Estatísticas e Análises, Mundo | 17 de junho de 2015

Dieta livre de glúten pode ser aliada no combate às dores em crianças com doença celíaca

Pesquisa foi publicada na revista Pediatrics
Dieta livre de glúten pode ser aliada no combate às dores em crianças com doença celíaca

Uma dieta livre de glúten pode levar à resolução de sintomas musculoesqueléticos (como dores nas juntas) em pacientes com doença celíaca (DC) silenciosa, ou doença celíaca sem sintomas gastrointestinais. De acordo com uma pesquisa do Hospital for Special Surgery (EUA), divulgada em um artigo no periódico Pediatrics, a patologia esteve presente em 2,0% das crianças que se apresentaram para uma avaliação inicial em clínicas de reumatologia pediátrica.

Os resultados recomendam a inclusão do rastreio da DC na avaliação laboratorial inicial de pacientes reumatológicos pediátricos. Uma equipe de pesquisadores, liderada por Thomas JA Lehman, revisou prontuários médicos e dados de triagem sorológica padronizados de 2.125 pacientes, entre 2 e 16 anos, que foram atendidos na Divisão de Reumatologia Pediátrica, no Hospital for Special Surgery, entre junho de 2006 e dezembro de 2013.

Os pesquisadores descobriram que 36 pacientes tinham doença celíaca livre de sintomas gastrointestinais. Somados aos oito pacientes que, no início do estudo, já se sabia terem DC, a prevalência da doença durante o período de estudo foi de 2,0%, cerca de um em cada 48 pacientes. Na população geral, a prevalência foi de 0,7%.

Dos 36 pacientes com DC silenciosa, 30 foram confirmados através de endoscopia; seis se recusaram a fazer endoscopia, mas apresentaram redução significativa dos sintomas com uma dieta livre de glúten. A maioria dos novos casos diagnosticados de DC (61,1%) apresentava apenas queixas musculoesqueléticas e nenhum dos sintomas clássicos de DC (dor abdominal, diarreia, baixa estatura, perda de peso e dificuldades no crescimento). Apenas 12 pacientes relataram histórico de sintomas gastrointestinais.

Os pesquisadores sugerem a revisão das diretrizes clínicas para a triagem de DC, para incluir crianças com queixas musculoesqueléticas. As atuais diretrizes recomendam a triagem de DC em crianças com déficit de crescimento, diarreia persistente, dor abdominal recorrente, constipação, vômitos, dermatite herpetiforme, hipoplasia do esmalte dentário, osteoporose, baixa estatura, puberdade atrasada, anemia por deficiência de ferro, diabetes mellitus assintomática, tireoidite autoimune, síndrome de Down, síndrome de Turner, síndrome de Williams, deficiência seletiva de imunoglobulina A e histórico de um parente de primeiro grau com DC.

Os autores observam que a detecção precoce da DC não só capacita o paciente a alcançar os benefícios do início precoce de uma dieta livre de glúten, como também evita os perigos de uma terapia imunossupressora desnecessária.

VEJA TAMBÉM

REGULAÇÃO

2,1 milhões de dólares: medicamento mais caro do mundo é aprovado nos EUA

A agência reguladora de medicamentos dos EUA, a FDA, aprovou na sexta-feira, 24, a primeira terapia genética para a atrofia muscular espinhal (AME). O laboratório farmacêutico Novartis, responsável pela pesquisa e produção da terapia, estima que a Zolgensma (onasemnogene abeparvovec-xioi) custará algo em torno de 2,125 milhões de dólares (uma única dose), fazendo com que a mesma se torne
LEITURA

Entidades lançam publicações com dados históricos e indicadores da saúde nacional

A Associação Nacional de Hospitais Privados (ANAHP), a Organização Nacional de Acreditação (ONA) e a Confederação Nacional de Saúde (CNSaúde), em parceria com a Federação Brasileira dos Hospitais (FBH) – lançaram importantes publicações durante a Feira Hospitalar que ocorreu entre os dias 21 e 24 de maio, na cidade de São Paulo. Enquanto ANAHP e CNSaúde/FBH apresentam indicadores, dados e artigos, a ONA

Anvisa tira do mercado 185 medicamentos para hipertensão arterial

A a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recolheu 185 lotes de medicamentos para hipertensão arterial. Segundo a agência, os medicamentos recolhidos são os remédios que possuem os princípios ativos do tipo “sartanas”, como a losartana, valsartana, olmesartana e irbesartana. Confira a lista completa aqui. Eles foram recolhidos por suspeita de conter “impurezas” que podem causa câncer