Gestão e Qualidade | 6 de novembro de 2015

“Ranço ideológico” prejudica avanço da saúde nacional

Maniqueísmo entre público e privado deve ser superado, diz Balestrin
Ranço ideológico prejudica avanço da saúde nacional

Em artigo publicado dia 4 de novembro no jornal Estado de São Paulo, o presidente da Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp), Francisco Balestrin (foto), analisa o movimento que tem inviabilizado a saúde nacional, apontado por ele como “uma tentativa maniqueísta de partir a sociedade entre ‘nós’ e ‘eles’”. Balestrin foi recentemente eleito como futuro presidente da Federação Internacional dos Hospitais (IHF – International Hospital Federation), entidade que congrega mais de 50 mil hospitais e estabelecimentos de saúde de mais de cem países e que atende cerca de três bilhões de pessoas.

De acordo com o texto, intitulado “O Ranço Ideológico”, Balestrin analisa essa dualidade dentro do setor saúde, que se materializa na ruptura entre público e privado. “Existe um embate ideológico entre grupos que pensam que a Saúde, para ser boa e adequada, deve ter origem pública e estatal. Outros defendem que a assistência apropriada só pode ser privada e privatizada. Aparentemente, os dois julgamentos sustentam enganos”, considera.

“A sociedade ruma para um ambiente em que projetos e propostas põem unicamente o cidadão no centro das intenções e das atenções. Assim, não importa a natureza da prestação do serviço, desde que haja uma visão clara focada no cliente/paciente, num ambiente de acolhimento, qualidade, equidade, honestidade e segurança”.

Segundo Balestrin, o melhor caminho deve ser a integração entre público e privado, o que pode gerar intercâmbio de experiência, redução de custos e esforços. “Não se trata de utopia, mas de um caminho que já mostrou ser viável em algumas experiências bem-sucedidas”, diz ele, citando o exemplo do Hospital do Subúrbio, em Salvador, que trabalha no modelo de Parceria Público-Privada (PPP). “Inaugurado há cinco anos, o hospital, hoje com 373 leitos e 1,5 mil funcionários, é publico e gerido por um operador privado e oferece acesso aos pacientes do SUS com qualidade, segurança assistencial, e de forma gratuita.

Outra possibilidade citada pelo presidente da Anahp são as Organizações Sociais (OSS), “em que é outorgada a uma entidade privada, sem fins lucrativos, a competência de gerir aparelhos públicos de saúde em linha com sua missão de benemerência, necessariamente de interesse da comunidade”. Ele destaque que essa gestão já é aplicada pelos hospitais Albert Einstein, Sírio-Libanês, entre outros.

No Brasil existe o mito, ou o devaneio, de que a assistência privada é superior à pública. Essa mentalidade vem da constatação de que o agente público prestador do serviço, muitas vezes, não consegue manter parâmetros assistenciais independentes de orientações ideológicas e corporativistas, considera Balestrin.

Por fim, a segregação entre “nós e eles”, entre saúde pública e privada, evidencia apenas as lacunas de gestão, mais acentuadas, em geral, no primeiro segmento. O setor privado tem demonstrado maior rigor estratégico e flexibilidade operacional não só na área de saúde, mas em todas que exigem maior atenção em recursos humanos, investimento em infraestrutura e gestão. “Mas, enquanto estivermos neste embate político, a população que depende do serviço público continua na fila do pronto atendimento. Só quando o Estado fizer valer o direito à saúde como um bem fundamental do cidadão é que as barreiras – ideológicas, territoriais ou tecnológicas – se quebrarão. Então, não existirá mais ‘nós’ e ‘eles'”, conclui o artigo.

Novo presidente da IHF

A eleição e posse de Francisco Balestrin ocorreu durante o 39º Congresso Mundial de Hospitais da IHF, em Chicago (EUA). O mandato, de acordo com o modelo da entidade, passará a vigorar a partir de 2017. O médico José Carlos Abrahão, que hoje comanda a ANS, foi presidente da IHF, entre os anos de 2009 a 2011.

O Comitê Executivo da IHF é formado por três presidentes – passado, presente e o designado – e de um diretor tesoureiro. Para a gestão 2015-2017, respondem pelo cargo de presidente o norueguês Erik Kreyberg Normann (passado), o sul-coreano Kwang Tae Kim (presente) e como presidente designado, Francisco Balestrin. “Temos uma grande identidade com a IHF, cujo papel é o de contribuir com os hospitais na ampliação do nível de serviços com segurança e qualidade, além de oferecer suporte para a educação continuada de seus profissionais. Esta é uma oportunidade importante para que o Brasil contribua com as principais discussões sobre saúde no mundo e compartilhe das melhores práticas mundiais de assistência”, afirmou Balestrin.

Destaques da Saúde 2015 

No dia 2 de dezembro, Balestrin será um dos homenageados do Prêmio Destaques da Saúde 2015, evento promovido pela Federação dos Hospitais e Estabelecimentos de Saúde do Rio Grande do Sul (Fehosul). O coquetel de confraternização, que reunirá lideranças do setor, será realizado no Centro de Eventos do Plaza São Rafael, em Porto Alegre, juntamente com o Sindicato dos Hospitais e Estabelecimentos de Saúde de Porto Alegre (Sindihospa).

VEJA TAMBÉM

ACREDITAÇÃO

Oncoclínica Porto Alegre recebe certificação internacional da Joint Commission (JCI) 

A Oncoclínica Porto Alegre foi certificada pela Joint Commission International (JCI) em reconhecimento ao compromisso contínuo da instituição com padrões internacionais de referência em segurança e qualidade. Segundo a instituição de saúde, esta é a primeira clínica do Rio Grande do Sul a receber esta certificação no Programa de Assistência Ambulatorial. O selo da JCI reconhece que a
Mudanças no mercado

UnitedHealth reestrutura operações no Brasil e substitui presidente da AMIL

aa De acordo com informações do grupo norte-americano UnitedHealth Group (UHG), dona da Amil, o médico pediatra José Carlos Magalhães assume como CEO da companhia em substituição a Claudio Lottenberg, que estava no cargo desde 2016.   Magalhães também acumulará o cargo de CEO do Americas Serviços Médicos, braço hospitalar do grupo,  de acordo com nota oficial divulgada
Serra gaúcha

Casa de Repouso Elisa Tramontina em Carlos Barbosa implanta serviço de reabilitação a idosos

A Casa de Repouso Elisa Tramontina (CRET) integrante do Tacchini Sistema de Saúde, está oferecendo à comunidade regional um serviço diferenciado na área de fisioterapia, tendo como público-alvo idosos que tiveram algum trauma ou passaram por procedimentos cirúrgicos e que precisam de reabilitação, principalmente na região do quadril e/ou joelho. O trabalho é realizado por uma equipe