Estatísticas e Análises, Mundo | 17 de julho de 2015

Risco de AVC ao utilizar antidepressivos e analgésicos conjuntamente

Estudo com uma base de 4 milhões de pacientes pede atenção especial a este grupo
Risco de AVC ao utilizar antidepressivos e analgésicos conjuntamente

O uso de antidepressivos conjuntamente com analgésicos está associado ao aumento de hemorragia intracraniana (acidentes vasculares cerebrais hemorrágicos) logo após o início do tratamento. Um estudo publicado no The British Medical Journal (BMJ), comparou os riscos de hemorragia intracraniana em pacientes tratados com antidepressivos e drogas anti-inflamatórias não-esteroides (AINEs), com os doentes tratados apenas com antidepressivos. Os AINEs são amplamente vendidos no mercado, como aspirina, naproxeno e ibuprofeno.

Os investigadores com sede na Coreia do Sul usaram informações de bancos de dados coreanos de 1° de janeiro de 2009 a 31 de dezembro de 2013. Foram analisados 4.145.226 indivíduos a quem tinham sido prescritos antidepressivos pela primeira vez. Os pesquisadores tiveram também acesso às prescrições dos analgésicos e aos registros hospitalares para identificar as admissões por hemorragia intracraniana, durante o mês após uma nova prescrição.

O estudo apurou que, comparativamente com o uso isolado de antidepressivos, a combinação com analgésicos foi associada a um risco aumentado de hemorragia. Não foram detectadas diferenças estatisticamente significativas no risco de hemorragia entre diferentes tipos de antidepressivos ou idade. Os pacientes do sexo masculino foram aqueles que apresentaram um risco mais elevado.

Os investigadores ressaltaram que os resultados podem ter sido afetados por fatores não medidos ou desconhecidos, ou seja, devem ser interpretados com alguma cautela. No entanto, as informações sugerem que é necessário dar atenção especial aos pacientes que tomam estes dois fármacos conjuntamente.

VEJA TAMBÉM

Covid-19: Fabricante diz que Remdesivir reduz a mortalidade em 62%, mas falta de aprofundamento ainda gera dúvidas

O remdesivir reduziu o risco de mortalidade de pacientes com Covid-19 em 62% em comparação com o tratamento padrão, de acordo com uma nova análise dos testes divulgados pela Gilead Sciences Inc., fabricante do medicamento. A nova análise comparou os dados dos estudos em estágio avançado com o tratamento na vida real. A Gilead apresentará as descobertas na Conferência Virtual
covid-19

Pesquisa científica demonstra sintomas persistentes da Covid-19 mesmo após recuperação

Na Itália, 71,4% dos pacientes (de 31.845 casos confirmados até 3 de junho de 2020) com Covid-19 apresentaram sintomas. Entre os sintomas comuns, estão tosse, febre, dispnéia, sintomas osteomusculares (mialgia, dor nas articulações, fadiga), sintomas gastrointestinais e perda de olfato e paladar. No entanto, informações sobre os sintomas persistentes após a recuperação são escassos. Um estudo publicado no site do Journal of the American  Medical Association (JAMA), conduzido pela Fondazione Policlinico Universitario Agostino Gemelli, Centro

EUA: Walgreens investe US$ 1 bilhão em atenção primária e Walmart passará a vender seguros de saúde

Uma nova disputa com players altamente capitalizados indica que o mercado de varejo de medicamentos nos Estados Unidos será cada vez mais disputado. E sob um novo modelo de negócio que integra muito mais do que a mera venda de medicamentos e produtos de higiene/beleza. A oferta de serviços de atenção primária vem se tornando