Gestão e Qualidade, Política | 27 de janeiro de 2016

Secretaria da Saúde inicia discussão sobre critérios de incentivos aos prestadores

Fehosul faz parte representando hospitais, clínicas e laboratórios privados
Secretaria da Saúde inicia discussão sobre critérios de incentivos aos prestadores

A Federação dos Hospitais e Estabelecimentos de Saúde do RS (Fehosul), através de seu presidente, Cláudio Allgayer, participou de reunião presidida pelo Secretário Adjunto da Saúde, Francisco Paz, no dia 28, para analisar, revisar e decidir sobre incentivos estaduais a prestadores de serviços no Sistema Único de Saúde (SUS). Participaram ainda representação dos Filantrópicos, Jairo Tessari, a representante do Conselho das Secretarias Municipais de Saúde do Rio Grande do Sul (COSEMS/RS), Sandra Sperotto (também secretária de Saúde de Viamão), o representante da Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs), Paulo Azeredo, o diretor do Departamento de Assistência Hospitalar e Ambulatorial (DAHA), Rogério Cele, além de integrantes da comissão – representando departamentos e áreas técnicas da Secretaria Estadual da Saúde (SES) – , como a Diretora do Departamento de Planejamento da Secretaria da Saúde, Aglae Regina da Silva.

A comissão, instituída por Portaria do secretário João Gabbardo, em 22 de janeiro, deve apresentar, até o dia 20 de abril, propostas para a definição de nova política de incentivos estaduais, através do cofinanciamento estadual, a serem repassados aos prestadores públicos, filantrópicos e privados da rede de atenção à saúde.

Segundo Francisco Paz, a reunião é resultante de um entendimento prévio da Secretaria com o Conselho das Secretarias Municipais da Saúde (COSEMS/RS), e tem como objetivo “estabelecer uma nova política estadual no âmbito do SUS referente aos recursos financeiros que o Estado aporta para o financiamento do SUS”.

O diretor do DAHA, Rogério Cele, salientou que o governo do Estado vem repassando todos os meses, cerca de R$ 80 milhões, entre incentivos e programas assistenciais. “A este valor agrega-se ainda o aluguel de quase 400 leitos de UTI, alocados a hospitais, cujo gasto atual gira em torno de R$ 4,6 milhões por mês. O Ministério da Saúde ainda precisa quitar conosco, um valor total de R$ 22 milhões de reais referentes a AIH eletivas [Autorização de internação Hospitalar] ”, esclareceu o dirigente da SES.

O secretário Francisco Paz, afirmou que o grupo deverá buscar a análise de todos os tipos de incentivos que fazem parte do cofinaciamento. “Existem vários aspectos que precisam ser corrigidos. Um deles é a necessidade de qualificar e equalizar a relação de todos os prestadores de serviços, inclusive os privados com finalidade lucrativa. Tudo pode ser repensado, inclusive os aluguéis de leitos de UTI, por exemplo”.

Foi decidido que as reuniões serão semanais. A próxima ocorre no dia 3 de fevereiro, com cada entidade podendo se fazer presente pelo titular e mais um suplente.

O Incentivo de Cofinanciamento da Assistência Hospitalar (IHOSP), programa lançado em 2014, no governo anterior, não será tema das reuniões, já que não consta mais no orçamento da Secretaria da Saúde. A representante do COSEMS/RS, Sandra Sperotto, reforçou dizendo que “hoje temos muitos incentivos fracionados e específicos, às vezes de valor muito pequenos e de baixo impacto assistencial. Alguns até hoje não puderam ser adequadamente avaliados, como as Oficinas Terapêuticas, por exemplo”, enfatizou Sandra.

A Diretora de Planejamento, Aglae Regina da Silva, reforçou que “existem duas redes prioritárias de atenção, a rede materna infantil e a de urgência e emergência”.

Para Cláudio Allgayer o “cofinanciamento na saúde deve ser entendido como um aporte adicional de recursos por parte da SES, sobre aqueles valores transferidos pelo Ministério da Saúde, e que deve incidir em todos os elos da cadeia assistencial, independente da sua organização jurídica, incluindo além dos hospitais, as clínicas de várias especialidades, laboratórios de análises e de patologia clínica que trabalham com o SUS.”

Secretaria da Saúde inicia discussão sobre critérios de  incentivos aos prestadores

Foto: José Eduardo Bernhardt

VEJA TAMBÉM

Conheça 6 protocolos do Hospital São Lucas da PUC-RS para garantir atendimento seguro aos seus pacientes

O Portal Setor Saúde, em parceria com a Federação dos Hospitais e Estabelecimentos de Saúde do RS (FEHOSUL), lançou uma série especial de entrevistas com gestores das instituições de saúde, onde são destacadas as novas rotinas adotadas pelos hospitais durante a pandemia da Covid-19 (doença causada pelo novo coronavírus). São abordadas também algumas consequências danosas associadas à pandemia, entre as
mercado

Fundos de investimento XP e IG4 Capital anunciam aquisições no setor hospitalar

Dois fundos, a XP Investimentos (XPI) e o IG4 Capital, anunciaram nos últimos dias investimentos pesados no setor hospitalar. Juntas, as aquisições feitas pelos fundos ultrapassam os R$ 400 milhões de reais. Os hospitais envolvidos foram o Hospital Metropolitano Dr. Célio de Castro, em Belo Horizonte (MG), o Hospital Delphina Rinaldi Abdel Aziz, em Manaus (AM) e o Centro Brasileiro de Visão (CBV Hospital

Como o Hospital Tacchini vem atuando para garantir atendimento seguro a pacientes Covid e não Covid

A pandemia da Covid-19 (doença causada pelo novo coronavírus) fez com que diversas rotinas fossem alteradas em todo o mundo. Na área da saúde, uma das consequências notadas  foi a suspensão dos procedimentos eletivos – cirurgias, exames diagnósticos e consultas – com impactos relevantes para a sustentabilidade dos hospitais, mas também, para a saúde os pacientes. Segundo