Gestão e Qualidade | 8 de junho de 2020

BNDES lança linha de crédito de R$ 2 bi para hospitais, clínicas e laboratórios de grande porte

Segmentos terão linha específica e pagarão juros menores se mantiverem ou ampliarem empregos
BNDES lança linha de crédito de R$ 2 bi para hospitais e laboratórios

O Presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Gustavo Montezano, anunciou na segunda-feira, 8, uma linha de crédito de R$ 2 bilhões a setores ligados à saúde. A demanda vinha sendo pleiteada por entidades como a CNSaúde, ANAHP, ABRAMED e FBH, dentre outras.

Em live transmitida pelo BNDES, Montezano disse que o uso dos recursos será de forma livre, ou seja, eles servirão para apoiar a liquidez nesse momento, sem necessidade de vincular o uso a qualquer tipo investimento ou infraestrutura (assista o vídeo no final, a partir do 16:40).

O crédito poderá ser requisitado por hospitais e laboratórios privados de grande porte com ou sem fins lucrativos -, com faturamento maior que R$ 300 milhões/ano. Denominado Crédito Direto Emergencial – Saúde, o programa possui incentivo à manutenção de empregos e reposição de postos de trabalho (cláusula social – adição de 6 meses de carência e redução do custo para 1,1%).

BNDES_Hospital_Laboratorio

Repercussão

Segundo a Abramed, a ociosidade dos laboratórios e das clínicas de diagnóstico por imagem chega, respectivamente, a 70% e 90%, o que consolida um cenário preocupante, em função da queda de exames realizados durante a pandemia. “Nosso setor de diagnósticos no Brasil é composto por muitas pequenas empresas que não contam com caixa suficiente para garantir suas necessidades financeiras por tantos meses”, comenta Priscilla Franklim Martins, diretora-executiva da Abramed, lembrando que as grandes empresas também sofreram rupturas, fecharam unidades e seguem na luta pela manutenção de seus serviços.

O vice-presidente da CNSaúde (e presidente da FEHOSUL), Cláudio Allgayer, diz que a aprovação da linha de crédito demonstra a força da CNSaúde e demais entidades, que vem se unindo para contribuir com as soluções que a saúde como um todo demanda. “Os hospitais são um elo importante da nossa economia. Se não ajudarmos os segmentos hospitalar, de clínicas e laboratorial, muitos empregos podem ser perdidos. Por isto, toda a sociedade deve trabalhar junta para que os profissionais da saúde tenham a garantia de que seus empregos serão mantidos após o caos gerado pela pandemia”, defende. Segundo Allgayer, a entidade vem trabalhando para buscar mais soluções junto ao mercado, principalmente para os pequenos e médios hospitais/clínicas, já que a linha do BNDES é destinada para hospitais com faturamento a partir de R$ 300 milhões ao ano.

A Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp) diz que a queda de faturamento verificada nos hospitais que integram a associação gira em torno de 30%. O vice-presidente do Conselho Administrativo da Anahp, Henrique Neves, destaca a importância desta medida. “O programa de financiamento dos hospitais privados anunciado hoje demonstra a sensibilidade da área econômica do governo, especialmente do BNDES, com o impacto da Covid-19 sobre as suas atividades. Este apoio será uma contribuição importante para que os hospitais possam manter a regularidade de suas operações durante o período remanescente da pandemia”.

Acesse a apresentação do BNDES (power point).

Crédito para a saúde (a partir do 16:40)

Caixa Hospitais

Em março, a Caixa Econômica Federal anunciou que os empréstimos da linha de crédito CAIXA Hospitais passou de 0,96% a.m. para 0,80% a.m. Esta linha de crédito se encaixa mais aos hospitais de pequeno e médio porte, sendo destinada às entidades filantrópicas e filiais de entidades não filantrópicas conveniadas com o SUS que tenham recursos financeiros a receber do Ministério da Saúde (MS)/Fundo Nacional de Saúde (FNS) referentes aos serviços ambulatoriais e de internações hospitalares prestados ao Sistema Único de Saúde (SUS).

 



VEJA TAMBÉM