Gestão e Qualidade | 8 de dezembro de 2018

Hospital Moinhos de Vento passa a realizar transplantes de fígado e de rim

Em 1970, o primeiro transplante renal do RS – e o segundo do país – foi realizado no Moinhos de Vento
Hospital Moinhos de Vento passa a realizar transplantes de fígado e de rim

O Hospital Moinhos de Vento passará a realizar transplantes de fígado e de rim. O credenciamento, concedido pela Secretaria de Atenção à Saúde do Ministério da Saúde, foi publicado no Diário Oficial da União no fim de novembro.

“Isso complementa a nossa gama de atividades e ainda proporciona a ampliação da pesquisa e inovação nessas áreas” afirma Luiz Antonio Nasi, superintendente Médico do Hospital Moinhos de Vento.

O Grupo de Transplante Renal, formado pelas equipes de nefrologia, cirurgia geral, urologia e equipe multidisciplinar, já está capacitado para realizar transplantes tanto com doador vivo como com doador falecido.

” O grupo reúne profissionais com mais de 20 anos de experiência nessa área” afirma o nefrologista David Saitovitch, responsável técnico pelo transplante renal no Moinhos de Vento.

Origens 

A instituição retoma um procedimento no qual foi pioneira. Em 1970, o primeiro transplante renal do Rio Grande do Sul – e o segundo do país – foi realizado no Moinhos de Vento pela equipe do médico Loreno Brentano. E há quatro anos houve uma sequência de cinco transplantes para a avaliação de todo o processo. ” O Hospital está totalmente capacitado” acrescenta Saitovitch.

Da mesma forma para o transplante hepático. O gastroenterologista Fernando Herz Wolff, coordenador clínico do Centro de Doenças do Fígado, explica que a atividade pode ser nova na instituição, mas os profissionais envolvidos reúnem vasta experiência e qualificação. “O Hospital passa a atender todo o espectro de doenças hepáticas” destaca Wolff.

A necessidade de transplante é para pessoas com doenças hepáticas, como alguns tipos de câncer (hepatocarcinoma) e cirrose – dano irreversível que deteriora a função do órgão – provocada por hepatites, álcool entre outras causas.

Para auxiliar no processo do transplante, está sendo montada a UTI do Fígado. A finalidade é receber pacientes de pré e pós-operatório. Ficará próxima do bloco cirúrgico, para facilitar o deslocamento, já que pode haver gravidade em algumas situações.

“A UTI também será voltada para paciente com insuficiência hepática aguda, por drogas ou hepatites. No local, vai receber tratamento especializado para reverter a insuficiência. Se necessário, será realizado o transplante” afirma o médico José Fernando Pires, intensivista de pré e pós-operatório.

Saúde Suplementar 

O transplante hepático não consta do Rol de Procedimentos da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), o que garantiria a cobertura por planos de saúde. O órgão regulador informa que, a cada dois anos, a lista é atualizada pelo Comitê Permanente de Regulação da Atenção à Saúde. Conforme a ANS, procedimentos ainda não incluídos no Rol poderão ser avaliados a partir de estudos clínicos e comprovação de capacidade da rede assistencial.

Transplante de medula óssea e doações

Buscando ampliar a sua atuação, desde julho de 2015 o Hospital Moinhos de Vento realiza transplante de medula óssea (TMO). Nesse período, já foram 91 procedimentos de pacientes de convênios e por meio do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (Proadi-SUS).

Projeto busca sensibilizar para diminuir fila de espera por órgãos

No Brasil, a fila de espera por um órgão doado permanece elevada, somando cerca de 30 mil pessoas. Para aumentar a doação no país, o Moinhos de Vento desenvolve o Donors (do inglês, doadores), projeto coordenado pelo Escritório de Projetos Proadi-SUS do hospital em parceira com o Ministério da Saúde. A finalidade é capacitar profissionais de saúde para esclarecer familiares sobre a morte encefálica e mostrar a importância da doação de órgãos.

Saiba mais Hospitais de Clínicas e Moinhos de Vento retomam acordo para coleta de sangue de cordão umbilical

VEJA TAMBÉM

ACREDITAÇÃO

Oncoclínica Porto Alegre recebe certificação internacional da Joint Commission (JCI) 

A Oncoclínica Porto Alegre foi certificada pela Joint Commission International (JCI) em reconhecimento ao compromisso contínuo da instituição com padrões internacionais de referência em segurança e qualidade. Segundo a instituição de saúde, esta é a primeira clínica do Rio Grande do Sul a receber esta certificação no Programa de Assistência Ambulatorial. O selo da JCI reconhece que a
Mudanças no mercado

UnitedHealth reestrutura operações no Brasil e substitui presidente da AMIL

aa De acordo com informações do grupo norte-americano UnitedHealth Group (UHG), dona da Amil, o médico pediatra José Carlos Magalhães assume como CEO da companhia em substituição a Claudio Lottenberg, que estava no cargo desde 2016.   Magalhães também acumulará o cargo de CEO do Americas Serviços Médicos, braço hospitalar do grupo,  de acordo com nota oficial divulgada
Serra gaúcha

Casa de Repouso Elisa Tramontina em Carlos Barbosa implanta serviço de reabilitação a idosos

A Casa de Repouso Elisa Tramontina (CRET) integrante do Tacchini Sistema de Saúde, está oferecendo à comunidade regional um serviço diferenciado na área de fisioterapia, tendo como público-alvo idosos que tiveram algum trauma ou passaram por procedimentos cirúrgicos e que precisam de reabilitação, principalmente na região do quadril e/ou joelho. O trabalho é realizado por uma equipe