Gestão e Qualidade, Tecnologia e Inovação | 24 de maio de 2021

Hospital Virvi Ramos e Uniftec testam nova forma de utilização de ventilação não invasiva

“A 'tenda' nos permitiu utilizar a ventilação não invasiva em alguns pacientes, principalmente obesos, que possibilitou que eles evitassem a intubação, que é a ventilação invasiva ” explica a Dra. Eveline Gremelmaier
Hospital Virvi Ramos e Uniftec testam nova forma de utilização de ventilação não invasiva

No início da pandemia, em 2020, a partir da observação de um projeto desenvolvido no norte do Brasil, o Hospital Virvi Ramos, de Caxias do Sul (RS), começou a trabalhar na ideia de disponibilizar aos pacientes em tratamento da Covid-19 uma nova maneira de utilização de ventilação não invasiva com pressão negativa, que elimina vírus, bactérias, fungos e outros patógenos presentes no ambiente.

Denominada de ‘tenda’, o equipamento foi desenvolvido com o intuito de possibilitar que alguns pacientes melhorem seus parâmetros de ventilação sem a necessidade de intubação e consequentemente, auxilia na diminuição do risco de contaminação por aerodispersóides dos profissionais de saúde.

Cleciane Doncatto Simsen, Diretora Executiva do Hospital Virvi Ramos, destaca como surgiu a ideia: “Inicialmente observamos no mercado alguns produtos sendo confeccionados para se utilizar nesse fim. Decidimos replicar aqui o projeto e fizemos um teste piloto com exaustor, mas quando passamos a contar com o apoio dos parceiros especialistas, vimos que não era suficiente para fazer a pressão negativa necessária. ”

Foram diversos meses de testes até que o aparelho ficasse totalmente pronto para ser utilizado no ambiente hospitalar, como explica o Consultor Técnico, Adelfo Pinto Neto, que colaborou voluntariamente com o projeto: “Em junho de 2020 fui convidado a contribuir voluntariamente com o projeto. Com auxílio do engenheiro Alan Castellani Pimentel, por meses realizamos diversos testes e fomos agregando diversos setores e profissionais especializados, até que este ano, conseguimos chegar aos parâmetros necessários de vazão para manter a tenda em pressão negativa. ”

O Grupo Uniftec, através do Centro Universitário Uniftec, foi outro parceiro voluntário fundamental no projeto, pois emitiu um parecer técnico efetuando medições, com uso de instrumentos específicos, referentes ao funcionamento do dispositivo analisado (tenda), a fim de quantificar grandezas como pressão interna, vazão de ar, características dimensionais e outras informações pertinentes para que a equipe do Hospital Virvi Ramos pudesse avaliar e decidir sobre a aplicação da tenda.

A equipe principal do Uniftec foi liderada pelo engenheiro eletricista Geison Luís Rasia (CREA nº 103948) e composta pelos engenheiros mecânicos André Lunardi Steiner (CREA nº RS123349) e Eduardo Caldas da Rocha (CREA nº 144496), que, junto com outros professores do grupo e com o Consultor Técnico indicado pelo hospital, Adelfo Pinto Neto, e o médico intensivista, Dr. Roger Weingartner, propuseram as melhorias deste equipamento, como explica Rasia: “O Hospital e a equipe que atuava no projeto nos procuraram pois careciam de maiores avaliações técnicas e qualidade de funcionamento. Tudo isso tendo em vista que o propósito é garantir a saúde do paciente infectado e da equipe médica que atua nos cuidados do doente. Então, avaliamos questões importantes de funcionamento e após o consenso de médicos, engenheiros e do especialista em ventilação, o hospital implementou a tenda e avaliou o funcionamento in loco, sob supervisão constante dos profissionais da área da saúde. ”

A Linter Filtros, empresa de São Paulo, também colaborou com o sucesso do projeto, como detalha o Diretor Técnico Comercial da empresa, Eduardo Zanizzelo: “Para nós da Linter Filtros foi extremamente gratificante trabalhar em parceria com a competente equipe do Hospital Virvi Ramos na adaptação e desenvolvimento do equipamento que é responsável pela  filtragem de ar, retenção e inativação de vírus, através de lâmpada UVC e filtro HEPA, que faz com que o ar vindo da tenda, que envolve o paciente, ajude na manutenção da vida do mesmo e na melhor qualidade do ar das UTI’s e quartos, trazendo mais segurança para os profissionais de saúde que ali estão.”

Cleciane ressalta a importância do auxílio e colaboração voluntária de diversos parceiros para a concretização do projeto: “Foi um projeto desenvolvido por muitas mãos. Os plásticos que envolvem a tenda foram confeccionados e doados por uma empresa local. Os canos de PVC também. O Adelfo colaborou voluntariamente com sua consultoria e testagem, assim como a equipe da Uniftec, que gratuitamente se empenharam em auxiliar nos testes e na validação técnica. Tivemos o custo apenas do equipamento para fazer a pressão negativa, que foi desenvolvido especificamente para esse caso. ”

Bons resultados iniciais

Após meses de testagem, as tendas (foram confeccionadas três para utilização no Hospital Virvi Ramos) já estão sendo utilizadas e com excelentes resultados, como explica a Coordenadora da Unidade de Terapia Intensiva do Virvi Ramos, Dra. Eveline Gremelmaier: “A tenda nos permitiu utilizar a ventilação não invasiva em alguns pacientes, principalmente obesos, que possibilitou que eles evitassem a intubação, que é a ventilação invasiva. ”

Hospital Virvi Ramos e Uniftec testam nova forma de utilização de ventilação não invasiva-

É o caso do Soldador Francisco Mendes Rosa, 34 anos, que contraiu Covid e se recuperou bem ao utilizar a tenda: “Eu sou obeso e hipertenso. Quando internei, estava com a saturação muito ruim. Era praticamente certo que eu seria intubado quando fui pra UTI. Então, a médica que me atendeu, disse que tinha a possibilidade de usar essa tenda. Eu aceitei e foi ótimo. Usei por três dias consecutivos e foi o suficiente pra eu sair da UTI e me recuperar sem precisar da intubação. ”

Rosa destaca sua percepção ao utilizar o equipamento e a contribuição na evolução do seu quadro clínico: “Usei a tenda na sexta, no sábado e no domingo. Na segunda-feira já tive alta da UTI. Usei por períodos curtos e longos, porque você para de usar para se alimentar. Minha saturação melhorou muito e consequentemente me sentia mais disposto depois de usar. Torço para que essa tenda possa ajudar muitos outros pacientes. ”

Eveline reforça que a utilização das tendas, além da redução da possibilidade de intubação, diminui a contaminação, no ambiente: “A ventilação não invasiva deve ser evitada em locais sem pressão negativa. Então, o uso da tenda nos permitiu utilizar esse método, muito indicado também para casos de doenças pulmonares, obesos ou pacientes com edema pulmonar de origem cardiogênica, como forma de evitar a intubação. Em casos de Covid, não estávamos utilizando a ventilação não invasiva antes da tenda devido à dispersão de aerossóis no ambiente, em função do alto risco de contágio dos profissionais envolvidos no atendimento. ”

 



VEJA TAMBÉM

Artigo: “O impacto do vazamento de gases medicinais na área da saúde”

Em artigo o gerente de Produtos da Fluke Brasil, Carlos Rubim, explica como o vazamento de gases comprimidos tornou-se um problema recorrente e com sérios riscos ao ambiente hospitalar, especialmente com a pandemia. O autor ressalta a importância de fomentar a discussão sobre este tema e elenca soluções viáveis para solucionar o problema nas organizações de saúde. Leia: O impacto do vazamento de
ciência

Universidade Yale realiza evento para discutir o papel do hormônio leptina na obesidade

O Yale-Proxima Mentorship Program Workshop Series, iniciativa que busca contribuir para o desenvolvimento de habilidades e disseminar o conhecimento  para jovens cientistas, promoverá em 22 de setembro a mesa-redonda Making a Discovery: The Journey to the Leptin Hormone. A iniciativa será conduzida pelo professor Jeffrey M. Friedman, MD, PhD, especializado no estudo dos mecanismos genéticos que regulam
Dasa & NVIDIA

Estudo valida uso de Inteligência Artificial para predição de complicações da Covid-19

Imagine a possibilidade de prever, com 24 horas de antecedência, se um paciente internado com Covid-19 vai ter uma piora em seu quadro clínico e precisará ser intubado. Ou, então, se este mesmo paciente irá apresentar melhora no dia seguinte e poderá receber alta. Parece impossível em meio a uma pandemia de um vírus que apresenta variantes perigosas e atinge os pacientes de maneiras distintas, não é