Gestão e Qualidade | 26 de dezembro de 2017

GEAP entra novamente em Regime de Direção Fiscal

Decisão da ANS explicita a grave situação econômico-financeiro da operadora de saúde
GEAP entra novamente em Regime de Direção Fiscal

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), adotou o Regime de Direção Fiscal na operadora GEAP Autogestão em Saúde. O documento com data de 20 de dezembro, é assinado por Leandro Fonseca da Silva, diretor da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). Esta não é a primeira vez que esta iniciativa é adotada pela agência reguladora. Os anos de 2015 e 2016 foram os mais recentes, mas em anos anteriores, como em 2013, a ANS seguiu no mesmo caminho.

A adoção desse regime objetiva determinar a situação administrativo-econômico-financeira da operadora. Para tanto, cabe ao Diretor Fiscal – designado pela ANS – examinar, in loco, as contas da operadora sob Regime Especial, mediante a aplicação de técnicas de auditoria, que analisem as demonstrações contábeis e o fluxo financeiro visando, com isso, verificar se houve ou não a correta aplicação dos recursos resultantes do ciclo operacional da empresa.

Segundo informações da Sala de Situação da ANS, a GEAP vem perdendo beneficiários todos os meses, desde 2016. São entre 4 mil a 5 mil beneficiários a menos, a cada 30 dias. No total, a GEAP possui hoje, 465.876 mil segurados (dados de outubro/2017). Em novembro de 2016, haviam cerca de 522 mil.  No RS, o contingente assistido atualmente é de 17.102 pessoas.

FEHOSUL

Segundo o médico Claudio José Allgayer, presidente da FEHOSUL, “ a nova medida de intervenção fiscal demonstra que a situação financeira da GEAP ainda requer atenção. A medida serve como alerta a todos os prestadores de serviços, hospitais, clínicas e laboratórios”, enfatizou Allgayer. A FEHOSUL atua representando e intermediando a relação entre a GEAP e seus filiados – assim como outras operadoras e IPERGS. Em 2016, problemas com a geração de glosas pela GEAP foram relatados no RS, o que gerou ações da FEHOSUL

A GEAP possui entre seus beneficiários, grande parcela de idosos, o que ajuda a explicar a dificuldade de gestão da sua carteira em função da alta sinistralidade. “Dados de outubro de 2017 demonstram que 48% da carteira é composta por indivíduos com 60 anos ou mais, ou seja, que demandam alta frequência de procedimentos assistenciais”, informa Allgayer.

Nota de Esclarecimento

Após a publicação desta matéria, a GEAP emitiu através de sua assessoria de comunicação, nota de esclarecimento, onde afirma que “está sob o regime de direção fiscal, pela ANS, desde dezembro de 2016. Em fevereiro de 2017, a Operadora apresentou um Programa de Saneamento, compreendendo o período de janeiro de 2017 até dezembro de 2019. A recente Resolução Operacional da agência dá continuidade à direção fiscal do ano de 2016, e acompanha a nomeação da nova Diretora Fiscal, Maria Socorro de Oliveira Barbosa.”

Ainda segundo a nota, a “a assistência aos milhares de brasileiros, que têm planos de saúde da Geap, continua sendo prestada, normalmente, nas clínicas, hospitais e laboratórios que compõem a rede credenciada da Operadora em todo o País.”

Nota de esclarecimento

Há 72 anos, a Geap Autogestão em Saúde presta assistência integral à saúde dos servidores públicos e seus familiares. Nos últimos 18 meses, a Operadora profissionalizou a gestão e passou por mudanças estruturais e administrativas para ampliar e melhorar o atendimento aos beneficiários, em todo o Brasil. Essas mudanças repercutiram na recuperação do equilíbrio econômico-financeiro, na ampliação da rede credenciada e na melhoria dos indicadores de atenção à saúde dos beneficiários.

O mais recente Balanço Patrimonial e Financeiro da Geap demonstrou que a Operadora saiu de um saldo negativo para um saldo positivo. As contas foram aprovadas pelos Conselhos de Administração e Fiscal. Mais: as contas foram auditadas e aprovadas, sem ressalvas, pela PricewaterhouseCoopers (PWC), uma das mais importantes e respeitadas auditorias externas do mundo.

A atual gestão da Geap tem trabalhado, incansavelmente, para melhorar o serviço prestado aos seus beneficiários. Esse esforço tem refletido em melhoras nos indicadores assistenciais, que contemplam os seguintes quesitos: atenção à saúde (assistência prestada pelas operadoras aos seus clientes); satisfação do cliente; estrutura e operação da empresa; e aspectos econômico-financeiros.

A respeito da instauração de Regime de Direção Fiscal, determinada em Resolução Operacional da Agência Nacional de Saúde Suplementar, publicada no dia 20/12, a Diretoria Executiva da Geap Autogestão em Saúde informa aos seus beneficiários, instituições conveniadas e prestadores de serviço que:

A ANS, Agência Reguladora do mercado de saúde suplementar brasileiro, possui todas as prerrogativas necessárias para monitorar, a qualquer tempo a situação econômico-financeira das Operadoras de planos de Saúde. A Geap está sob o regime de direção fiscal, pela ANS, desde dezembro de 2016. Em fevereiro de 2017, a Operadora apresentou um Programa de Saneamento, compreendendo o período de janeiro de 2017 até dezembro de 2019. A recente Resolução Operacional da agência dá continuidade à direção fiscal do ano de 2016, e acompanha a nomeação da nova Diretora Fiscal, Maria Socorro de Oliveira Barbosa.

 A Diretoria Executiva da Operadora destaca que está à disposição para apresentar, de forma transparente e clara, todos os documentos, dados e informações relativos à situação administrativa e econômico-financeira da Operadora, que demonstram a busca constante pelo alcance das metas de equilíbrio das contas e o processo contínuo de qualificação da rede credenciada e de melhoria dos indicadores de atenção à saúde dos beneficiários.

A assistência aos milhares de brasileiros, que têm planos de saúde da Geap, continua sendo prestada, normalmente, nas clínicas, hospitais e laboratórios que compõem a rede credenciada da Operadora em todo o País.

27 de dezembro de 2017

 

VEJA TAMBÉM

INOVAÇÃO

Pesquisadores do Hospital de Clínicas e UFRGS obtêm patente de próteses de ouvido

Os pesquisadores do Serviço de Otorrinolaringologia, da Engenharia Biomédica do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA), da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e da empresa Promm desenvolveram dois modelos de minipróteses à base de titânio, que permitem a reconstrução parcial ou total das estruturas responsáveis pela transmissão sonora na orelha média (ossículos da

Santa Casa é pioneira no RS em utilizar suporte respiratório extracorpóreo em crianças com sucesso

Durante 10 dias, uma criança de apenas três anos foi submetida ao uso de oxigenação por membrana extracorpórea no Hospital da Criança Santo Antônio da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre. Graças ao ECMO (Extracorporeal Membrane Oxygenation), o pequeno Davi sobreviveu após uma cirurgia cardíaca complexa e delicada, realizada em janeiro, que resultou na perda da função do seu

Hospital Moinhos apresenta resultados dos Projetos UTI Visitas e Qualidade de Vida Pós-UTI

O Hospital Moinhos de Vento apresentou na sexta-feira (22), em evento realizado em Brasília, os resultados obtidos em dois estudos coordenados pela instituição: UTI Visitas, e Qualidade de Vida Pós-UTI. Ambos integram o projeto de apoio Estratégias para Segurança e Qualificação do Cuidado do Paciente Crítico – Visita Ampliada e Continuidade do Cuidado Pós-Alta Hospitalar, desenvolvido em parceria