Gestão e Qualidade | 28 de julho de 2017

Hospitais e clínicas do interior reclamam da baixa remuneração dos serviços de saúde

FEHOSUL debate com filiados das regiões Serrana e Centro
Hospitais e clínicas do interior reclamam da baixa remuneração dos serviços de saúde

Roteiros da Saúde, evento itinerante promovido pelo Sistema FEHOSUL (Federação dos Hospitais e Estabelecimentos de Saúde do Rio Grande do Sul), esteve nas cidades de Cruz Alta e Santa Maria, nos dias 25 e 26 de julho, respectivamente. Estas foram a quarta e a quinta edição do evento em 2017, que prevê visitas a outros municípios do estado ainda este ano.

A equipe da FEHOSUL, em parceria com os Sindicatos dos Hospitais e Estabelecimentos de Serviços de Saúde das regiões Serrana (presidido pelo Dr. Fernando Scarpellini Pedroso) e Centro (presidido pela Dra. Ana Maria Zimmermann), debateu demandas das regiões e estratégias para alcançar avanços para os negócios dos filiados.

Cruz Alta

O encontro na cidade de Cruz Alta contou com grande presença de instituições da área abrangida pelo Sindicato da Região Serrana. Para o presidente do sindicato, Dr. Fernando Pedroso – também diretor executivo do Hospital Santa Lúcia (Cruz Alta) – o Roteiros é uma importante atividade porque apresenta “a mensagem da Federação e torna tangível a presença do sindicato na região no momento que traz, pelas pessoas, pelos envolvidos, as atualizações sobre os vários temas que são inerentes à atividade”. Segundo o presidente, “a gente vê, pela satisfação das pessoas após o evento, o quanto a experiência foi valiosa para todos”. Pedroso destaca a oportunidade das instituições estarem “se atualizando e tendo as informações em primeira mão por parte da federação”.

Dirigentes da região Serrana no Roteiros da Saúde em Cruz Alta

Dirigentes da região Serrana no Roteiros da Saúde em Cruz Alta

 

Durante as apresentações foram expostos e discutidos alguns problemas que o setor saúde enfrenta na região. Conforme o Dr. Guilherme Heuser – do Instituto de Medicina e Diagnóstico por Imagem (Ijuí), além da questão estadual do subfinanciamento da saúde, o setor de radiologia, por exemplo, sofre com os consórcios municipais de saúde da região. “Os consórcios, que surgiram para baixar preços de produtos, acabam baixando o preço dos serviços. Existem algumas modalidades em que o pagamento está ultrajante”, afirma o radiologista. Ele dá como exemplo da baixa remuneração um exame de ecografia. “A gente compra uma máquina que vale 100 mil reais, faz 12 anos de formação e o consórcio intermunicipal de saúde te paga 44 reais por um exame. É um valor bastante baixo”, explica.

Para a fisioterapeuta Talia Librelotto – da Fisiovida (Cruz Alta), o principal problema no setor de fisioterapia são os valores pagos pelos convênios, “extremamente baixos”. Ainda segundo Talia, “é muito difícil mudar isso sozinha”. Diante disso, a fisioterapeuta celebra a ação da FEHOSUL e de seus sindicatos pois, para ela, a união para lutar por uma melhor remuneração “é muito boa para ajudar a conseguirmos valores mais condizentes com a realidade”.

Remuneração baixa foi uma das principais reclamações

Remuneração baixa foi uma das principais reclamações

 

Santa Maria

Segundo a presidente do sindicato da região, Dra. Ana Zimmermann – do LABIMED (Santa Maria), os problemas enfrentados pelos estabelecimentos locais não são muito diferentes do resto do país. A médica, porém, destaca que as instituições da região central do Estado estão enfrentando um processo “muito difícil de condução de suas atividades devido à má remuneração atual e à falta de reajustes”, além de “um grande movimento em relação às exigências da vigilância sanitária, do ministério do trabalho e a reformulação das leis trabalhistas”. A Dra. Ana afirma que, diante desse quadro, o Roteiros da Saúde, da FEHOSUL, “vem exatamente para nos ajudar a clarear e a resolver os problemas que são bastante difíceis de serem resolvidos”. Já para o Dr. Hélvio Sanfelice – da Clínica de Oncologia Viver (Santa Maria), a ocorrência do encontro “é fundamental, principalmente sobre o futuro dessa situação da saúde que nos encontramos hoje”.

Santa Maria recebeu mais uma edição do Roteiros da Saúde

Santa Maria recebeu mais uma edição do Roteiros da Saúde

 

Segundo a diretora executiva do Hospital de Caridade Dr. Astrogildo de Azevedo – HCAA (Santa Maria), Dra. Ângela Perin, igualmente diretora da Fehosul, a questão da remuneração é o maior problema enfrentado pela instituição na região. A diretora executiva afirma que, como hospital “é a única empresa que não coloca seus próprios preços, são os convênios que acabam determinando, temos que trabalhar muito justo entre o custo, a receita e a despesa”. Dra. Ângela também comenta que há anos o IPE-Saúde não promove qualquer reajuste, “60% dos meus pacientes num universo de 410 leitos que o hospital tem atualmente são pacientes do IPE. Temos que controlar bem nossos custos”. Diante dessa dificuldade, que a maior parte dos estabelecimentos de saúde no Rio Grande do Sul enfrenta, a diretora executiva do HCAA afirma estar preocupada com a “sustentabilidade dos hospitais”.

Sobre a iniciativa da FEHOSUL, a Dra. Ângela afirma que o Roteiros é “fundamental”. “O dia a dia do hospital é tão corrido e muitas vezes a gente não consegue acompanhar todas as notícias. O Roteiros da Saúde acaba trazendo para nós, em tempo real, as novidades”, diz. A representante do HCAA também cita a preocupação da FEHOSUL em oportunizar aos estabelecimentos filiados um programa como o QUALIS-RS. “Acho fundamental a preocupação da FEHOSUL de sempre estar atenta às necessidades dos hospitais, porque uma das grandes dificuldades é ter uma acreditação em qualquer nível”, explica. Diante disso e sobre a possibilidade do Hospital de Caridade Dr. Astrogildo de Azevedo participar do programa QUALIS-RS, a Dra. Ângela comenta que “a partir do momento que eu tenho apoio da FEHOSUL e, com toda certeza, vamos participar desse processo, eu, como gestora, acabo ficando mais tranquila”.

Remuneração baixa e falta de reajustes, além de um grande movimento em relação às exigências da vigilância sanitária, do ministério do trabalho e a reformulação das leis trabalhistas são preocupações na região de Santa Maria

Remuneração baixa e falta de reajustes, além de um grande movimento em relação às exigências da vigilância sanitária, do ministério do trabalho e a reformulação das leis trabalhistas são preocupações na região de Santa Maria

 

Nos dois dias do Roteiros da Saúde, da FEHOSUL, estiveram presentes instituições de saúde das cidades de Cerro Largo, Cruz Alta, Santa Maria, Ijuí, Ibirubá e Santo Ângelo.

15 cidades visitadas desde 2014

Desde 2014, ano de lançamento do Roteiros da Saúde, a FEHOSUL já visitou as cidades de Santa Cruz do Sul, Bagé, Caxias do Sul, Erechim, Pelotas, Ijuí, Lajeado, Cruz Alta, Canoas, Santa Maria, Porto Alegre, Camaquã, Bento Gonçalves, Passo Fundo e Tramandaí.

Veja como foram as duas primeiras edições deste ano, realizadas em Passo Fundo e Bento Gonçalves; além do encontro posterior, que aconteceu em Lajeado.

Flávio Borges, Ana Maria Zimmermann e Shirlei Gazave

Flávio Borges, Ana Maria Zimmermann e Shirlei Gazave

VEJA TAMBÉM

Conheça 6 protocolos do Hospital São Lucas da PUC-RS para garantir atendimento seguro aos seus pacientes

O Portal Setor Saúde, em parceria com a Federação dos Hospitais e Estabelecimentos de Saúde do RS (FEHOSUL), lançou uma série especial de entrevistas com gestores das instituições de saúde, onde são destacadas as novas rotinas adotadas pelos hospitais durante a pandemia da Covid-19 (doença causada pelo novo coronavírus). São abordadas também algumas consequências danosas associadas à pandemia, entre as
mercado

Fundos de investimento XP e IG4 Capital anunciam aquisições no setor hospitalar

Dois fundos, a XP Investimentos (XPI) e o IG4 Capital, anunciaram nos últimos dias investimentos pesados no setor hospitalar. Juntas, as aquisições feitas pelos fundos ultrapassam os R$ 400 milhões de reais. Os hospitais envolvidos foram o Hospital Metropolitano Dr. Célio de Castro, em Belo Horizonte (MG), o Hospital Delphina Rinaldi Abdel Aziz, em Manaus (AM) e o Centro Brasileiro de Visão (CBV Hospital

Como o Hospital Tacchini vem atuando para garantir atendimento seguro a pacientes Covid e não Covid

A pandemia da Covid-19 (doença causada pelo novo coronavírus) fez com que diversas rotinas fossem alteradas em todo o mundo. Na área da saúde, uma das consequências notadas  foi a suspensão dos procedimentos eletivos – cirurgias, exames diagnósticos e consultas – com impactos relevantes para a sustentabilidade dos hospitais, mas também, para a saúde os pacientes. Segundo