Estatísticas e Análises, Mundo | 29 de junho de 2015

Bactéria marinha que se alimenta de carne humana já matou cinco pessoas nos EUA

Mesma família da bactéria causadora da cólera
Bactéria marinha que se alimenta de carne humana já matou três pessoas nos EUA

Uma bactéria que devora carne humana fez cinco vítimas fatais na Flórida, EUA. Segundo as autoridades americanas, ao menos onze pessoas foram infectadas pelo “Vibrio vulnificus”, da mesma família da causadora da cólera.

O departamento de saúde do Estado norte-americano está alertando a população sobre a bactéria. Ela se desenvolve em água quente e salgada, e penetra no corpo humano por meio de ferimentos ou cortes na pele. Quando isso ocorre, surgem erupções cutâneas que podem se tornar feridas (o que deu origem ao apelido de “bactéria carnívora”). Afeta particularmente as pessoas idosas ou com problemas no sistema imunológico.

O site do órgão de saúde da Flórida divulga regularmente o número de casos e a localidade dos infectados (http://www.floridahealth.gov).

A bactéria também pode ser contraída pela ingestão de mariscos crus. Nestes casos, os sintomas mais comuns são diarreia, vômitos e dor abdominal. É possível tratar a bactéria com antibióticos. A infecção é rara e ocorre com mais frequência entre maio e outubro, segundo o departamento de saúde dos EUA. Em 2012, 26 infecções (sendo nove fatais) foram confirmadas. Em 2013, 41 casos e 12 mortes. Em 2014, foram registrados 32 casos e sete mortes.

Para evitar contaminação, os especialistas recomendam que a pessoa não entre na água se tiver alguma ferida recente na pele. Também deve-se evitar comer frutos do mar crus. Os médicos recomendam evitar o consumo de mariscos crus e banhar-se no mar quando tiver alguma ferida, para impedir possibilidade de contágio.

As autoridades também redobram o alerta para pessoas que tenham o sistema imunológico fraco. “Pacientes que têm doenças crônicas no fígado, por exemplo, têm o risco mais alto de ter complicações mais severas. A bactéria pode cair na corrente sanguínea e causar febre, lesões na pele, choque séptico e causar a morte”, informa o departamento.

VEJA TAMBÉM

REGULAÇÃO

2,1 milhões de dólares: medicamento mais caro do mundo é aprovado nos EUA

A agência reguladora de medicamentos dos EUA, a FDA, aprovou na sexta-feira, 24, a primeira terapia genética para a atrofia muscular espinhal (AME). O laboratório farmacêutico Novartis, responsável pela pesquisa e produção da terapia, estima que a Zolgensma (onasemnogene abeparvovec-xioi) custará algo em torno de 2,125 milhões de dólares (uma única dose), fazendo com que a mesma se torne
LEITURA

Entidades lançam publicações com dados históricos e indicadores da saúde nacional

A Associação Nacional de Hospitais Privados (ANAHP), a Organização Nacional de Acreditação (ONA) e a Confederação Nacional de Saúde (CNSaúde), em parceria com a Federação Brasileira dos Hospitais (FBH) – lançaram importantes publicações durante a Feira Hospitalar que ocorreu entre os dias 21 e 24 de maio, na cidade de São Paulo. Enquanto ANAHP e CNSaúde/FBH apresentam indicadores, dados e artigos, a ONA

Anvisa tira do mercado 185 medicamentos para hipertensão arterial

A a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recolheu 185 lotes de medicamentos para hipertensão arterial. Segundo a agência, os medicamentos recolhidos são os remédios que possuem os princípios ativos do tipo “sartanas”, como a losartana, valsartana, olmesartana e irbesartana. Confira a lista completa aqui. Eles foram recolhidos por suspeita de conter “impurezas” que podem causa câncer