Estatísticas e Análises | 17 de setembro de 2020

Estudo realizado entre profissionais de saúde aponta elevada exposição ao coronavírus 

Pesquisa indicou uma prevalência de mais de 80% de exposição ao vírus entre estes profissionais
Estudo realizado entre profissionais de saúde aponta elevada exposição ao coronavírus 

Estudo inédito, divulgado na quarta-feira (16), avaliou a prevalência da Covid-19 em trabalhadores de serviços de emergência em Porto Alegre – que compõem um grupo de profissionais com uma das maiores exposições ao coronavírus. Realizada pela Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, a pesquisa indicou uma prevalência de mais de 80% de exposição ao vírus entre estes profissionais, com a produção de anticorpos de 5,5%, ou seja, 1,6 vezes maior do que na população de Porto Alegre.


De acordo com Alessandro Pasqualotto, chefe do Laboratório de Biologia Molecular da Santa Casa e um dos coordenadores da pesquisa, juntamente com Antonio Kalil, Diretor de Ensino e Pesquisa da Santa Casa, “há poucos estudos sobre a prevalência da Covid entre profissionais de saúde, e os resultados encontrados mostram que este grupo possivelmente seja o mais exposto à Covid-19 na população gaúcha”.


Hospitais participantes

O levantamento, realizado em parceria com o Instituto Cultural Floresta (ICF) e a Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPAavaliou toda a população de profissionais da saúde, entre os dias 20 e 24 de julho, atuando em cinco grandes emergências de Porto Alegre. Foram estudados 1.163 indivíduos, sendo 315 profissionais na Santa Casa, 310 no Hospital de Clínicas de Porto Alegre, 300 no Hospital Conceição, 270 no Hospital São Lucas da PUC-RS e 140 no Hospital Mãe de Deus. O estudo utilizou os chamados testes rápidos para Covid-19: IgM, que detecta infecções recentes, e IgG, para infecções mais antigas.

Na segunda fase do estudo, realizada após 3 semanas com os mesmos profissionais da saúde, observou-se negativação dos anticorpos em mais de metade dos sujeitos avaliados.


Na avaliação de Antonio Kalil, “este estudo traz importantes dados epidemiológicos sobre a covid-19 na capital gaúcha, em uma população que esteve à linha de frente no combate à epidemia. O predomínio de anticorpos IgM indica que a contaminação tenha se dado preferencialmente nos meses de junho e julho”. 


Com informações Santa Casa. Edição SS. 



VEJA TAMBÉM