Gestão e Qualidade | 18 de junho de 2018

Fábio Gastal aborda a trajetória da acreditação no Brasil em nova edição do Seminários de Gestão

Vice-presidente da ONA participou de evento da FEHOSUL, SINDIHOSPA e AHRGS
Fábio Gastal aborda a trajetória da acreditação no Brasil em nova edição do Seminários de Gestão

Compreender trajetória da acreditação em saúde no Brasil, desde a implementação, nos anos 1990, até os dias atuais. Este foi o tema da palestra inicial da 7ª edição do evento Seminários de Gestão, promovido pela Federação dos Hospitais e Estabelecimentos de Saúde do RS (FEHOSUL), Sindicato dos Hospitais e Clínicas de Porto Alegre (SINDIHOSPA) e Associação dos Hospitais do Rio Grande do Sul (AHRGS). A atividade ocorreu no Hotel Continental, em Porto Alegre, na sexta-feira (15). A apresentação inicial ficou por conta do primeiro superintendente da ONA e atual vice-presidente do Conselho de Administração da entidade, Dr. Fábio Leite Gastal.

Esta edição do Seminários de Gestão (a terceira de 2018) teve como tema “Qualidade e Certificação em Saúde”. Mais uma vez sucesso de público, o evento contou com auditório lotado. Esta terceira edição de 2018 teve como patrocinadores o Banrisul e a Pixeon. O portal Setor Saúde é o veículo de comunicação oficial do evento e a Fasaúde é a instituição de Ensino Superior responsável pela emissão dos certificados do evento. A atividade contou aindacom apoio do IAHCS Acreditação e do IQG.

 

PHOTO-2018-06-

Abertura

A abertura foi feita pelo presidente da FEHOSUL e da AHRGS – e da Organização Nacional de Acreditação (ONA) -, Dr. Cláudio José Allgayer, que saudou os presentes. “Agradeço, em especial, à presença de dois pioneiros do movimento da acreditação em saúde do nosso país: ao Dr. Fábio Gastal, que fez parte da equipe fundadora nacional de acreditação, que se constituiu em 1999. E também faço uma saudação especial ao Dr. Péricles Góes, “que na época em que a ONA foi estruturada (1997 a 1999, quando foi efetivamente fundada), ele dirigia um setor dentro do Ministério da Saúde, dedicado à área da certificação e acreditação de saúde”, afirmou Allgayer.

 

PHOTO-2018-06-15-14-38-03

O presidente da FEHOSUL/AHRGS e da ONA também aproveitou a oportunidade para divulgar o lançamento do segundo ciclo do programa QUALIS-RS, iniciativa conjunta do Sistema FEHOSUL e AHRGS, que visa difundir a cultura da segurança do paciente e estimular hospitais, clínicas e laboratórios de pequeno e médio porte a participarem do movimento de acreditação. “A abertura das inscrições ocorre hoje e deixaremos abertas até o final do mês de julho. No primeiro ciclo, referente ao período 2017/2018, 23 instituições manifestaram interesse de participar. Ao final, foram selecionadas nove instituições, que preencheram todos os critérios de elegibilidade, e estão praticamente terminando o processo. Agora, estamos lançando o ciclo 2018/ 2019”, frisou Allgayer.

Fábio Gastal

O médico Fábio Leite Gastal abordou a trajetória da acreditação no Brasil, contextualizando o momento atual – com dificuldades, conquistas e desafios. Gastal iniciou falando sobre o início do processo de acreditação nacional que, de acordo com o médico, está relacionado com a redemocratização do país. “A ONA surge neste contexto de um conjunto muito grande de mudanças, no final dos anos 1980”, explicou.

 

PHOTO-2018-06-15-14-37-59

De acordo com o vice-presidente da ONA, a saúde nos últimos trinta anos avançou, apesar de muitos desafios. “Aceitamos o desafio de universalizar o acesso à saúde, em um país que não oferece educação básica universalizada e demais serviços básicos. Fizemos muitas coisas, e somos capazes de desatar os pequenos nós que, de alguma forma, estão atrasando o avanço significativo do setor da saúde como um todo e, consequentemente, da acreditação. Sou um otimista”, afirmou.

Gastal enfatizou que a estruturação da acreditação no Brasil foi um grande desafio, com várias vertentes regionais sendo elaboradas. “Começa este movimento, com um grupo de trabalho no Ministério da Saúde, e uma série de iniciativas soltas pelos estados. Em particular, São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, algumas iniciativas tímidas em Minas Gerais, e no Rio Grande do Sul”, abordou.

No RS, o vice-presidente da ONA explicou que houve o encontro de duas vertentes. “A vertente do Programa Gaúcho de Qualidade e Produtividade (PGQP) e a vertente da acreditação. Mas, todos juntos na FEHOSUL, na AHRGS. Ali se criou o comitê setorial da saúde do PGQP. E esta foi a primeira iniciativa que fundia as duas metodologias: uma tipicamente empresarial e uma tradicional, oriunda da Joint Commission International (JCI), da experiência canadense e americana, que influenciava o setor de saúde, mas que então estava desconectada destes métodos modernos de gestão”, explicou.

 

PHOTO-2018-06-15-14-38-00

O médico também destacou que, no esforço gaúcho na elaboração dos primeiros manuais de acreditação foi realizado o primeiro estudo-piloto, com apoio da FEHOSUL, IAHCS e Sebrae. “Este estudo foi a avaliação do primeiro manual, que tentava juntar as metodologias. Foi feito um estudo de campo e testar as metodologias, que deram origem ao modelo gaúcho de fazer a discussão da acreditação, que tentava articular as metodologias modernas de gestão com o modelo tradicional proposto pela Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS)”, frisou.

Gastal destacou a originalidade da ONA de criar o primeiro programa de educação à distância (EAD) do país na área da saúde. “Precisamos fazer um estudo para analisar e publicar essa importante iniciativa porque, de acordo com minhas estimativas, já foram treinados pela ONA de 20 a 30 mil profissionais de vigilância sanitária, avaliadores de acreditação e profissionais de saúde interessados em saber sobre a metodologia. Foi uma iniciativa importante, iniciada em 2001, onde não existia nenhuma experiência de EAD relevante”, enfatizou.

De acordo com o médico, as décadas de atuação da ONA resultaram em consolidação. “É importante ressaltar o reconhecimento que a ONA tem. Nos primeiros anos, foram realizadas mais de 300 certificações nos seus 10 primeiros anos. Hoje, já são mais de 300 certificações por ano”, afirmou.

Gastal enfatizou que o Brasil sofre um grande problema com modelos de remuneração, tecendo fortes críticas ao fee for service. “O Brasil é o único país com grande sistema de saúde que ainda utiliza massivamente o fee for service. Se continuarmos com este modelo, estimulamos a não qualidade, o baixo desempenho, o procedimento desnecessário. O modelo fee for service é perverso. Com certeza, a saúde suplementar perde de 25% a 30% de todo PIB privado brasileiro em desperdício, em má prática e procedimentos desnecessários, com atividades burocráticas que não tem nenhuma utilidade para a saúde. O modelo gasta mais tempo tentando perseguir o melhor processo de cobrança do que com a qualidade efetiva, com o benefício oferecido ao paciente”, disse.

Gastal ressaltou que há uma grande falácia, que a acreditação fracassou. “Sem estímulo, continua tendo 300 acreditações por ano e avançando de 15 a 20% anualmente, por iniciativa da sociedade civil, sem participação des fontes pagadoras e do governo. Ou seja, não fracassou”, frisou.

De acordo com o vice-presidente da ONA, o grande desafio atual da saúde no Brasil se refere à segurança. “Temos que fortalecer movimentos que puxem a discussão da segurança do paciente, com mecanismos de reconhecimento – como certificações. Agora, há metodologias muito robustas, que facilitam este desafio. Porque, ao meu ver, no século XXI, qualidade está ligada umbilicalmente à segurança do paciente”, frisou.

O vice-presidente da ONA finalizou a sua apresentação com quatro perguntas que consistem em desafios para a entidade nos próximos anos:

1) Como vamos cumprir o compromisso da qualidade e segurança?

2) Como conseguir ter um verdadeiro impacto de saúde pública e contribuir para a consolidação desta iniciativa generosa que é o SUS (que deve ser aperfeiçoada, e não perdida)?

3) Como reduzir desperdícios e a irracionalidade na saúde suplementar, com esses modelos obsoletos?

4) Qual será o papel da ONA para 2020 e 2030?

O Seminários de Gestão seguiu com palestras que serão detalhadas pelo portal de notícias Setor Saúde nos próximos dias. Acompanhe.

VEJA TAMBÉM

Mindray oferece treinamentos gratuitos de ventilação mecânica para hospitais no combate a Covid-19

Diante das novas configurações das equipes de saúde para enfrentar a alta demanda de casos de internação por Covid-19 em todo o território brasileiro, a Mindray, provedora de dispositivos e soluções médicas do mundo, passou a disponibilizar gratuitamente uma série de treinamentos hospitalares sobre ventilação mecânica para médicos, fisioterapeutas, enfermeiros e engenheiros clínicos. A capacitação
covid-19

Hospital Moinhos de Vento presta consultoria para retomada das atividades com segurança

Equipes da Consultoria do Hospital Moinhos de Vento estão avaliando rotinas e indicando adaptações necessárias para dar mais segurança e reduzir os riscos de infecção pelo novo coronavírus (Covid-19) no retorno das atividades de órgãos públicos, instituições e empresas. Para cada cliente, é feito um diagnóstico de acordo com o seu ramo de atuação e público,

PUCRS e Rede Divina Providência firmam convênio de cooperação acadêmica

 xx Em convênio assinado na segunda-feira (25), a PUCRS soma forças ao conceito de maternidade humanizada, segura e resolutiva presente no DNA de atuação das irmãs da Rede de Saúde Divina Providência. A finalidade do convênio firmado entre as instituições católicas é estabelecer e regulamentar um programa de cooperação acadêmica nas áreas de atuação e interesse comuns, iniciando pelo campo de prática