Estatísticas e Análises | 24 de outubro de 2017

Estudo revela que células de câncer de mama reciclam seus próprios resíduos de amônia como combustível

Presença de amônia foi estudada
Estudo revela que células de câncer de mama reciclam seus próprios resíduos de amônia

Estudo publicado na revista Science, realizado por cientistas da Harvard Medical School (HMS), afirmam que as células de câncer de mama reciclam amônia, um subproduto de resíduos do metabolismo celular, e a utilizam como fonte de nitrogênio para estimular o crescimento de tumores.

Os resultados da pesquisa mostram que a presença de amônia acelera a proliferação de células de câncer de mama, enquanto a supressão do metabolismo da amônia pode parar o crescimento tumoral, observado nos testes em camundongos.

O estudo revela o papel biológico da amônia no câncer e pode ajudar em projetos de novas estratégias terapêuticas para retardar o crescimento tumoral, de acordo com os autores.

“Inicialmente, acreditava-se que a amônia era um desperdício metabólico que deveria ser limpo devido à sua alta toxicidade”, disse Marcia Haigis, professora associada de biologia celular do HMS

Segundo a bióloga, a amônia não é tóxica para células do câncer de mama e pode ser usada para alimentar os tumores, servindo como fonte para os “blocos de construção” que os tumores precisam para crescer.

As células que crescem rapidamente consomem nutrientes vorazmente e geram desperdícios metabólicos em excesso, como as do câncer, por exemplo. Um desses subprodutos, a amônia, é normalmente transportada em vasos sanguíneos para o fígado, onde é convertido em substâncias menos tóxicas e excretado do organismo.

O estudo

Para investigar como os tumores lidam com altos níveis de amônia, a Professora Haigis e seus colegas usaram uma técnica para rotular o nitrogênio na glutamina. Quando a glutamina é quebrada durante o metabolismo celular, a amônia contendo nitrogênio rotulado é liberada como um subproduto.

Rastreando o destino desta amônia, os pesquisadores analisaram mais de 200 metabolitos celulares diferentes em células de câncer de mama e em tumores humanos transplantados em camundongos.

Eles encontraram células de câncer de amônia reciclado com alta eficiência, incorporando-a em numerosos componentes – principalmente o glutamato de aminoácidos, um bloco de construção fundamental para proteínas, bem como seus derivados. Cerca de 20% do grupo de glutamato celular continha nitrogênio reciclado.

Maiores concentrações de amônia aceleraram o crescimento de células de câncer de mama cultivadas em laboratório. As células expostas à amônia duplicaram até sete horas mais rapidamente do que as células cultivadas sem amônia.

Em culturas tridimensionais – uma técnica que permite que as células se comportem como dentro do corpo – a exposição à amônia aumentou até 50 por cento o número de células e a área superficial dos aglomerados de células em comparação com células cultivadas sem amônia.

Com informações da Harvard Medical School. Edição Setor Saúde. 

Acesse o site com mais informações (em inglês):

VEJA TAMBÉM

Por precaução, Anvisa suspende uso da vacina contra a Covid-19 da AstraZeneca/Fiocruz em gestantes

A Anvisa recomendou nesta segunda-feira (10) a suspensão imediata do uso da vacina contra a Covid-19 da AstraZeneca/Fiocruz em gestantes. Segundo o órgão regulador, a recomendação é resultado do monitoramento de eventos adversos feito com as vacinas contra Covid-19 em uso no país. A medida, completa a Anvisa, tem base no “princípio da precaução”. Existe
Atazanavir, Sofosbuvir e Daclatasvir

Tacchini participa de pesquisa com antivirais para combater a Covid-19

O Instituto Tacchini de Pesquisa em Saúde (ITPS) está participando de mais um braço de estudos do Coalizão Covid Brasil. Conduzido pelos hospitais que integram o Programa de Apoio ao Desenvolvimento do SUS (PROADI-SUS), o Coalizão IX, batizado de Revolution, tem como objetivo estudar a eficácia e segurança de antivirais já utilizados no combate a outras doenças,

Ferramenta que analisa exames de imagens irá ampliar a participação de pacientes da Santa Casa em pesquisas clínicas  

Para ampliar a elegibilidade e a participação dos seus pacientes em pesquisas clínicas, a Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre incorporou a ferramenta Medexprim, líder europeu especializado na extração de conjuntos de dados complexos. Agora, qualquer paciente que realizar seus exames de imagem na instituição (como ultrassonografia, tomografia computadorizada, ressonância magnética, entre outros) poderá