Gestão e Qualidade | 9 de janeiro de 2017

Medicina Diagnóstica faturou 25 bilhões de reais no país

Empresas de medicina diagnóstica focam na integração e no crescimento orgânico
medicina-diagnostica-faturou-25-bilhoes-de-reais-no-pais1

O Grupo Sabin, uma das maiores empresas de medicina diagnóstica do Brasil, prevê um faturamento próximo de R$ 1 bilhão em 2017, através do foco na integração dos seus negócios.

Nos últimos dois anos, houve uma grande expansão do Sabin, com oito aquisições feitas. Para o ano que se inicia, o objetivo é a integração e o crescimento orgânico em exames de imagem, modalidade oferecida em apenas três das 20 praças em que atua.

A rede de medicina diagnóstica pretende investir, nos próximos 12 meses, R$ 100 milhões – mesma quantia usada em 2015 e 2016 para consolidar o crescimento. Porém, anteriormente uma parcela representativa foi destinada às aquisições, o que não deve se repetir em 2017, conforme informações do jornal Valor Econômico.

Em 2016, a receita cresceu 32% para R$ 740 milhões e foram realizados 40 milhões de exames. Com a recente expansão, a estimativa é que o faturamento chegue próximo a R$ 1 bilhão.

O Sabin possui 225 unidades, distribuídas por Goiás, Bahia, Minas Gerais, Tocantins, Amazonas, Pará, Distrito Federal, São Paulo, Mato Grosso do Sul e Paraná. Esse ano, pretende abrir outras 20 e ingressar em três novas cidades. Na primeira semana de 2017, foi aberto o primeiro laboratório em Roraima. O projeto de expansão também prevê uma maior oferta de exames de imagem nas unidades das cidades de Uberaba (MG), Uberlândia (MG) e Salvador (BA). Não há previsão ou qualquer divulgação oficial para a abertura das primeiras unidades no Rio Grande do Sul.

Fundado em 1984 em Brasília, o Sabin consolidou sua marca através do Laboratório Sabin de Análises Clínicas, e se manteve apenas com exames de análises clínicas por 30 anos, antes de apostar nos segmentos de exames de imagem e vacinação. “Há uma demanda de clientes que querem fazer todos os exames num só local”, destacou Lídia Abdalla, presidente do Sabin.

“Uma das nossas prioridades neste ano será o investimento em equipamentos de imagem”, complementou a executiva.

Hospitais e operadoras de planos de saúde têm investido em medicina diagnóstica. Entre os hospitais que vêm apostando nesse segmento nos últimos anos estão os hospitais Albert Einstein, Sírio-Libanês, HCor, Oswaldo Cruz, Beneficência Portuguesa e Rede D’Or e operadoras como Amil, NotreDame Intermédica, Hapvida e o sistema Unimed.

Conforme dados da Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (Abramed), o setor de medicina diagnóstica tem cerca de 10 mil laboratórios privados e faturou R$ 25 bilhões em 2015. Da receita total, 60% vem de exames de análises clínicas a 40% da área de imagem.

Muitas redes seguiram pelo caminho de abrir o capital no ano passado. Em outubro, a Alliar levantou R$ 766 milhões em sua oferta inicial de ações (IPO) e o laboratório Hermes Pardini, com sede em Minas Gerais informou, em dezembro, que também pretende fazer um IPO.

As líderes do setor, Dasa e Fleury, ambas com atuação em Porto Alegre, respectivamente nos hospitais Mãe de Deus e Moinhos de Vento, têm capital aberto, mas as ações da Dasa estão praticamente todas nas mãos do antigo proprietário e fundador da Amil, médico Edson Godoy Bueno. A vantagem dessas empresas é que elas já fizeram a integração das aquisições, estão organizadas e capitalizadas para investir tanto em crescimento orgânico quanto na compra de ativos.

VEJA TAMBÉM

Verde, amarelo e vermelho: hospital rotula alimentos e aumenta venda de produtos saudáveis

Um recente estudo divulgado no JAMA Network Open (produzido pela Associação Médica Americana), realizado por pesquisadores do Massachusetts General Hospital (MGH), localizado em Boston (EUA), mostrou que inserir rótulos nos produtos alimentares em um refeitório hospitalar pode auxiliar na educação alimentar dos funcionários. Os resultados demonstraram a redução de “calorias compradas” pelos colaboradores e o aumento da venda
MERCADO

Centro Clínico Gaúcho contrata dois novos executivos

A operadora de planos de saúde Centro Clínico Gaúcho (CCG) anunciou a contratação de dois novos executivos. Mauro Medeiros Borges assume a diretoria executiva de operações, e Fábio Bernal Rossetto, a diretoria executiva financeira. Borges é médico e tem experiência em gestão no mercado hospitalar e de planos de saúde. Rossetto é economista com pós-graduação e experiência em gestão empresarial,
SEMINÁRIOS DE GESTÃO

Inovação, Novas Tecnologias e Gestão Disruptiva em Saúde com inscrições abertas

As inscrições para a terceira edição do Seminários de Gestão com o tema Inovação, Novas Tecnologias e Gestão Disruptiva em Saúde, já estão abertas. O evento ocorrerá no dia 2 de agosto, no Hotel Plaza São Rafael (Av. Alberto Bins, 514 – Centro Histórico, Porto Alegre). As inscrições podem ser realizadas através deste link (inscrições realizadas até o dia 24/07, possuem desconto). Para a inscrição