unitarização (boas práticas para destinação do medicamento ao paciente de forma unitária),

Dispensação,

Controle.

Estes serviços são prestados de acordo com a estrutura do prestador de serviços. A taxa de logística, portanto, é uma remuneração pela prestação destes serviços. Este modelo foi validado pela CAGE (Controladoria Geral do Estado) e PGE (Procuradoria Geral do Estado) na ocasião.

Como é amplamente conhecido no setor, o Ipe-Saúde paga dois componentes aos hospitais: um é relacionado a diárias/taxas, que não são reajustadas há 5 (cinco) anos, período em que ocorreu uma inflação acumulada superior a 40%. O outro componente, ajustado contratualmente entre as partes, refere-se à remuneração dos medicamentos, demais insumos e exames diagnósticos.

A Fehosul, por decisões de assembleias, não se nega a rediscutir qualquer modelo de remuneração, desde que se observe o princípio “ganho zero, perda zero”, ou seja não ocorra a descapitalização da prestação de serviços, os pagamentos sejam efetuados em dia e os prestadores sejam devidamente valorizados.

A entidade entende que todo ajuste contratual adicional precisa incluir mudanças concretas em pendências importantes – como a falta de reajustes nas tabelas remuneratórias das diárias, taxas, serviços auxiliares de diagnóstico e tratamento (como exames de análises clínicas, patologia, raios-X, tomografias e ressonâncias magnéticas, etc.) e outros, tais como, fisioterapia, saúde mental, hemodiálise e hemoterapia.

Débito de R$ 1 bi por parte do Estado

Já no dia 15, servidores estaduais divulgaram – assim como a Fehosul já vem alertando há anos – que o Estado deve mais de R$ 1 bilhão ao Ipergs. Conforme as contas do presidente da Fessergs, Sérgio Arnoud, os órgãos que devem à autarquia, por meio da ausência correta de repasses ao Fundo de Assistência à Saúde (FAS), são:

Tesouro do Estado: R$ 893 milhões;

Tribunal de Justiça: R$ 53 milhões;

Departamento Autônomo de Estradas e Rodagem: R$ 24 milhões

Assembleia Legislativa: R$ 20 milhões;

Ministério Público Estadual: 11 milhões;

Tribunal de Contas: R$ 6 milhões;

Defensoria Pública: R$ 6 milhões.

TOTAL: R$ 1,013 bilhões

“A questão dos medicamentos precisa ser entendida dentro da sua complexidade, já que existe serviços que estão atrelados a todo o processo envolvendo este tipo de insumo, ou seja, não se resume apenas a comparativos de preço. O importante é que esta discussão inicial ajuda no entendimento de outras questões relevantes, e favorece o surgimento de temas que devem ser de conhecimento do grande público. Na verdade, o que existe é um subpreço generalizado em relação aos pagamentos para os prestadores, e não o alegado sobrepreço, mencionado pelo sindicato que representa trabalhadores da Secretaria da Fazenda. Esta falta de reajuste cria problemas para os usuários e para os prestadores. E uma das causas desta situação, é a falta de repasses regulares do Estado ao Fundo de Assistência à Saúde (FAS). Cabe ressaltar que isto não ocorre somente neste governo, mas é uma prática de muitos anos, de governos anteriores”, disse Cláudio Allgayer, presidente da Fehosul.

 

* com informações Fehosul e site Fessergs.

Ao adotar a PRM, IPE-Saúde ameaça a viabilidade de hospitais e clínicas

Diretor do Ipe-Saúde participa da primeira edição dos Desafios da Saúde 2016 

Preço de Referência de Medicamentos

 

VEJA TAMBÉM

Laboratório Mont’Serrat é o primeiro da região Sul a oferecer teste que mede nível de imunidade contra o SARS-CoV-2

A confirmação de reinfecções pelo SARS-CoV-2 e uma mutação deste vírus já identificada no país vêm deixando a população alerta neste início de ano. Diante do grande número de pessoas que já contraíram o coronavírus (Covid-19), a possibilidade de confirmar o nível de imunidade contra a doença pode trazer um pouco mais de tranquilidade. Esse
qualidade e segurança do paciente

Hospitalar ATS conquista acreditação de nível máximo pela ONA 

A Hospitalar ATS, de Porto Alegre (RS), conquistou a acreditação de nível 3 (Excelência) da Organização Nacional de Acreditação (ONA). Fundada em 1997, a empresa atua oferecendo soluções para as necessidades dos pacientes fora do ambiente hospitalar, como serviços de home care. Entre os produtos oferecidos estão a Assistência Domiciliar Supervisionada, Internação Domiciliar, Procedimento Pontual
sequelas Covid

Hospital Mãe de Deus inaugura Serviço de Recuperação Pós-Covid

Após dez meses de pandemia, com mais de quatro mil pacientes atendidos e diagnosticados com Covid-19, tanto da capital quanto do interior do Estado, o Hospital Mãe de Deus está recebendo uma procura muito grande de pessoas que precisam de orientações para a continuação do tratamento após a doença. Para atender esta demanda, desde o dia 11 de janeiro começou a funcionar o Serviço de Recuperação Pós-Covid.